Em números, o desempenho do Frizão no Carioca Sub-20

Montagem do elenco para 2021 deve contar com a presença de alguns dos destaques da equipe de juniores
quinta-feira, 26 de novembro de 2020
por Vinicius Gastin
Em números, o desempenho do Frizão no Carioca Sub-20

Em meio ao cenário de pandemia e todas as limitações financeiras e estruturais enfrentadas por todo o mundo, o Friburguense encarou o desafio de participar do Campeonato Carioca Sub-20 neste segundo semestre. A única competição oficial disputada pelo clube após o retorno dos esportes de alto rendimento foi tratada como a oportunidade de investir nos garotos, olhar para o futuro do clube e tentar buscar uma vaga na Copa São Paulo de Futebol Júnior.

Este último objetivo não foi alcançado, mas há pontos positivos para serem destacados nesta caminhada do Tricolor da Serra, encerrada no último dia 7. O primeiro deles é a estreia de Sérgio Gomes como técnico de uma equipe do clube. Sem grande poder de investimento, o Frizão tem apostado em soluções caseiras para a base e até mesmo para o profissional, à exemplo do próprio técnico Cadão. Gerson Andreotti, nesse contexto, é uma exceção. Sérgio, portanto, surge e se consolida como mais um nome para as categorias inferiores.

Dentro de campo alguns jogadores conseguiram se destacar. O lateral direito Igor Gomes e o meia Gustavinho, por exemplo, já treinavam anteriormente com os profissionais e devem integrar o elenco que disputará o Carioca de 2021. Além deles, outros nomes, à exemplo de dos atacantes Thai e Mateus, autor de sete gols no Estadual de Juniores, podem ser aproveitados.

A campanha

Em termos de números e desempenho, o Friburguense fez um primeiro turno melhor que o segundo, embora não tenha começado mal a Taça Rio. Alguns problemas atrapalharam a equipe na metade final da competição, e comprometeram a busca pelos objetivos maiores.

Na Taça Guanabara, o Frizão obteve duas vitórias, um empate e quatro resultados adversos. Foram 13 gols marcados e 14 sofridos. O aproveitamento foi de 33,3%. Oitavo colocado do grupo B, com sete pontos ganhos, foi o 11º na classificação geral. Já na Taça Rio, a equipe não conseguiu vencer, somando dois empates e cinco resultados adversos, ocupando a oitava posição. Foram cinco gols marcados e 22 sofridos, um aproveitamento de 9,5%.

O Frizão somou um total de nove pontos na classificação geral, pela qual busca uma das três vagas disponíveis para times de menor investimento na Copa São Paulo de Futebol Júnior. A equipe de Nova Friburgo encerrou a participação na 13ª colocação, e no grupo B da Taça Rio, em oitavo, com dois pontos ganhos nos empates com Madureira e Fluminense. Na soma dos turnos foram duas vitórias, três empates e nove derrotas, com 18 gols marcados e 36 sofridos. O aproveitamento total foi de 21,4%.

O Friburguense estreou na competição ainda no mês de março, quando enfrentou o Flamengo no Rio de Janeiro. Depois da parada por conta da pandemia, o Tricolor da Serra recebeu o América em Nova Friburgo, duelo onde os visitantes levaram a melhor. A recuperação veio no final de semana, com a vitória por 4 a 3 sobre o Macaé, em Xerém.

Na sequência o Frizão empatou em 1 a 1 com o Botafogo, e sofreu revés contra o Bangu: 2 a 1. Contra a Cabofriense, no penúltimo deste primeiro turno, o adversário levou a melhor e venceu por 2 a 0. A goleada por 4 a 0 sobre o Boavista, em Nova Friburgo, fechou a participação na Taça Guanabara.

No segundo turno, o Tricolor da Serra fez boa apresentação na rodada inicial, quando empatou com o Madureira em casa, pelo placar de 2 a 2, mas logo na sequência, sofreu a goleada por 8 a 0 contra o Resende, fora de casa, em jogo marcado por algumas adversidades - a longa viagem e o fato de vários atletas passarem mal durante a partida foram as principais. Logo depois, o Friburguense foi à Ilha do Governador, fez jogo equilibrado com a Portuguesa, perdeu oportunidades e foi derrotado após lance de falha individual.

Nas rodadas seguintes, as derrotas para Nova Iguaçu e Vasco da Gama encerraram as chances de buscar as classificações para a Copa São Paulo e as quartas de final da Taça Rio. O empate com o Fluminense, pelo placar de 2 a 2, encerrou a participação no Estadual.

Um dos pontos positivos foi a quantidade relativamente pequena de desfalques, conseguindo assim manter uma base formada e repetida a cada jogos. Tudo isso mesmo com os "riscos" proporcionados pelos testes semanais, que poderiam apontar a existência de vários casos de Covid-19 dentre os atletas e membros da comissão técnica.

O foco do Friburguense, a partir de agora, passa a ser o planejamento para a temporada de 2021, sobretudo para o Campeonato Carioca profissional. As discussões sobre o formato já começaram, e dentre as possibilidades, há a manutenção ou não da fase seletiva, na qual o Frizão se encontra no momento. Alguns dos garotos que disputaram o Estadual de juniores este ano devem ser aproveitados no elenco principal.

 

Campanha do Frizão – Taça Guanabara

  • Flamengo 4 x 2 Friburguense, CT Saferj
  • Friburguense 1 x 2 América, Eduardo Guinle
  • Macaé Esporte 3 x 4 Friburguense, Marrentão
  • Friburguense 1 x 1 Botafogo, Eduardo Guinle
  • Friburguense 1 x 2 Bangu, Eduardo Guinle
  • Cabofriense 2 x 0 Friburguense, Correão
  • Friburguense 4 x 0 Boavista, Eduardo Guinle

 

Taça Rio

  • Friburguense 2 x 2 Madureira, Eduardo Guinle
  • Resende 8 x 0 Friburguense, Trabalhador
  • Portuguesa 1 x 0 Friburguense, Luso Brasileiro
  • Friburguense 1 x 2 Nova Iguaçu, Eduardo Guinle
  • Vasco da Gama 3 x 0 Friburguense, CT Artsul
  • Friburguense 0 x 4 Volta Redonda, CT Pinheiral
  • Fluminense 2 x 2 Friburguense, Laranjeiras

 

LEIA MAIS

Time pressionou na etapa final, mas não conseguiu fazer o gol da virada

Nova Iguaçu leva a melhor e vence por 1 a 0, em duelo realizado na tarde de sábado

Narrador que integra a equipe de jornalistas de A VOZ DA SERRA divide transmissão com Guilherme Faria e Marcos Guzzo

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 75 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: futebol