De ruas desertas a multidão: flagrantes de quase seis meses de pandemia

Avanço do vírus no município não impediu população de circular mais pelas ruas
sábado, 08 de agosto de 2020
por Guilherme Alt (guilherme@avozdaserra.com.br)
(Fotos: Henrique Pinheiro)
(Fotos: Henrique Pinheiro)

No dia 11 de março deste ano foi declarada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) a pandemia de coronavírus. Em Nova Friburgo, o prefeito Renato Bravo decretou pela primeira vez, em publicação no Diário Oficial eletrônico do dia 13 de março, medidas de restrição e enfrentamento ao vírus, válidas a partir do dia 16 do mesmo mês.

De lá pra cá, o vírus que se espalhou pela cidade e já ceifou mais de 70 vidas e mudou definitivamente o comportamento dos friburguenses. Ou, pelo menos, de quase todos. Diante de várias medidas como uso obrigatório de máscaras, restrições das atividades do comércio, regras de distanciamento social e a redução de atendimentos presenciais em diversos estabelecimentos, é possível traçar uma linha do tempo comportamental no município.

Chama a atenção, no entanto, que conforme a proliferação do vírus foi se espalhando, pelas lentes de Henrique Pinheiro e pela percepção do jornalista, o que era para ser um movimento natural de queda de circulação de pessoas ao longo dos últimos meses, na realidade a circulação de pessoas nas ruas continuou praticamente a mesmo, tendo como parâmetro dias normais, sem pandemia.

Há de se justificar que algumas datas comemorativas levaram o público, já desgastado do isolamento social, às ruas. Ainda assim, a falta de cuidados ao se expor em ambientes públicos sem o equipamento de proteção primordial gera o entendimento de que deveria se ter mais cuidados.

MARÇO - Desde o dia 16 de março, com aulas, eventos e comércio não essencial suspensos e com o outro decreto que começou a valer no dia 23 suspendendo as atividades das confecções e das indústrias o que se viu foram poucas pessoas nas ruas. Este período foi o único em que a cidade de fato cumpriu consideravelmente com as medidas de isolamento social. Vários registros como o da foto circularam pelas redes sociais destacando com o aspecto de “cidade abandonada”. A Avenida Alberto Braune estava praticamente deserta durante o restante do mês. Talvez tenha sido por esse distanciamento bem feito que a cidade ainda resistiu até o início de abril para registrar o primeiro caso de Covid-19.

ABRIL - Após o registro do 1º caso no dia 3, motivados pela proximidade da Páscoa, os friburguenses começaram a circular pelas ruas com mais intensidade. Também neste mês  a Caixa começou a pagar a 1ª parcela do auxílio emergencial de R$ 600. Foram observados muitos pontos de aglomeração, em especial em agências bancárias e lojas com foco no comércio de doces.

MAIO - No terceiro mês de quarentena, um volume ainda maior dos “furões do isolamento social” foi registrado com maior frequência. A discussão sobre flexibilização estava bem aquecida, apesar dos decretos municipais reforçarem as recomendações de distanciamento social. Mas ficou difícil ficar em casa e deixar passar em branco o Dia das Mães. A data motivou muitos friburguenses ir às ruas para comprar presentes.

JUNHO - Neste mês, o que se viu nos meses anteriores aumentou consideravelmente, assim como o número de casos na cidade. Pode-se especular a consequência justamente desse comportamento “arredio” em que a circulação de pessoas aumentou ainda mais de um mês para outro. E não há uma data expressiva para justificar a movimentação. Nem o Dia dos Namorados, data muito comemorada pelos casais que costumam lotar bares e restaurantes, assim como estabelecimentos comerciais para presentear seu par.

JULHO - No dia 3 iniciou-se se a flexibilização no município, com um sistema de bandeiras, regido inicialmente pela taxa de ocupação de leitos de UTI para Covid-19. Após duas semanas, Nova Friburgo atingiu o patamar mais restrito da restrição com 75% de ocupação das UTIs exclusivas para pacientes infectados e a instituição da bandeira vermelha, a prefeitura mudou os critérios para aferir o sistema de flexibilização e afrouxou algumas medidas. Se sem flexibilização o movimento nas ruas já era grande, após o relaxamento das medidas, foi ainda maior. Não à toa o município viu o número de confirmados saltar e ultrapassar a casa dos mil infectados.

AGOSTO - Apesar de ainda estarmos no início do mês, o movimento nas ruas continua o mesmo que foi registrado no mês anterior, com o acréscimo de mais uma data comemorativa: o Dia dos Pais. A retomada gradual das atividades somadas a data comemorativa tem levado cada vez mais friburguense às ruas. 

LEIA MAIS

Outra medida incluída no decreto é a autorização para a realização de eventos sociais em ambientes como salões e casas de festa

Iniciativa receberá textos, desenhos, fotografias e vídeos que registrem as vivências de profissionais e estudantes

Comerciante diz que procura aumentou 150%, enquanto mestre em geografia virou ‘bikeboy’ e ciclista transformou a bicicleta em academia

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 75 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra