Data homenageia a figura materna e a maternidade

sexta-feira, 06 de maio de 2022
por Jornal A Voz da Serra
Foto: Freepik
Foto: Freepik

A celebração teve origem na Grécia e Roma antigas, durante a primavera quando aconteciam os cultos de adoração às divindades que representavam as mães — as deusas Reia (mitologia grega) ou Cibele (mitologia romana). Com o passar do tempo, as comemorações se expandiram para diversas regiões passando a ser festejada em quase todas as partes do mundo, embora em épocas diferentes.

Com o passar dos tempos, o Dia das Mães acabou por se estabelecer como data comemorativa por influência de Anna Jarvis, filha de Ann Maria Reeves Jarvis (1832-1905), uma dona de casa que atuou como ativista na Virgínia (sul dos EUA) durante a segunda metade do século 19. A ideia da criar uma data específica foi uma iniciativa de Anna para homenagear a mãe.

Ann Jarvis frequentava uma igreja metodista e se dedicava à questão da qualidade de vida de sua comunidade. Uma das primeiras iniciativas dela foi a criação do Mother’s Day Work Clubs, uma espécie de clube feminino que atuava na melhoria das condições sanitárias da cidade.

Em caso de necessidade, ia às casas das pessoas para oferecer ajuda, e orientava os moradores sobre as condições de higiene para evitar a proliferação de doenças. Um dos locais que contavam com a atuação desse clube feminino era Grafton, uma pequena comunidade onde Anna Jarvis nasceu. 

Na década de 1860, ela criou o Mother’s Friendship Day, um dia no qual se encontravam para ter um momento dedicado às suas questões mais pessoais. Outro diferencial dessa comemoração é que ela reunia mulheres que faziam parte dos diferentes lados da Guerra Civil Americana, em uma tentativa de tentar reatar os laços de um país dividido. Então, havia mulheres de famílias confederadas e outras de famílias que defendiam a União.

Também atuou no conflito como enfermeira e auxiliou nos cuidados aos soldados feridos, independentemente de serem sulistas ou nortistas. Ao longo de sua vida, Ann Jarvis teve 13 filhos, nove faleceram — a maioria durante a Guerra Civil Americana.

O legado 

Com a morte da mãe, Anna Jarvis decidiu honrar sua memória por meio da criação de uma data comemorativa, que viria a ser o Dia das Mães, com vistas a homenagear todas as mães por seu amor e dedicação, no segundo domingo de maio, por ser uma data próxima do falecimento de sua mãe. A primeira celebração organizada ocorreu oficialmente em 10 de maio de 1908, na igreja que Anna Jarvis frequentava, em Grafton.

Anna Jarvis se empenhou para espalhar a sua ideia e, apesar de alguma resistência inicial, sua proposta contou com muitos adeptos e acabou por ganhar força nos Estados Unidos. Em 1909, a criação de uma data comemorativa em homenagem às mães foi debatida e rejeitada no Senado norte-americano.

Entretanto, em 1910, a data foi oficializada na Virgínia Ocidental, e em 1914, a proposta de Anna Jarvis chegou ao Congresso norte-americano, sendo aprovada pelos parlamentares e sancionada pelo presidente Woodrow Wilson.

Oficialmente criada, de imediato começou a ser explorada pelos seus potenciais ganhos comerciais. Essa exploração foi repudiada por Anna Jarvis, que tentou por anos impedir que esse dia fosse apenas mais um evento de apelo comercial.

A primeira celebração desse tipo no Brasil aconteceu em 12 de maio de 1918, quando uma organização cristã realizou essa comemoração em Porto Alegre (RS).

A oficialização do Dia das Mães como data comemorativa no Brasil se deu em 1932, quando o presidente Getúlio Vargas emitiu o Decreto nº 21.366, em 5 de maio, reiterando que o segundo domingo de maio seria dedicado ao “amor materno”.

Atualmente, a celebração do Dia das Mães é uma tradição comum entre os brasileiros: a cada segundo domingo de maio, as famílias se reúnem para celebrar suas mães. Independente de presentes, como sempre defendeu Anna Jarvis.

(Fonte: https://www.todamateria.com.br/)

 

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 77 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: