Após início no Botafogo, friburguense Felipe é destaque no RB Bragantino

Felipe Oliveira, nascido na Chácara do Paraíso, terá o Brasileirão como desafio, após grande campanha no Campeonato Paulista
terça-feira, 04 de agosto de 2020
por Vinicius Gastin
 Início conturbado no Botafogo: passagem no time principal durou apenas sete partidas
Início conturbado no Botafogo: passagem no time principal durou apenas sete partidas

Três anos se passaram desde a primeira experiência de Felipe Conceição como técnico de uma equipe profissional. Na ocasião, o friburguense assumiu de cara um grande clube, o Botafogo, mergulhado num universo de dívidas e incertezas, pressionado pela torcida, e sem grandes perspectivas para a temporada. O resultado não foi dos melhores, as vitórias não vieram e o treinador deixou o Glorioso. Conceição não desistiu de seguir à beira do campo, ganhou novas oportunidades e mostrou, no Campeonato Paulista de 2020, que pode se tornar um nome interessante dentre os técnicos brasileiros.

O profissional de Nova Friburgo foi o comandante do RB Bragantino numa grande campanha, sendo a melhor dentre todos os clubes da primeira fase. Na última quinta-feira, 30, entretanto, a equipe de Bragança Paulista perdeu por 2 a 0 para o Corinthians e acabou deixando o Paulistão. Apesar da derrota, Felipe continua sendo prestigiado e comandará a equipe no Campeonato Brasileiro da Série A. A estreia será contra o Santos, no dia 9, na Vila Belmiro.

Felipe Oliveira Conceição nasceu em 8 de julho de 1979, no bairro Chácara do Paraíso, mas passou a maior parte da adolescência no distrito de Conselheiro Paulino, no bairro Jardim Califórnia. Ainda bem jovem, aos 14 anos, deixou Nova Friburgo em busca do sonho de jogar futebol. Passou por escolinhas de Nova Friburgo, como a do Bimba, tradicional no bairro Olaria.

Em 1995 foi aprovado para a categoria juvenil do Botafogo. Mesmo na base, teve a oportunidade de acompanhar de perto a campanha do título brasileiro conquistado pelos cariocas, exatamente naquele ano, e teve Túlio Maravilha como parceiro de ataque. Felipe subiu de categoria, e na época era considerado como uma das maiores revelações do clube, sendo bi-campeão estadual de juniores, título que o Botafogo não conquistava há 19 anos.

Conceição, conhecido à época como Felipe Tigrão, subiu ao profissional em julho de 1998, já com destaque, e em 1999 foi convocado pela seleção brasileira Sub-20. Dentre outros craques, atuou com Ronaldinho Gaúcho, Juan, Júlio César, entre outros. Uma sequência de lesões graves impediu a continuidade da carreira em alto nível, e em 2003, após pouco mais de oito anos de clube, saiu do Botafogo.

“Para chegar ali foi difícil, pois eu vim de Nova Friburgo, com 14 anos. Falei com meus pais e minha avó que eu queria ser jogador de futebol profissional num clube grande. Eles tomaram um susto, pois era um menino de 14 anos que saía de casa com essa determinação. Até, com 15 para 16 anos, consegui, numa indicação, com um cartão do Luiz Mendes (radialista, falecido em 2011) deu para o meu tio um cartão e eu fui fazer o teste no Botafogo. Tive a sorte de entrar nos últimos 20 minutos, fazer gol e jogar bem”, relembrou durante entrevista concedida ao jornal Lance, do Rio de Janeiro.

Felipe acabou passando por uma série de pequenas equipes do Rio de Janeiro, como o América (2003), Portuguesa da Ilha e Cabofriense (2005), no primeiro ano em que o clube chegou a uma semifinal de Taça Guanabara. Também atuou pelo Juventude em 2002, emprestado pelo Botafogo. Reiniciou a carreira em 2006 no Resende, na terceira divisão carioca, e disputou o Campeonato Mineiro da 1ª divisão em 2007, onde se destacou e contribuiu para que o Tupi chegasse entre os quatro melhores. Voltou a jogar por um grande clube, o Vitória de Guimarães, de Portugal, disputando o campeonato português na temporada 2007/2008 e foi artilheiro da 1ª Liga Intercalar de Portugal.

Na sequência da carreira defendeu o Pontevedra por empréstimo. Em 2009, após rescisão do contrato, acertou com o Paulista, clube de Jundiaí-SP. Antes de deixar os gramados, atuou na China pelo Liaoning, clube da cidade de Shenyang. Em 2011, abandonou a carreira para se tornar diretor executivo do São Gonçalo F.C. No ano seguinte tornou-se treinador, comandado a equipe profissional campeã da terceira divisão do Rio de Janeiro.

Em meados de 2013, Felipe assumiu a equipe Sub-15 do Botafogo, e no final daquele mesmo ano, foi promovido ao Sub-17 do Glorioso. No ano seguinte foi o treinador do Botafogo Sub-18 no torneio internacional Zayed Cup em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes. Felipe ganhou destaque de fato em 2015, quando levou a equipe Sub-17 à decisão da Copa do Brasil da categoria. No ano seguinte ele foi incorporado à comissão técnica do elenco profissional, e com a demissão de Ricardo Gomes e a promoção de Jair Ventura, em 2016, tornou-se um dos auxiliares diretos do técnico.

A experiência à frente do Glorioso aconteceu em 2018, logo após a saída de Jair. Durou pouco, apenas sete jogos, sendo o último a derrota por 3 a 1 para o Flamengo, na semifinal da Taça Guanabara. Na sequência Felipe trabalhou no Macaé, e comandou o time do Norte Fluminense na Série D do Campeonato Brasileiro. Contratado como técnico do América Mineiro, onde havia atuado como jogador e auxiliar técnico, fez belo trabalho.

Em janeiro deste ano, Felipe Conceição deixou a equipe mineira para aceitar o convite do RB Bragantino, que atualmente é gerido no modelo de clube-empresa – semelhante ao que o Botafogo tenta implantar. A maneira como o friburguense trabalha, priorizando posse de bola e futebol ofensivo, foi um dos principais critérios para a escolha do clube paulista, de volta à primeira divisão nacional em 2020. Ele substitui Antônio Carlos Zago, um dos grandes responsáveis pelo acesso à elite na última temporada.

E desta forma Felipe Conceição, depois de um começo conturbado, vai reescrevendo a sua própria história como treinador. Se não passou das quartas de final no Campeonato Paulista, conseguiu implantar um futebol bonito e eficiente, sendo derrotado apenas uma vez pelos grandes paulistas (exatamente para o Corinthians). A equipe de Bragança Paulista marcou expressivos 23 pontos, e foi a primeira a assegurar classificação para a fase seguinte da competição. Nova Friburgo pode estar acompanhando o início de uma grande trajetória, de mais um talento local, que terá agora o Brasileirão para mostrar todo o seu potencial.

LEIA MAIS

Montagem do elenco para 2021 deve contar com a presença de alguns dos destaques da equipe de juniores

Fase principal da próxima temporada será iniciada no final de fevereiro e a Seletiva, em 17 de janeiro

Presença do maior artilheiro da história do Friburguense é uma das principais atrações do campeonato

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 75 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: futebol