Ao custo de quase R$ 2 milhões, pátio da Smomu vai virar espaço multiuso em Olaria

Especula-se que a feira livre do bairro possa ser transferida para o novo espaço. Há divergência de opiniões
sexta-feira, 07 de agosto de 2020
por Fernando Moreira (fernando@avozdaserra.com.br)
O pátio da Smomu (Foto: Henrique Pinheiro)
O pátio da Smomu (Foto: Henrique Pinheiro)

A Prefeitura de Nova Friburgo vai realizar no próximo dia 27 uma tomada de preços para a construção de um espaço multiuso no pátio da Secretaria Municipal de Ordem e Mobilidade Urbana (Smomu), na Rua Vicente Sobrinho, em Olaria. A estimativa é de R$ 1.848.501,81. Procurado por A VOZ DA SERRA, o Governo Municipal informou que o projeto se refere ao chamado “pacotão de obras” anunciado pelo prefeito Renato Bravo em fevereiro de 2019.

Ainda de acordo com a nota enviada pela prefeitura, o espaço multiuso “ocupará a maior parte de onde se localiza a Smomu, que manterá ali seu setor administrativo. O prazo inicial para a conclusão das obras é de 180 dias, a partir da assinatura do contrato”. Uma das principais mudanças com a criação do espaço multiuso que, de acordo com o projeto especial prevê uma área de lazer e até espaço para eventos culturais. No entanto, desde que o projeto foi anunciado pela prefeitura, há uma especulação na cidade que a feira livre do bairro poderia ser transferida para lá, o que divide opiniões e não é confirmado pela administração municipal. 

De um lado há os que apoiam a mudança da feira com a alegação de que um espaço multiuso irá organizar melhor a comercialização de legumes e frutas, além de desafogar o tráfego de veículos na região, especialmente na Avenida Presidente Vargas, uma das principais do bairro, que precisa ser modificado em dias de feira e, mesmo assim, causa transtornos aos motoristas e engarrafamentos constantes.

“A feira é mais velha do que eu (risos). Frequento principalmente aos domingos em que a quantidade de barracas é maior. Acho uma ideia boa a feira ir para lá (pátio da Smomu), inclusive seria mais organizada, teria banheiro, as barraquinhas seriam padronizadas e com uma estrutura bem melhor do que aqui. Se decidirem que a feira deve ser na rua, acho que deveriam utilizar as ruas transversais do bairro, para desimpedir a Presidente Vargas, que é uma das principais vias do bairro e é caminho utilizado por ambulâncias, polícia, bombeiros, em caso de emergência”, sugeriu um cliente em entrevista ao jornal em novembro do ano passado, numa das vezes que o tema foi discutido.

Por outro lado, quem é contra a mudança alega que o espaço multiuso que será construído no pátio da Smomu será pequeno para abrigar a quantidade de barracas e feirantes: “A comunidade de Olaria depende dos feirantes que vem aqui para vender seus produtos a um preço acessível. Agora vem a prefeitura com a ideia de colocar a feira no pátio da Smomu, ali é um espaço limitado”, avaliou um feirante que trabalha há 40 anos no local, e completou: “Para mudar e ficar tudo imprensado, os clientes não vão gostar. Se for para mudar, tem que ser para melhor. Vários prefeitos já falaram em melhorar, mas até agora nada. Não tem um banheiro químico, algo que deixe os cliente confortáveis”, comentou outro morador e frequentador da feira que funciona há mais de 60 anos na Rua Vicente Sobrinho (às quintas-feiras e domingos) e se estende pela Avenida Presidente Vargas aos domingos. O espaço conta com cerca de 170 feirantes e mais de 400 bancas.

 

LEIA MAIS

Antigo Colégio Nova Friburgo está fechado desde a tragédia climática de 2011, devido ao deslizamento de uma encosta

Além da apresentação do projeto, dúvidas dos vereadores foram esclarecidas por secretários municipais

Estão sendo feitos serviços de hidráulica para pôr fim aos vazamentos e a substituição das placas de granito

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: obra