Hugel Culture, um canteiro eficiente

Renata de Rivera

Meu Bairro Sustentável

O projeto do núcleo Meu Bairro+200 idealizado por Renata de Rivera visa tornar Nova Friburgo uma cidade sustentável. Sua coluna traz dicas de ações por uma cidade mais limpa, com menos lixo e poluição e uma vida mais saudável.

terça-feira, 19 de junho de 2018

Já imaginou um tipo de canteiro para produção de hortaliças capaz de armazenar agua? Esse tipo de canteiro existe e é muito eficiente em seu propósito. O modelo ficou conhecido como Hugel culture (tradução mais aproximada: cultura de colina). Praticado há vários séculos por alguns países da Europa, especialmente Alemanha, até ser reconhecido e desenvolvido pelo permacultor austríaco Sepp Holzer. Para alguns especialistas no assunto a engenharia empregada na confecção do Hugel culture é simplesmente perfeita e pode ser a solução para situações em que não se tenha tanto acesso à agua para rega diária.

O Hugel Culture foi capaz de responder positivamente para um problema que tínhamos em nossa residência na questão relacionada ao volume de água utilizada para molhar nossa pequena horta doméstica. Minha família e eu moramos em um lugar onde a água é tratada e não possuímos nenhuma fonte natural, riacho, córrego, ou qualquer coisa do tipo. Dessa forma, estávamos em busca de soluções para manter a horta em funcionamento. Uma das alternativas que vislumbramos está sendo a utilização de canteiros mais eficientes, econômicos e dinâmicos. Como fazê-lo?

O hugel culture é um tipo de canteiro sintrópico, ou seja, seus processos convergem para a renovação do solo, para a harmonia e organização dos sistemas envolvidos com o meio ambiente.  Sua confecção é bem simples e seus princípios de funcionamento são de fácil compreensão. O que precisamos entender em um nível básico é o fato de que para funcionar será preciso confeccioná-lo respeitando sua organização em camadas.

Ao contrário de alguns canteiros, que são construídos a partir da altura do solo, o hugel culture possui uma profundidade, sendo iniciado numa espécie de cova. Cava-se a cova, com aproximadamente 35 cm, deposita-se madeiras mais grossas (que servirão para armazenar água durante sua decomposição). Partindo das madeiras mais grossas, faz-se uma cama de madeiras e gravetos da base ao cume, das mais grossas para as mais finas, com altura total aproximada de 70 centímetros.

Depois de montada a estrutura de madeira, forra-se a parte superior com folhas e por último cobre-se todo o canteiro com terra. Pronto, feito isso, basta apenas adicionar a nutrição necessária para o tipo de cultura a ser produzida e deixar a sintropia fazer o restante. Canteiro pronto, e agora?

Evidentemente será necessário regar, porém não com tanta frequência quanto dispensado ao modelo tradicional. Com o tempo será possível observar que as plantas cultivadas no Hugel Culture precisarão cada vez menos de agua resultante da rega, isto porque na medida em que for decompondo a estrutura de madeira sob a camada de terra ela passará a servir como um recipiente esponjoso do qual as raízes beberão o suco desta decomposição.

Para conhecer mais detalhes e ver como na prática a montagem do hugel culture acesse o nosso canal no youtube, MBS – Meu Bairro Sustentável, ou procure pelo vídeo com o título: MBS – Como fazer um canteiro que economize com a água.

Esperamos que você tenha gostado desse tema e que ele possa ser útil para todos que apreciam cultivar seu próprio alimento. Até a próxima terça-feira!

Seja um parceiro do Meu Bairro Sustentável
Contatos: 22 999383408
e-mail:meubairrosustentavel@outlook.com
facebook.com/meubairrosustentavel
facebook.com/disqueoleousado

Publicidade
TAGS:

Renata de Rivera

Meu Bairro Sustentável

O projeto do núcleo Meu Bairro+200 idealizado por Renata de Rivera visa tornar Nova Friburgo uma cidade sustentável. Sua coluna traz dicas de ações por uma cidade mais limpa, com menos lixo e poluição e uma vida mais saudável.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.