Reflexão

Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

sábado, 23 de maio de 2020

Para pensar:
"A leitura traz ao homem plenitude, o discurso segurança e a escrita precisão.”
Francis Bacon

Para refletir:
“Na própria precisão com que outras passagens lembradas se oferecem, de entre impressões confusas, talvez se agite a maligna astúcia da porção escura de nós mesmos, que tenta incompreensivelmente enganar-nos, ou, pelo menos, retardar que prescrutemos qualquer verdade.”
Guimarães Rosa

Reflexão

A coluna prometeu que iria listar aqui todas as mais de 30 medidas propostas por vereadores a partir do diálogo com empreendedores e trabalhadores municipais, em defesa da retomada controlada de algumas atividades econômicas.

As primeiras dez delas, inclusive, já reproduzimos aqui na edição de sexta-feira, 21.

A edição de hoje do jornal, contudo, traz, na página 3, um resumo de todas as propostas, tornando esse nosso trabalho de certa forma redundante.

Em vez disso, portanto, parece mais útil refletirmos sobre alguns aspectos desse momento de crise.

Sinais claros

Parece evidente, quando comparamos o cenário brasileiro ao de nossos vizinhos, e até mesmo da América do Sul como um todo, que estamos nos saindo muito mal no enfrentamento ao novo coronavírus, tanto no que se refere aos interesses da saúde pública quanto no campo econômico, inclusive porque ambos estão muito mais conectados do que nosso atual estágio de maniqueísmo coletivo permite compreender.

É notório que interesses políticos menores estão custando vidas e empresas, cobrando sofrimento e empregos, e muita de nossa energia está mais direcionada a eleger culpados do que a propor o diálogo e buscar compromissos.

Pautas universais

Deveria ser óbvio, mas talvez tenha se tornado oportuno lembrar que lutar pelos interesses da saúde pública não é pauta da esquerda ou de quem está com a renda preservada, mas de todos. E que lutar pela máxima preservação possível da economia, dentro dos limites estabelecidos pelos interesses da saúde, é dever de toda a sociedade, e não apenas de pessoas de direita ou que continuam tendo despesas mas perderam o faturamento.

Gostemos ou não, amigos, quando miramos no longo prazo, ou ganhamos todos juntos ou perdemos todos juntos.

E quanto mais cedo entendermos isso, melhor para todo mundo.

Caso a caso

No entendimento deste colunista, é crucial que o nível de rigor da quarentena seja decidido em esfera municipal, se possível bairro a bairro, analisando caso a caso.

Profissionais que residem perto do local de trabalho, por exemplo, agregam menor risco por não dependerem do transporte coletivo.

Em alguns desses casos, o risco representado pelo exercício controlado de suas funções é aceitável?

Perguntar é crucial, porque se profissionais de Saúde entenderem que existem margens pontuais de flexibilização, então esses espaços precisam ser aproveitados o quanto antes. 

Precisão

Certo é que precisamos urgentemente estabelecer um debate de alto nível, maduro, com bases em informações irrestritas e atualizadas, e com objetivos muito claros: todo mundo que, sob condições controladas, possa trabalhar sem agregar riscos significativos à sociedade precisa do apoio da sociedade para retomar suas funções; e, por outro lado, é igualmente importante que a sociedade se una para assegurar que ninguém circule ou assuma posturas de risco sem necessidade ou justificativa.

Precisamos ser cirúrgicos. Aproveitar cada possibilidade, mas sem cometer excessos.

Bons olhos

Nesse sentido, a coluna vê com bons olhos a forma como a Câmara Municipal começa a desempenhar seu papel, e torce para que tais posicionamentos - por serem representativos da sociedade - possam servir de base para a construção do diálogo entre as partes e frear o acirramento, em busca de posturas que representem o melhor compromisso entre os interesses envolvidos, sempre respeitando o que a ciência tem a nos dizer.

Denúncias

Em busca da mesma precisão no combate à pandemia, o procurador do Trabalho Jefferson Luiz Maciel Rodrigues, titular do 2º Ofício da PTM e coordenador institucional da Procuradoria do Trabalho em Nova Friburgo, enviou comunicado à imprensa para informar que a Procuradoria está recebendo denúncias de que “algumas empresas, apesar de se habilitarem a produzir máscaras sociais e/ou itens essenciais para o combate à Covid-19, de acordo com o decreto municipal 533, de 8 de abril de 2020, que trata da conversão produtiva, descumprem o referido decreto, o compromisso assumido quando da habilitação que fundamentou a excepcionalidade de funcionamento, e, com isso, fabricam produtos relativos à sua atividade originária”.

Segue

E também que “algumas empresas, não enquadradas nessa excepcionalidade, descumprem o decreto municipal que proíbe o seu funcionamento, em razão do isolamento social, com notícias apontando ou não o risco, aos empregados, pela não observação de medidas básicas de resguardo à saúde pelo empregador; e que algumas empresas, apesar de optarem pela suspensão contratual prevista na medida provisória 936, editada no dia 1º de abril pelo Governo Federal, convocaram os trabalhadores a laborem com o contrato de trabalho suspenso, em afronta à legislação”.

Jeito errado

Nesses casos, as denúncias estão sendo despachadas pela Coordenação Institucional e imediatamente distribuídas aos membros titulares do 1ª e 2º Ofícios, da Procuradoria do Trabalho para que adotem providências em seus campos de atuação investigatória.

“A Coordenação Institucional da Procuradoria do Trabalho em Nova Friburgo, esclarece, ainda, que reforçou o serviço de inteligência da unidade e a sua interlocução com outros órgãos públicos para permitir flagrar, com maior celeridade, eventuais ilicitudes dessas e de outras espécies, reafirmando, assim, o seu compromisso de melhor atender à sociedade friburguense, sobretudo neste momento. Reitera, por fim, que as denúncias de lesão aos direitos fundamentais relativos à relação de trabalho podem ser encaminhadas normalmente ao órgão pelo site http://www.prt1.mpt.mp.br/servicos/denuncias.

Jeito certo

De fato, como a coluna sempre defendeu, quaisquer mudanças no quadro de isolamento precisam se dar a partir do diálogo aberto, com base em evidências atualizadas, e em harmonia com a ciência e os profissionais de saúde.

É fato que muita coisa pode e precisa mudar.

Mas do jeito certo.

Vale ver!

Alguns meses atrás, A VOZ DA SERRA registrou a presença, entre nós de uma equipe de gravação da TV5Monde, mais especificamente do programa Destination Francophonie.

Pois bem, a primeira parte dessa produção já está disponível na internet, e vale cada segundo de nossa atenção por mostrar, lá fora, aspectos muito positivos de nossa cidade tão especial.

O colunista teve ainda a alegria de ver a reportagem ser protagonizada por pessoas tão queridas quanto a historiadora Vanessa Melnixenco e a professora Ana Eleani.

Que venham logo as outras partes!

Desafio

O desafio deste fim de semana é uma barbada, para animar a turma a participar e ver o próprio nome no jornal.

Vamos lá, quem não reconhecer esse rapaz aí na bela foto de Regina Lo Bianco vai ficar de castigo.

Respostas na coluna da próxima terça-feira, 26.

Foto da galeria
(Foto: Regina Lo Bianco)
Publicidade
TAGS:

Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.