Objetividade

Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

quinta-feira, 26 de março de 2020

Para pensar:

“Um homem de bom senso saberá criar melhores oportunidades do que aquelas que se lhe deparam.”

Francis Bacon

Para refletir:

“A vida está cheia de desafios que, se aproveitados de forma criativa, transformam-se em oportunidades.”

Marxwell Maltz

Objetividade

O leitor certamente entende que, por várias razões que podemos listar mais uma vez, a avaliação precisa dos riscos atuais à saúde pública não pode ser feita com base apenas nos números absolutos já confirmados.

Primeiro porque a demora para a confirmação dos testes positivos gera um atraso informativo de vários dias, de modo que vivemos hoje um quadro que só veremos lá na frente.

E depois porque o volume de testes ainda está longe do suficiente, e fatalmente não reflete o universo dos contágios assintomáticos, ou de sintomas mais brandos.

Nossa parte

Dito isso, é igualmente importante lembrar que as medidas pessoais e coletivas devem levar em conta o potencial da ameaça, mais do que seu alcance efetivo.

Se tudo der certo, se coletivamente dermos o nosso melhor, no fim os esforços podem parecer que foram exagerados.

Pois que assim seja então, pois seria infinitamente melhor do que o cenário oposto, e constatarmos lá na frente que pessoas queridas acabaram pagando o preço de nossa negligência.

Ainda podemos evitar isso!

Sem distrações

Mais do que nunca, o momento é para que sejamos práticos.

Atribuir culpa a grupos políticos divergentes não nos ajuda em nada, muito ao contrário.

Da mesma forma, especular se já temos ou não algum caso entre nós apenas distrai a atenção, uma vez que independentemente de qualquer confirmação temos todos que considerar sim que o vírus esteja circulando em nossa cidade e região, porque esta é uma possibilidade real.

Se isso irá se confirmar ou não, é algo que não altera em nada as posturas que precisamos adotar.

Transporte coletivo

Algumas pessoas andaram manifestando terem tido dificuldades para utilizar o transporte coletivo friburguense nesses dias de isolamento.

Sempre lembrando que apenas deslocamentos de grande necessidade devem ser realizados nesse momento, a coluna questionou a empresa de ônibus Faol a respeito do que vem ocorrendo, e reuniu as seguintes informações.

Como recarregar

Postos de recarga dos cartões eletrônicos vale-transporte foram fechados em Olaria, Conselheiro e Mury, pois funcionam em estabelecimentos comerciais.

Na Estação Livre, a empresa Riocard tem duas máquinas de recarga, mas a coluna recorre aos usuários para saber se elas estão funcionando adequadamente.

Também na Estação Livre a Fricard mantém o atendimento, das 8h às 16h.

Se houver qualquer inconsistência nessas informações, que não foram checadas na prática, a coluna agradece desde já pelo retorno dos leitores.

Oportunidade preciosa

Nossos governantes têm neste momento a oportunidade de realizar mandatos históricos, avançar esse país de forma sólida e humanitária em curto espaço de tempo.

Unir os espíritos em torno de um objetivo comum, demonstrar maturidade para compreender que as pautas econômicas e humanitárias podem e devem ser harmonizadas, repelir iniciativas oportunistas.

Infelizmente, no entanto, na maioria dos casos possibilidades tão preciosas vêm sendo lamentavelmente perdidas, em razão de despreparo ou interesses menores.

Esperança

Existe a expectativa de que, com o passar dos meses, a população desenvolva a chamada imunidade de grupo, embora ainda não seja conhecido o patamar de contágios necessário para isso, e seja cedo para mensurar a eficiência (ou a janela) do sistema imunológico para evitar um segundo contágio.

De qualquer modo, países como China, Coreia do Sul e Japão estão muito mais avançados nesses processo, não apenas por terem sido expostos antes, mas também em quantidade muito maior.

Visão restrita

Por isso, afrouxar o isolamento por aqui, no contexto atual, certamente traria consequências muito sérias, não apenas sobre a saúde, mas também sobre a economia, pois medidas ainda mais restritivas logo se fariam necessárias.

Não é sinal de coragem ir às ruas agora para enfrentar um vírus que provavelmente não vai te derrubar.

É apenas uma demonstração de ignorância, de visão restrita da realidade.

Amparo

Nosso país vai precisar, isso sim, é de grande volume de crédito acessível e a juros baixos, para que acumule o equivalente a três ou quatro meses de despesas em dívidas, mas preserve empregos, empresas e a capacidade produtiva, ainda que o consumo seja afetado.

Uma união madura e consciente de esforços nos atrasaria num punhado de anos, mas preservaria vidas e a circulação de capital.

Meter os pés pelas mãos nessa altura dos acontecimentos poderia, aí sim, deixar a situação fora de controle.

Solidariedade

Ao longo deste período é especialmente importante que todos tenham olhos e ouvidos atentos a pedidos de socorro por vezes discretos e silenciosos.

Pedintes, ambulantes e pessoas em situação de rua podem estar com as vidas ameaçadas por razões paralelas ao contágio, da mesma forma como algumas instituições de cunho social que dependem de ações arrecadatórias para que consigam fechar seus orçamentos.

Superação

Paralelamente, também é sempre válido lembrar a importância de que pessoas continuem doando sangue.

O momento é de demonstrar carinho, de cuidar de quem precisa, de enfatizar a importância que damos aos nossos idosos e a gratidão por tudo o que fizeram.

O momento é de curar feridas, renovar laços, e reinventar nossa história a partir de mudanças pessoais há muito necessárias.

Sair da pandemia não é o bastante. É preciso que saiamos melhores do que entramos.

Publicidade
TAGS:

Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.