Grupo de risco

Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

quarta-feira, 12 de agosto de 2020

Para pensar:
"Raramente conhecemos alguma pessoa de bom senso além daquelas que concordam conosco.”
François La Rochefoucauld

Para refletir:
“Muitas vezes há mais bom senso numa única pessoa do que numa multidão.”
Fedro

Grupo de risco

A coluna recebeu diversas manifestações enviadas por familiares de servidores da Prefeitura de Nova Friburgo com mais de 60 anos (ou integrantes dos chamados grupos de maior risco da Covid-19 por outras razões), preocupados com o recente retorno de seus parentes ao trabalho.

Fala, leitor!

“Peço sigilo em relação ao meu nome, pois meu próprio pai seria contra esse pedido de ajuda. Mas ele já é idoso, e sua rotina de trabalho inclui tomar duas conduções e passar boa parte do dia ao telefone, em situações bastante expostas ao contágio. Apelo à prefeitura para que repense esse posicionamento, ou que busque maneiras mais seguras de aproveitar a disposição dos servidores que integram o grupo de maior risco. Ninguém quer receber sem trabalhar, vejo isso dentro de casa. Mas esperamos que todos os esforços sejam empreendidos em favor da segurança dos servidores.”

Bom senso

A preocupação da leitora, em meio a toda a honradez de quem não quer receber sem trabalhar, segue na linha do que a coluna observou há poucos dias a respeito do corte indiscriminado do auxílio transporte entre o funcionalismo municipal.

Ora, é evidente que ninguém aqui está defendendo que alguém receba auxílio transporte de maneira injustificada - e muita gente de fato recebe.

Inclusive, entre os altos salários das incorporações, tem gente que reside pertinho da prefeitura e recebe este auxílio.

Na prática

No entanto, novamente parece correto olhar com atenção para as absurdas discrepâncias existentes na folha de pagamento do município, e observar que, para quem viu seu poder aquisitivo despencar ao longo dos últimos anos e passou a depender do auxílio transporte para conseguir fechar o mês, ele acabou se convertendo efetivamente num auxílio alimentação.

Remendo

É uma espécie de remendo? Sim, é.

Uma situação precária e degradante oriunda da aviltante diferença de tratamento há décadas reservada por um lado a concursados e quadros de carreira e por outro a indicações políticas úteis ao sistema, mas que se tornou tristemente necessária enquanto ninguém tem a dignidade de oferecer solução melhor.

Humanidade

É evidente, enfim, que o próximo prefeito terá de fazer das tripas coração para oferecer condições mais dignas e justas ao funcionalismo.

Por ora, no entanto, preservar o auxílio transporte dos salários mais baixos teria sido certamente um ato de humanidade.

Tic Tac

A coluna respeita embargos e jamais compromete suas fontes, e por isso se limita, por ora, a dizer que espera, para os próximos dias, novidades importantes a respeito do mais que controverso pagamento feito pela Prefeitura ao Instituto Unir Saúde, em valor superior a R$ 5 milhões, após a própria Organização Social ter concordado que a transferência fosse feita diretamente aos servidores que aguardavam (e ainda aguardam) pelo pagamento de suas rescisões.

Longo prazo

A coluna tem falado repetidas vezes a respeito da necessidade de planejamentos de médio e longo prazos para nossa cidade, com diretrizes que sejam seguidas e respeitadas mesmo após a renovação dos mandatos.

E falamos também a respeito de como a grande quantidade de pré-candidatos a prefeito reflete, em alguma medida, o profundo vácuo de lideranças e o descrédito da classe política como um todo (embora, também neste caso, qualquer generalização se revele injusta).

Pois bem, José Carlos Schuenck, presidente do Movimento Democrático Municipalista, que não é pré-candidato nas próximas eleições, enviou pequeno texto em relação a estes temas.

Aspas

“É preciso separar o joio do trigo, para voltarmos a crescer. Sobre o vácuo de lideranças que estamos vivendo em Nova Friburgo, não é novidade e sim uma realidade nos últimos 20 anos. Os oportunistas sempre aparecem à cada eleição e assim vão se revezando tanto no Legislativo como no Executivo, em uma mediocridade nunca antes vista em nossa cidade.

Em 2018, quando a crise político-administrativa já dava os seus sinais com decadência econômica e social em nossa cidade, resolvi convidar vários segmentos de nossa sociedade, pessoas que amam Nova Friburgo, para nos organizarmos no Movimento Democrático Municipalista.”

Segue

“Esse grupo, formado por políticos, gestores, ambientais, turismo, educação, segurança, mobilidade e saúde, colaborou para desenvolvermos o Projeto Nova Friburgo 2040, que indicava o caminho que deveríamos seguir nos próximos 20 anos para termos uma cidade diferente para nossos filhos, netos e bisnetos. Esse projeto está concluído e esperamos que seja colocado em prática por um gestor responsável, que realmente ame Nova Friburgo. Cabe agora a cada eleitor identificar e separar os candidatos que realmente pensam em nossa cidade, daqueles que pensam somente neles.”

Luto

A coluna se solidariza com a família de Luiz Carlos Lutterbach, prefeito de Duas Barras que faleceu na madrugada desta terça-feira, 11, vítima da Covid-19.

Ironicamente, Lutterbach havia se destacado justamente pela determinação com que se esforçou por manter o vírus longe de sua cidade, chegando ao ponto de virar os tradicionais bancos da Praça Governador Portela a fim de evitar aglomerações desnecessárias.

Que seu sofrimento sirva para combater a banalização e a negação em relação ao grande desafio de nossos dias.

 

Publicidade
TAGS:

Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.