Esferas superiores

Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

terça-feira, 15 de setembro de 2020

Para pensar:

"Nunca se esquecem as lições aprendidas na dor.”

Provérbio africano

Para refletir:

“São curtos os limites que separam a resignação da hipocrisia.”

Francisco de Quevedo

Esferas superiores

A exatos dois meses das eleições municipais, o cenário que se desenha nem poderia ser chamado de atípico, porque a rigor já passamos há muito deste ponto.

O que temos, na verdade, é algo inédito por todos os lados que se olhe, e que dificilmente voltará a se repetir.

Não apenas pela precarização do processo eleitoral em razão da Covid-19 (fenômeno mundial) ou pelo enorme número de pré-candidatos (fenômeno local), mas também pelos efeitos da polarização (fenômeno nacional) e pelas notícias que brotam da crise no Palácio Guanabara (fenômeno estadual).

Comunicação difícil

Como já dissemos em outras oportunidades, o vácuo de lideranças em Nova Friburgo redundou numa acentuada fragmentação política, e na consequente possibilidade de que venhamos a ter quase três vezes mais candidatos à prefeitura do que tivemos em 2016.

Isso, por si só, já tornaria muito mais difícil o período de campanha, demandando muito mais empenho por parte de assessorias, imprensa e da população para que as propostas de cada grupo venham a ser verdadeiramente conhecidas pelo eleitorado.

Mas claro que o cenário é ainda pior, dadas as severas limitações impostas pelo novo coronavírus.

Caminho fácil

Como resultado desta combinação, tem muita gente apostando em atalhos, na construção de personagens estereotipados, e na transferência de votos (e rejeições) a partir de esferas superiores.

Em especial a federal, dado o caráter polarizador da presidência da República em sua atual encarnação.

Disputa feroz

Pois bem, a coluna já manifestou seu entendimento de que, numa cultura eleitoral mais madura, a composição de cada grupo, o histórico de seus integrantes e a qualidade de suas propostas são - ou deveriam ser - fatores muito mais importantes do que apoiar ou criticar quem tão pouco contato terá conosco.

Mas, claro, nem todos pensam assim.

E a verdade é que este tipo de eleitor mais passional tem sido disputado a tapa entre candidaturas que pretendem morder a mesma fatia do bolo eleitoral.

Divisão

O voto bolsonarista, por exemplo, parece fadado a ser dividido entre algumas candidaturas paralelas.

Há, afinal, uma chapa apoiada pelo deputado federal Luiz Lima, outra apoiada pelo vice-presidente Hamilton Mourão e que conta com a simpatia (inclusive registrada em foto recente) do deputado federal Eduardo Bolsonaro, e ainda outra lançada pelo partido ao qual é filiado o senador Flávio Bolsonaro, com apoio deste.

Ou seja: para quem está apostando alto na transferência de votos a vida também parece que não será fácil.

No Rio (1)

E já que mencionamos o deputado Luiz Lima - o mais votado em Nova Friburgo nas eleições de 2018 -, ele acaba de ser apontado, em convenção do PSL, como pré-candidato da sigla à Prefeitura do Rio de Janeiro.

Até uma semana atrás o nome mais cotado para concorrer como vice na mesma chapa era o da ex-deputada Cristiane Brasil (PTB), filha de Roberto Jefferson.

No Rio (2)

Contudo, na última sexta-feira, 11, ela foi detida durante a segunda parte da operação Catarata, acusada de integrar um grupo político que teria fraudado licitações de quase R$ 120 milhões.

Assim, a chapa, que também conta com o apoio do PSD, terá como candidata a vice a advogada Flávia Ribeiro dos Santos.

Mais uma

Entre as convenções que já ocorreram, ficou faltando registrar mais uma: a do Partido Trabalhista Cristão (PTC), que aconteceu quarta-feira passada, 9, durante a qual foi confirmada a pré-candidatura a prefeito de Mariozam da Rádio, tendo Glayce Cardinot como vice.

Nas contas do colunista, portanto, o cenário atual indica algo entre 15 e 17 possíveis candidatos a prefeito.

Não vai ser nada fácil fazer a cobertura dos próximos 60 dias...

E o Legislativo?

Temos falado muito sobre o número de candidatos a prefeito, mas entre os que pleiteiam uma vaga na Câmara Municipal o cenário não é muito melhor.

Sem a possibilidade de realizar coligações os partidos tiveram de lançar nominatas próprias, e para isso recorreram a muitas candidaturas cuja verdadeira ambição é ajudar a obter legenda para eleger um ou dois nomes.

Não chega a ser novidade, mas o que sempre existiu agora se acentuou.

E, claro, quem se presta a esse serviço geralmente espera ser recompensado no futuro com alguma indicação política...

Saturação

Ao todo devemos ter algo próximo a 600 candidatos, o que dá uma ideia do nível de ruído que o eleitor terá de filtrar se quiser se concentrar nas propostas de quem mais parece lhe representar adequadamente.

Existe a perspectiva de que, a depender do contexto, tenhamos vereador eleito com menos de 400 votos, e prefeito com algo próximo a 20 mil, se tanto.

Levando-se em conta o tipo de desafio que aguarda a próxima gestão, definitivamente não é um cenário animador...

Absurdo

No mesmo fim de semana em que nossas vias registraram mais uma vida interrompida precocemente, enfatizando novamente o tipo de atenção que precisa ser dedicada a tornar mais seguro o tráfego em meio à nossa zona rural, câmeras registraram o momento em que alguém, na noite de sábado, 12, atravessou toda a Praça Getúlio Vargas em alta velocidade, dirigindo por sobre o espaço reservado à circulação de pessoas e animais.

Punição exemplar

Ao longo de todos estes anos à frente desta coluna, esta talvez tenha sido a situação mais absurda que já tivemos que narrar aqui.

Demonstração não apenas da mais profunda alienação, mas também da certeza da impunidade.

O tipo de vídeo que, ao viralizar, demanda por parte das autoridades uma resposta precisa, rápida e muito dura, sob a pena de reforçar a sensação de que, sim, nossas ruas são terra de ninguém e local desprotegido no qual imbecis podem ditar as próprias regras.

Isso simplesmente não pode ficar impune.

Desafio

De tanto olhar, a gente por vezes acaba se acostumando com a poluição visual que se espalha por nosso espaço urbano.

Basta, no entanto, retirarmos algumas arestas no photoshop para vermos como tudo poderia ser muito mais bonito e aconchegante, como nos mostra esta foto assinada pelo talentoso Henrique Pinheiro.

Em tempo: alguém consegue identificar onde a imagem foi feita?

Respostas na edição da próxima quinta-feira, 17. Boa sorte a todos.

Foto da galeria
(Foto: Henrique Pinheiro)
Publicidade
TAGS:

Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.