Constrangimento

Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2020

Para pensar:

“Não há democracia efetiva sem um verdadeiro crítico.”

Pierre Bourdieu

Para refletir:

“Nenhuma sociedade que esquece a arte de questionar pode esperar encontrar respostas para os problemas que a afligem.”

Zygmunt Bauman

Constrangimento

Ontem, 11, a coluna registrou a realização de uma reunião, na tarde de segunda-feira, 10, presidida pelo procurador do Trabalho Jefferson Rodrigues e pela promotora de Justiça Cláudia Condack, com participação dos membros da Comissão Técnica de Acompanhamento e Avaliação (CTAA), além de representações da Procuradoria-Geral do Município, da Controladoria e do Grupo de Trabalho do TAC, para tratar das inconsistências observadas no lançamento das notas, e consequentemente na classificação, do processo seletivo para os quadros da UPA de Conselheiro Paulino.

Força do hábito?

Pois bem, a ata desta reunião se encerra com o requerimento, por parte dos Ministérios Públicos, de parecer - no prazo de 15 dias - a respeito de recente e controversa indicação para cargo de direção na unidade, amplamente divulgada em redes sociais, “considerando os termos do TAC e as vedações alusivas ao nepotismo”.

Não foi difícil a coluna apurar que a indicação em questão partiu da esfera mais alta do poder Executivo municipal, em total desconexão com os tempos que vivemos.

Aí há que se perguntar: era necessário passar por (mais) esse tipo de embaraço?

Orgulho contínuo

O valente IPRJ (Instituto Politécnico do Rio de Janeiro), precioso braço da Uerj em Nova Friburgo, recebeu recentemente a notícia da manutenção da nota 6 - numa escala que vai até 7 - nos cursos de mestrado e doutorado em modelagem computacional.

A avaliação confirma a excelência dos cursos ministrados por aqui, merecidamente situados entre os melhores do Brasil em suas áreas de conhecimento.

À toda comunidade acadêmica do IPRJ fica aqui o reconhecimento e a gratidão pelos ótimos serviços prestados.

Pode isso?

A coluna recebeu fotos de um comunicado emitido em nome da Escola Municipal Juscelino Kubistchek de Oliveira, no qual informa-se que a partir de 2020 a unidade passa a funcionar no novo prédio, e também passa a adotar o uso do uniforme escolar.

Até aí tudo ok, mas o impresso acrescenta que o uniforme pode ser comprado numa loja específica, ao valor de R$ 10.

Espaço aberto

O Sinsenf questiona a medida, argumentando que a prefeitura tem por obrigação fornecer até dois uniformes por alunos, citando referências pinçadas na Constituição Federal, no Estatuto da Criança e do Adolescente, no artigo 70 da Lei 9394/1996 e na Lei 8907/1994.

A coluna entende que o assunto pode não ser tão pontual quanto parece, e convida advogados a manifestarem seus entendimentos a esse respeito.

Arte engajada

As marchinhas de carnaval estão certamente entre as expressões artísticas mais representativas da alma brasileira, e a forma como mesmo protestos e críticas conseguem ser feitos de maneira criativa e bem-humorada, ainda que igualmente incisiva. 

O colunista é fã do gênero, e admirador de quem consegue unir tudo isso sem perder o ritmo e a melodia.

É um talento para poucos, sem dúvida alguma.

Cadê a ambulância?

O assunto, claro, não está sendo abordado gratuitamente, mas por que Rômulo Ferreira compôs uma marchinha bastante ácida e fácil de memorizar, em protesto à falta de ambulância e médicos em São Pedro da Serra e Lumiar.

A música já vem viralizando na região, mas a coluna enfatiza que essa é uma bandeira que precisa ser abraçada como prioridade por toda a cidade, e não apenas em relação ao 5º e ao 7º distritos, mas também no que diz respeito a todas as comunidades friburguenses situadas longe do principal centro urbano.

Precisa mudar

A coluna tem uma relação de diálogo bastante franca com a atual gestão da Saúde municipal, e faz aqui este apelo, deixando o espaço aberto para divulgar qualquer novidade consistente que possa ser levada a este grande contingente de friburguenses.

Não é admissível que vidas sejam perdidas em razão do CEP onde habitam, e a coluna tem certeza de que todos concordam quanto a isso.

Recursos perdidos?

Coincidentemente, a coluna também foi comunicada pela assessoria do deputado federal Glauber Braga que, de acordo com o Sistema Integrado de Planejamento e Orçamento da União (Siop), a Prefeitura de Nova Friburgo não entregou dentro do prazo do Governo Federal (até 31/12/2019), documentos necessários para a aplicação de emenda orçamentária no valor de R$ 1 milhão destinada pelo parlamentar para a construção de uma unidade de saúde que iria beneficiar Lumiar e São Pedro da Serra.

O sistema aponta que a verba foi perdida de forma irreversível, embora a coluna não se sinta totalmente confortável para cravar este tipo de informação.

Chiados custosos

Ainda de acordo com a assessoria de Glauber, que anexou grande volume de documentos às informações enviadas, o Governo Federal chegou a notificar oficialmente a prefeitura seis vezes sobre a necessidade da documentação.

A destinação desse recurso havia sido escolhida em uma das reuniões de Emendas Participativas realizada pelo deputado.

A propósito

Já que falamos em Glauber, a coluna registra também que nesta sexta-feira, 14, o parlamentar estará em Nova Friburgo para realizar uma roda de conversa, a partir das 17h, no Obelisco da Praça Dermeval Barbosa Moreira.

Glauber prestará contas dessa emenda e de outras destinadas ao município, falará sobre pautas nacionais e responderá aos questionamentos de quem se fizer presente.

Publicidade
TAGS:

Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.