É um bom momento para entrar na Bolsa de Valores?

Gabriel Alves

Educação Financeira

CEO da empresa Delta, de consultoria, Gabriel escreve sobre economia e finanças e dá dicas de inteligência no gerenciamento de gastos e de como conquistar o equilíbrio entre desejo de aquisições e controle emocional para otimizar as despesas.

sexta-feira, 06 de novembro de 2020

A ideia do título foi buscar a identificação de muitos leitores com a questão elaborada. A propósito, você também já se fez essa pergunta?

Seja sincero consigo enquanto estiver lendo este texto. Esse é um questionamento muito comum entre meus clientes que estão iniciando sua jornada na renda variável. Contudo o primeiro ponto a ser esclarecido antes de responder esta pergunta é entender – e o meu papel é explicar – a diferença entre investimento e especulação.   Basicamente, a diferença está na filosofia relacionada a forma de lidar com seu capital.

Investir requer paciência, tempo, estudo e o suporte de um profissional. Ao contrário da especulação (e de muitos filmes sensacionalistas), investir não requer agilidade nas tomadas de decisão e muito menos emoção diária com a flutuação de preços dos ativos. Investimentos, a propósito, não podem ser encarados apenas como atividade em Bolsa de Valores; abrir um negócio próprio, por exemplo, também é investir. Aqui – nos investimentos – são diversas as formas de remuneração pela atividade, e entre elas destacam-se os dividendos, juros sob capital próprio e, até mesmo, a valorização da cotação do ativo. Ademais, os ganhos não param por aí, pois bons negócios lucram e repassam, através da arrecadação de impostos, parte dos seus ganhos para a sociedade.

Especular, por outro lado, requer o timing perfeito entre as operações. Ao contrário de investir, filosofia que lhe permite comprar boas cotas e acumulá-las ao longo de uma vida inteira, especular te obriga a comprar e vender (ou vender e comprar, sim há recursos para te possibilitar a venda do que você ainda não tem) suas posições num curto período de tempo. A expectativa, aqui, é alcançar ganhos ainda mais expressivos no curto prazo em troca de riscos ainda mais consideráveis. Esta, vale a pena ressaltar, é uma atividade essencialmente profissional. O risco é enorme para amadores e pode causar perdas irreversíveis; se pensa em tornar-se especulador estude bastante antes de começar a arriscar seu capital em algo ainda inexplorado.

Portanto, retomando o questionamento que intitulou este texto, todo dia é um bom momento para entrar na Bolsa de Valores; basta saber o motivo por fazer parte dela.

(Gostei dessa divisão de parágrafos entre investir e especular, seguiremos assim para identificar os porquês de entrar na Bolsa o quanto antes – e com todo o suporte profissional necessário, é claro! Afinal, não é uma brincadeira ou algo para ser divertido.)

Investir hoje vai te poupar tempo para começar a colher frutos desta atividade. A primeira coisa que você precisa se atentar é que a Bolsa de Valores não se resume ao Ibovespa; dentro deste índice, você pode contar com mais de 300 opções de empresas de capital aberto para se tornar sócio. Por essas e outras, faça boas escolhas, seja sócio de boas empresas e não se assuste com os impactos psicológicos da cotação instantânea – o investidor não pode estar preocupado apenas com a flutuação de preços de ativos; a preocupação deve estar na qualidade dos serviços prestados, divisão de lucros com acionistas e projeção futura para o modelo de negócio. Por fim, investir não deve lhe tomar tempo demasiado e, muito menos, lhe tirar o sono.

Especular, por sua vez, também pode fazer parte da sua estratégia o quanto antes (desde que tenha-se o reconhecimento dos altos riscos). Afinal, ativos em valorização ou desvalorização são possibilidades de alcançar lucros; basta fazer a escolha certa – e isso não é nada fácil.

Por fim, espero ter esclarecido estes conceitos a fim de elucidar suas ideias sobre o momento certo para começar a investir.

A resposta para o título? Sim, é um bom momento para entrar na Bolsa de Valores

PS.: sou investidor.

Publicidade
TAGS:

Gabriel Alves

Educação Financeira

CEO da empresa Delta, de consultoria, Gabriel escreve sobre economia e finanças e dá dicas de inteligência no gerenciamento de gastos e de como conquistar o equilíbrio entre desejo de aquisições e controle emocional para otimizar as despesas.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.