Ricardo Lengruber Lobosco

Educação e atualidades

Ricardo Lengruber é professor. Doutorado pela PUC/Rio, atua nas áreas de História, Filosofia, Teologia, Educação e Direito. É membro da Academia Friburguense de Letras e foi Secretário Municipal de Educação

20/01/2018

“Os olhos são a lâmpada do corpo. Portanto, se teus olhos forem bons, teu corpo será pleno de luz”

Os tempos difíceis que vivemos polarizaram tudo. Até os grandes avanços que, a duras penas, conseguimos lograr estão sendo questionados de todos os lados. Instalou-se a falsa ideia de que quem defende determinadas bandeiras está de um lado e quem defende outras está de outro lado de uma disputa. Nós e eles.

Leia mais
13/01/2018

Há em nós uma inquietude. Somos uma espécie incomodada e desalojada. A sensação que nos consome todos os dias é que estamos sempre em busca de algo perdido ou de alguma coisa que nos ultrapassa. A transcendência, por assim dizer, é o pão nosso de cada dia.

Por isso, gostamos tanto de viajar!

Viajamos porque desejamos sair de casa; porque ansiamos deixar para trás um universo de comodidades e lugares conhecidos; porque nos cansamos facilmente com o cotidiano e sua entediante rotina. O primeiro movimento do viajante é sair.

Leia mais
06/01/2018

Uma breve reflexão sobre a Festa de Reis e a questão da (in)tolerância religiosa

Símbolo é mais do aquilo que representa algo. Símbolo é o que aponta caminhos; indica direções; sinaliza o rumo a seguir.

Etimologicamente, símbolo é o que é lançado conjunta e unidamente. Um elo entre o aparentemente distinto. Símbolo é o elemento capaz de fazer ligação entre diferentes.

Por outro lado, símbolo é o que aponta para algo além de si. A maior tarefa do símbolo é despojar-se de si e indicar o caminho para aquilo que está sinalizando.

Leia mais
30/12/2017

“Pra que nossa esperança seja mais que a vingança
Seja sempre um caminho que se deixa de herança
No novo tempo, apesar dos castigos
De toda fadiga, de toda injustiça, estamos na briga
Pra nos socorrer ...”

(Ivan Lins)

Fim de ano é época de renovação de esperanças. O simbolismo das festas de Natal e a magia da mudança de um dígito no calendário de anos promovem sentimentos de recomeço e transformação. E isso é bom: a vida humana é alimentada por símbolos e ritos; a sensação de recomeçar ajuda a recobrar forças.

Leia mais
23/12/2017

Há em nós um desejo intenso por superação. Não há quem não queira, de alguma forma, ir além do estado atual das coisas. É o que, filosoficamente, se denomina transcendência. 

Embora seja tema predileto nos discursos religiosos, transcendência é faculdade humana e histórica, antes de ser exclusivamente teológica.

Esse impulso é que faz mover a sociedade. É o que torna possível o avanço do conhecimento, da tecnologia, das relações e, acima de tudo, da consciência.

Leia mais
16/12/2017

"Estamos perto do Natal: haverá luzes, festas, árvores iluminadas, presépios, (…) mas é tudo falso. O mundo continua em guerra, fazendo guerras, não compreendeu o caminho da paz." (Papa Francisco)

O Papa veio a público e disse que não há clima para a celebração de Natal. 

Afirmou categoricamente: "Estamos perto do Natal: haverá luzes, festas, árvores iluminadas, presépios, (…) mas é tudo falso. O mundo continua em guerra, fazendo guerras, não compreendeu o caminho da paz."

Leia mais
09/12/2017

Perder é uma experiência dolorosa, mas necessária. Saber perder é um ingrediente especialmente importante à maturidade. Encarar a perda é muito difícil – às vezes difícil até mesmo de discernir o momento da perda – mas negá-la é muito pior. Perder, em algum sentido, faz parte de uma vitória maior.

Perder significa ser furtado da doce experiência da conquista; significa ser privado daquilo que se almejava; significa tropeçar no caminho e, mesmo que a vislumbrando, não alcançar a meta. Perder é ter que parar antes da hora prevista.

Leia mais
02/12/2017

A mim, me parece óbvio que a administração pública tem por objetivo servir à sociedade. O prefeito, por exemplo, deve ser um servidor público atento aos interesses e opiniões da população. E deve, por força de sua posição e de informações privilegiadas que possui, esclarecer, de forma transparente, sobre a real situação do município – contas, percentuais, limites, entraves, opções etc.

Leia mais
25/11/2017

A praça Getúlio Vargas tornou-se palco de violentas aglomerações nos fins de semana. Muitos jovens. Muita pancadaria. 

Já não é de hoje que a praça é cenário das contradições expostas de nossa comunidade: pouco iluminação, moradores de rua, prostituição, roubos e árvores caindo e outras sendo derrubadas. 

Houve uma época que havia inclusive um posto policial ali instalado, tamanha a sensação de insegurança. 

Leia mais
18/11/2017

Há quem pense que os 200 anos de Friburgo sejam somente festa. Há quem pense que seja apenas memória construída sobre o mito da Suíça brasileira. E há ainda quem ache que não tem a ver com política. 

Do ponto de vista historiográfico, a data de 16 de maio de 1818 é apenas a assinatura de um decreto para imigração de famílias oriundas da Europa (Suíça) para a Fazenda do Morro Queimado.

Leia mais