Um mês e um dia depois, Friburgo volta a registrar morte por Covid

Paciente de 79 anos e com comorbidades estava na UTI do Raul Sertã e tinha tomado duas doses da vacina
terça-feira, 18 de janeiro de 2022
por Adriana Oliveira (aoliveira@avozdaserra.com.br)
O Hospital Municipal Raul Sertã (Arquivo AVS/ Henrique Pinheiro)
O Hospital Municipal Raul Sertã (Arquivo AVS/ Henrique Pinheiro)

Bastou Nova Friburgo completar um mês sem nenhuma morte por Covid-19 para, um dia depois, no último sábado, 15, ocorrer um óbito. No total, a cidade registra agora 869 mortes pela doença. A última havia ocorrido em 14 de dezembro.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, o paciente que morreu estava internado na UTI do Raul Sertã e tinha recebido duas doses de vacina contra a Covid. Era paciente idoso (79 anos) e tinha comorbidades.

Devido a uma instabilidade do sistema, a Secretaria Municipal de Saúde não  emitiu boletim sobre o número de casos nesta segunda-feira, 17, mas apenas o da ocupação dos hospitais. Pela primeira vez desde novembro, quando os leitos de UTI para Covid em todos os hospitais da cidade ficaram finalmente vazios, desde sexta-feira voltaram a receber pacientes.

Na sexta, o Hospital Serrano tinha dois leitos de UTI ocupados por pacientes com Covid. No sábado, eles receberam alta, mas outros dois leitos de UTI voltaram a ser ocupados, no Hospital Municipal Raul Sertã e no da Unimed. No domingo e na segunda, estava apenas um internado, na Unimed.

Já nas enfermarias a ocupação é maior: dos 32 leitos para Covid disponíveis em toda a cidade, 13 estavam ocupados na sexta, 17 no fim de semana e 15 nesta segunda. A pressão é maior no Raul Sertã, que já tinha aumentado a sua capacidade na semana passada e agora está com nove de seus 11 leitos ocupados.

Conforme o último boletim disponível, o total de infectados em Friburgo desde o início da pandemia totalizava até sexta-feira 26.328 pessoas, um aumento de 67 casos confirmados em 24 horas.

O número de casos recuperados estava em 19.746, o de descartados era de 25.481 e o de testes realizados, 51.734, dos quais 50% resultaram positivo. Havia  ainda dois óbitos suspeitos de Covid sendo investigados.

Relembre a evolução

Em 5 de novembro, A VOZ DA SERRA noticiava que, pela primeira vez no início da pandemia, tanto a UTI quanto a enfermaria  Covid do Hospital Municipal Raul Sertã estavam zeradas de pacientes. O último paciente que estava na UTI havia recebido alta ainda naquele dia. A enfermaria já estava vazia dias antes.  No dia 27 de outubro, as taxas das enfermarias de toda a rede hospitalar do município foram zeradas pela primeira vez em 2021. 

Mas a situação mudou radicalmente ao longo da semana passada. Em 24 horas, de terça para quarta passadas, dobrou a ocupação dos leitos de enfermaria para  Covid-19 em Nova Friburgo. Já sem vagas na enfermaria, na quinta passada o Raul Sertã ampliou o número de leitos de seis para 11, internando sete pessoas e ficando mais desafogado. 

Como mostrou A VOZ DA SERRA na semana passada, somente entre os últimos dias 3 e 11 deste mês foram registrados no município 246 casos positivos da doença, um número 355% maior que os registrados durante todo o mês de dezembro de 2021.

Além da Covid-19, os casos de Influenza também vem registrando crescimento exponencial em Nova Friburgo. Na terça-feira passada, último balanço divulgado,   441 pessoas já haviam testado positivo para a gripe e havia nove internadas nos hospitais da cidade.

 

LEIA MAIS

Na sexta-feira tem mais uma repescagem para todas as idades, somente na Uerj

Profissionais celebram seu dia nesta quinta. Projeto beneficia também técnicos e auxiliares, além de parteiras

Também continuam as campanhas contra a gripe e o sarampo

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 77 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra