Recuperação do PIS/Cofins já é realidade para as empresas

STF concluiu que o imposto pertence ao estado e não poderia ser considerado como receita
sexta-feira, 04 de junho de 2021
por Jornal A Voz da Serra
Recuperação do PIS/Cofins já é realidade para as empresas

O número de empresas que buscam algum tipo de recuperação de impostos tem aumentado no Brasil. Recentemente, com a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) em excluir o Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) da base de cálculo para apuração do PIS e da Cofins, o cenário tornou-se ainda mais promissor ao contribuinte que tem nesta possibilidade de restituição uma alternativa para o equilíbrio/recuperação de suas contas. A partir do julgamento dos ministros do STF ocorrido em 13 de maio, já é possível pleitear a devolução de valores recolhidos a maior desde 15 de março de 2017.

“Diante da pandemia e da situação financeira enfrentada por grande parte das empresas, o julgamento do STF é uma excelente notícia”, afirma Leandro Nagliate. O advogado especializado em direito tributário ressalta que a partir da decisão, o pagamento indevido ou maior de PIS/Cofins poderá agora ser restituído sem nenhum risco.

Em março de 2017, ao concordarem com a tese da exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da Cofins, no recurso extraordinário 574.706/PR, os ministros do STF entenderam que o imposto pertence ao Estado e não poderia ser considerado como receita da empresa. Foi a partir desta decisão que os contribuintes passaram inclusive a defender a mesma tese nas aplicações de outros tributos, como ISS e PIS-Cofins da própria base.

No entanto, a Advocacia-Geral da União (AGU) interpôs embargos de declaração para pedir a modulação da decisão, sob o argumento de que se produziria uma “nociva reforma tributária com efeitos retroativos”. No último dia 13 de maio, no entanto, a ministra Cármen Lúcia, do STF, e os demais ministros votaram para que a tese de repercussão geral passasse a valer a partir de 15 de março de 2017, data do julgamento do mérito recurso.

Com o julgamento do STF, o Ministério da Economia estima perdas de até R$ 258,3 bilhões. Por outro lado, os contribuintes observam que o não cumprimento da decisão representa um efeito catastrófico para o mercado, podendo impactar até mesmo nos preços das ações das empresas na Bolsa de Valores.

“Em muitos casos em que a empresa é tributada pelo lucro real ou pelo lucro presumido, a geração de crédito decorrente do pagamento indevido ou maior de PIS/Cofins serve inclusive para quitar débitos de quaisquer outros tributos federais”, observa Nagliate. Segundo o especialista tributário, o valor destacado na nota fiscal emitida pela empresa é justamente o que deve ser retirado da base de cálculo.

 

LEIA MAIS

Objetivo foi traçar estratégias e buscar soluções para o canal de vendas por e-commerce

Prejuízo nos cinco primeiros meses deste ano chegou a R$ 153 milhões. Para tentar reduzir esse tipo de crime, entidade aposta no projeto Arco Seguro

Evento gratuito vai reunir oportunidades para melhoria e expansão de micro e pequenos negócios

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: negócios