“O Plano de Mobilidade Urbana é nossa maior prioridade hoje”, diz novo secretário

Em entrevista exclusiva, Fabrício Medeiros revela que planeja realizar concurso, melhorar a sinalização de trânsito e atender nos fins de semana
sexta-feira, 15 de janeiro de 2021
por Guilherme Alt (guilherme@avozdaserra.com.br)
Fabrício Medeiros, secretário de Mobilidade Urbana
Fabrício Medeiros, secretário de Mobilidade Urbana

Honrar a Lei Orgânica Municipal será um grande desafio para atual gestão, mas tendo o próprio prefeito participado da sua elaboração, parece razoável crer que os caminhos a serem seguidos levem em consideração aquilo que agora é regra. É também com esse pensamento que o novo secretário municipal de Ordem e Mobilidade Urbana, Fabrício Medeiros, assume a pasta e tem sob sua responsabilidade a chance de recolocar nos trilhos, a cidade que outrora tinha seu transporte público majoritariamente por trens e hoje depende de ônibus para levar a maior parte de seus munícipes.

À secretaria também compete dar segurança aos pedestres, ciclistas e motoristas. Evitar congestionamentos e garantir que os cidadãos sigam as regras de trânsito e possam estacionar seus veículos também faz parte da pasta.

Em entrevista exclsuiva, Fabrício Medeiros revelou o desejo de realizar um concurso público para ampliar o contingente de agentes, licitação para elaborar o Plano de Mobilidade Urbana, meta para implantar uma faixa exclusiva para ônibus entre outras melhorias.

A VOZ DA SERRA: Quem é Fabrício Medeiros?

Fabrício Medeiros: Sou um friburguense apaixonado pela temática "trânsito" e me preparei para mudar essa realidade tão caótica. Após as eleições de 2016, vislumbrando tempos sombrios, resolvi sair do estado. Só retornei agora para assumir o cargo porque confio muito nas propostas de mudanças do novo Chefe do Executivo.

Como você avalia a gestão anterior da pasta?

Não só a gestão anterior à qual dei sequência, mas a verdade é que a cidade nunca teve mudanças significativas partindo da Smomu, nem na época da Autarquia Municipal de Trãnsito (Autran). As expressões "Sempre foi assim", "Aqui isso não funciona", "Não pode mexer naquela rua porque tem uns três lá com grande influência" foram utilizadas com enorme frequência. Quando havia algum gestor na pasta com boa vontade e conhecimento técnico, sempre havia alguém em um nível acima para vetar. Isso não existirá conosco. Vamos ouvir a todos, mas primar pela legalidade que temos a cumprir.

O que você classifica como a principal ou as principais demandas da pasta?

A cidade está carente de pavimentação, reestruturação completa de sinalização, equipamentos para a manutenção dos dispositivos viários, transporte eficiente, um novo e moderno Código de Posturas, mas, sobretudo, de efetivo. Tanto a Guarda Civil Municipal, quanto os agentes de trânsito estão extremamente sobrecarregados. Inclusive posso estender também essa falta de pessoal à Subsecretaria de Posturas e ao setor administrativo da Mobilidade Urbana. Acumulamos muitas tarefas aos que permaneceram.

Atualmente, o município não tem um Plano de Mobilidade Urbana. Você pretende elaborar um projeto para que seja aprovado ainda este ano? O que o Plano de Mobilidade deve contemplar?

O Plano de Mobilidade é nossa maior prioridade hoje. Muito em breve lançaremos o edital de licitação para que seja contratada uma empresa especializada em sua construção. Chega de amadorismo. Contudo, esse edital deve incluir amplo debate com a sociedade e associações representativas, para que levemos em consideração aqueles que conhecem a realidade dos bairros que moram e/ou trabalham. E isso poupará esforços e recursos. Esse plano, legalmente, deverá priorizar, em ordem, os pedestres, o transporte individual não motorizado, o transporte coletivo e, por fim, o deslocamento através de veículos leves e de cargas. Precisamos melhorar a cidade para as pessoas, não somente para os carros. Essa é uma tendência mundial.

É desejo desta gestão implementar o estacionamento rotativo nas ruas?

O rotativo é mais que um projeto, é meta. Contudo, segundo a nova Lei Orgânica Municipal, deve existir o Plano de Mobilidade Urbana para que possamos implantá-lo.

É comum vermos carros estacionados em fila dupla, em cima de calçadas, oficinas ocupando vias com carros de clientes e assim obstruindo ruas. Como a secretaria pretende atuar para coibir esse costume?

Inicialmente precisamos aumentar nosso efetivo para aumentar a área de cobertura da fiscalização. Há guardas municipais que na gestão anterior, não se sabe o porquê, não foram designados para o trânsito, mesmo tendo investido em cursos. Ajustaremos as contas para que essa convocação aconteça urgentemente. Outro problema que dificulta muito é a quantidade de veículos em nossa secretaria. Operantes, só encontramos cinco viaturas de quatro rodas e duas motos para os agentes e apenas três para a Guarda Civil Municipal. Precisamos nos equipar o quanto antes, e assim o faremos, para melhorar nossos deslocamentos.

Haverá plantão aos fins de semana para o caso de motoristas que tiverem seus carros rebocados poderem ser liberados no pátio da SMOMU?

Embora esse seja um problema comum a inúmeros municípios, precisamos aumentar nosso efetivo, possivelmente através de concurso público, para que consigamos oferecer esse serviço. A remoção de veículos por descumprimento ao Código de Trânsito Brasileiro, não visa punir o condutor, mas tão somente resolver o problema encontrado ou evitar que ele permaneça. Não prometo que isso aconteça tão logo, mas afirmo que tomarei todas as medidas cabíveis para atender a tal demanda.

Está em estudo implantar faixas exclusivas para transporte público?

Por mim já teria implantado na primeira semana de gestão, mas recebi uma secretaria com a máquina de pintura de faixas inoperante, falta de cabos para rolos de pintura manual e um estoque de placas que não contempla o sinal de regulamentação necessário para tal sinalização. Tão logo consigamos resolver esses impasses, iniciaremos esse corredor exclusivo para ônibus na extensão da Rua 7 de Setembro até o início da Rua Moisés Amélio. Temos muita vontade de que o segundo trecho seja na Avenida Governador. Roberto Silveira, sentido Conselheiro Paulino, mas teremos que "convencer" o DER.

Na sua opinião qual é o grande gargalo em termos de mobilidade urbana no município? Como você pretende resolvê-lo?

De fato o grande problema é a "cultura do automóvel", problema recorrente em diversos lugares do mundo. Precisa-se melhorar a infraestrutura de transportes, realizar campanhas que estimulem as pessoas a reduzir o uso de seus veículos leves, principalmente quando para deslocamento de apenas uma ou duas pessoas, e adequar nossas vias para dar maior agilidade e segurança. Podem estar certos de que temos uma equipe com muita motivação e que é altamente comprometida a transformar essa realidade. Se a população colaborar com sua parte, tendo o município cumprindo com a dele, não há como dar errado.

 

LEIA MAIS

Legislativo friburguense suspende atividades para higienização e só reabrirá na próxima terça

Falta de certidões fiscais negativas exigidas pela legislação estaria impedindo o repasse

Ideia é adquirir veículos próprios gerando economia aos cofres públicos

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 75 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra