Na capital, aglomerações sem máscaras na 1ª noite com bares e restaurantes liberados

Em Nova Friburgo, setor é autorizado a reabrir a partir desta sexta-feira, após três meses de rígidas restrições
sexta-feira, 03 de julho de 2020
por Guilherme Alt (guilherme@avozdaserra.com.br)
Esquina de bar em Copacabana lotada na noite desta quinta (Fotos: O Globo)
Esquina de bar em Copacabana lotada na noite desta quinta (Fotos: O Globo)

Após mais de três meses de boemia interditada, o carioca pôde matar a sede de tomar um chope e socializar em ambiente público na noite desta quinta-feira, 2, com a flexibilização das restrições de bares e restaurantes por decreto. Vários vídeos e fotos circularam pela internet, no entanto, mostrando aglomerações de clientes dentro e fora dos estabelecimentos, muitos sem máscaras, como se a pandemia de coronavírus tivesse acabado.

Mesmo sem máscaras, pessoas conversavam sentadas ou em pé, bem  próximas umas das outras, pondo em perigo a propalada "retomada segura" das atividades.

Os flagrantes variaram por alguns pontos tradicionais da cidade como Copacabana, Gávea e Leblon, na Zona Sul do Rio. No Leblon,  a Guarda Municipal precisou intervir, determinando que bares fechassem as portas para tentar dispersar cerca de 300 pessoas. Não funcionou.

Há relatos, inclusive, de que uma banca de jornais e ambulantes continuaram vendendo bebidas alcóolicas. Segundo as informações, as aglomeração permaneceram até por volta da meia-noite, quando a Polícia Militar foi acionada.

Vizinhos ironizaram as violações e mostraram indignação com o mau comportamento  de cariocas em plena pandemia. Um deles foi o estilista Carlos Tufvesson, que ocupou o cargo de coordenador especial da Diversidade Sexual na prefeitura do Rio, em 2011. “Acho que a vacina chegou no Leblon e não estamos sabendo”.

A expectativa em Friburgo

Em Nova Friburgo, a partir desta sexta-feira, 3, bares e restaurantes, segundo o que estabeleceu a prefeitura com o sistema de bandeiras, já podem reabrir, seguindo todas as regras sanitárias e o distanciamento entre mesas de pelo menos 1,5 metro, das 7h às 20h (caso permaneça a bandeira laranja apurada na noite desta quinta-feira, 2) ou até as 22h (caso a bandeira volte para a cor amarela na noite desta sexta, 3).

A cor da bandeira é anunciada em boletim oficial da prefeitura ao fim de cada dia, com base na taxa de ocupação de leitos de CTI para Covid em todos os hospitais da cidade. Mas, para o funcionamento do comércio, valerá apenas a bandeira aferida na noite de cada sexta-feira, com efeitos a partir da segunda-feira seguinte. Como o decreto 625/2020 da prefeitura liberou o setor já nesta sexta-feira, 3, antes mesmo do boletim noturno, para este fim de semana, excepcionalmente, seguirá valendo a última bandeira apurada ao longo da semana, ou seja, a cor laranja desta quinta.

Mesmo que a bandeira desta sexta à noite mude para vermelha (a mais restritiva), bares e restaurantes só precisarão voltar ao sistema de delivery e take away, fechando para clientes, na segunda-feira, 6. A medida foi adotada, segundo a prefeitura, para dar tempo aos estabelecimentos de mobilizarem equipes e insumos. 

 

LEIA MAIS

Antes em queda, taxa de ocupação de leitos de UTI para Covid também subiu, para 50%, mesmo com maior oferta

Prefeitura ainda não sinalizou se irá ou não autorizar abertura das lojas de rua aos sábados, tal como shoppings

Estágios e práticas de laboratórios também poderão ocorrer na modalidade EAD desde que garantam replicação do ambiente de trabalho

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 75 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra