Músicos friburguenses "mandam ver" nas lives e contam como está sendo a experiência

Em confinamento, artistas reforçam interatividade com seu público através das redes sociais
sexta-feira, 01 de maio de 2020
por Ana Borges (ana.borges@avozdaserra.com.br)
Vinícius Schelb, idealizador do projeto
Vinícius Schelb, idealizador do projeto "Acústico em Casa" (Arquivo pessoal)

As lives são a sensação da internet em tempos de pandemia provocada pela Covid-19. Estrelas nacionais e internacionais fazem shows em casa para levantar o astral e entreter os fãs isolados em todo o mundo. Em Friburgo não é diferente, e o que não faltam por aqui são apresentações de artistas e eventos de toda natureza, para todos os gostos, transmitidas em canais e plataformas como YouTube, Instagram, Facebook e outros canais. Confira o que está rolando nas redes através dos depoimentos de nossos astros.
 

Vinicius Shelb

“Eu acabei concebendo a ideia do projeto Acústico em Casa a partir de uma reportagem a respeito dos músicos italianos que estavam se organizando para se apresentarem em suas respectivas casas para levar um pouco de descontração para a vizinhança. Fiquei inquieto com a ideia, liguei para o meu pai (Nivaldo Ramos) e nos organizamos para ele dar esse pontapé inicial no mesmo dia. E assim foi!

A partir dessa iniciativa, outros músicos foram dando corpo ao projeto, participando ativamente, de forma que fluiu tão naturalmente que já vamos para o nosso oitavo fim de semana de apresentações, nesta sexta-feira, 1º. Tem sido gratificante ver a receptividade das pessoas, ver como a arte realmente mexe com a gente e como a galera interage entre si nos chats, durante as lives. 

Até hoje mais de 30 músicos já participaram e participam das grades musicais que compõem o projeto e cada um sempre trazendo uma riqueza diferente para isso tudo acontecer. Quando me perguntam sobre planos para esse projeto minha resposta é sempre ‘sim, tenho vários’. Mas venho buscando dar um passo de cada vez, observando o que está acontecendo, as mudanças à nossa volta e pensando sempre em como podemos continuar levando entretenimento para as pessoas. 

Agora, de uma forma mais distante, através do online, mas na certeza de que, em breve, estaremos juntos celebrando esse reencontro. Sou muito grato a todos os envolvidos nesse projeto, desde os músicos até as pessoas que nos prestigiam de suas casas.”

Nivaldo Ramos

“Tudo começou a partir de uma ideia do Vinícius Schelb, meu filho. Eu fui o primeiro artista de Nova Friburgo a me apresentar através do "ao vivo" no Instagram nesse primeiro momento em que fora decretado o estado de pandemia, isolamento social. Na manhã do dia seguinte nós tivemos a ideia de fazer um movimento pelo Instagram contando com a participação de todos os músicos que, a princípio, faziam parte de um grupo de Whatsapp só de músicos de Friburgo, do qual fazíamos parte. O movimento foi crescendo a medida que outros artistas entraram para o movimento, nascendo assim o ‘Acústico em Casa’.
 

Vivianne Lisboa

“Tenho feito live através do meu perfil no Instagram @viviannelisboa, todos os sábados a partir das 18h. Tenho chamado o evento de Live Premiada, porque as pessoas que estão pagando couvert vão concorrer a uma live particular minha pelo Facebook e 20 garrafas de 500ml da cerveja artesanal Angels and Devils, também de Friburgo e ainda um vale de R$ 200 para usar no restaurante Sansushi. Esse foi o meio que encontrei de me ajudar, também ajudando os comerciantes locais e retribuindo de alguma forma o carinho das pessoas que depositam dinheiro para pagar o couvert artístico, presenteando-as com um super show particular mais o jantar e as cervejas. Também tenho feito festas particulares no Facebook, onde me pagam um cachê e montam seu grupo no aplicativo com seus convidados. Eu entro numa live ao vivo apenas para aquelas pessoas que foram convidadas. Meu perfil no Facebook é Vivianne Lisboa, e contato pelo telefone 22 9 99284133.”
 

Marcio Cunha

“Sou pesquisador em dança, arte educador, coreógrafo e bailarino. Desde o início do ano venho repensando economia, política e o meu trabalho no mundo. Um certo incômodo na verdade com o sistema capitalista e suas regras. Não por acaso, veio esse momento particular da humanidade e me obrigou a colocar em prática meus desejos e sonhos de liberdade. Hoje estou dando aulas de dança online e mesmo com os desafios, estou encontrando novas formas de pensar o corpo no espaço.

Atendendo as demandas do confinamento, aumentei o número de aulas semanais e estou atento às demandas particulares e coletivas dos alunos. Trabalharmos a respiração, estado de presença, alongamento, tonificação muscular e entramos em contato com o ser criativo, por isso, a escolha do nome Corpo Presente para os nossos encontros.

Além disso, estou trabalhando com contribuição mensal consciente, não por conta deste momento, mas por que acredito neste formato de trabalho onde todos podem estar fazendo aula e eu recebendo o suficiente para continuar  atuando em suas vidas. Tem sido muito gratificante! Atualmente tenho 50 alunos de todos os cantos do país. Aconselho a todos procurarem atividades potentes para deixar corpo e mente ativos e presententificados!”
 

Marcelo Braune

“Como o momento é de todo cuidado possível, como músico tenho procurado me reciclar e utilizar as lives nos meus canais e em redes sociais para fazer meus shows e assim poder levar um pouco de esperança, alegrar e amenizar a angústia de quem está em isolamento social nesse período de quarentena. Sabemos que a situação é difícil, mas tenho certeza que tudo irá passar em breve. Cada um tem que fazer a sua parte, fica a dica.

Celso da Kombi

“Eu e a minha esposa (Cibele, criadora do personagem Belinha e sua malinha) tivemos que nos readequar. Então criamos um espaço, montamos um estúdio para produzir nossas lives, onde a Belinha gravou nos últimos 40 dias, seguidos, para o canal dela, no Instagram, YouTube, Facebook... É isso, estamos reforçando os canais e as redes, que até então a gente nem dava tanta importância, mas agora estamos nos aperfeiçoando para esse tipo de apresentação. Tenho feito lives diárias, não só de música, mas batendo papo com pessoas de diversos setores. Como moramos em apartamento, tem toda uma estrutura que a gente precisa levar em conta e tomar providências, como fazer isolamento acústico, entre outros cuidados com a vizinhança. Também estamos nos inscrevendo nos editais (a prefeitura lançou uma chamada pública emergencial simplificada para o Projeto ConectArt, encerrada nesta quinta-feira, 30), fazendo parcerias, nos reiventando e buscando nos ressignificar.”

Caru de Souza

“Nesta quarentena descobri novos caminhos e estou tendo a oportunidade de resolver antigos bloqueios, costumo cantar - mas, não sou instrumentista, possuo um terrível bloqueio de tocar em público. O que está sendo quebrado com diversas apresentações que tenho feito espontaneamente ou através de eventos. Tudo se iniciou com o @acustico.em.casa, iniciativa dos músicos Vinicius Schelb e Nivaldo Ramos com lives de artistas friburguenses no Instagram. 

Num segundo momento, gravei um vídeo para o Projeto Acalanto Musical do gaitista Jefferson Gonçalves cujo objetivo além do acalanto que o próprio nome já diz, promoveu uma arrecadação colaborativa para ajudar os músicos tão prejudicados com o adiamento de suas agendas e fizemos um vídeo com cantoras da cena carioca do blues. 

Também participei do Festival Quarentena Sessions da Coluna Blues Rock no Instagram e gravei um programa para a Rádio Rock Flu. Entre uma aparição dessas e lives acidentais que faço sem aviso prévio, tenho estudado música, lido alguns livros e aproveitado para compor músicas novas. Iniciei umas aulas de música clássica indiana esta semana com um músico indiano que conheci no Facebook, a comunicação é peculiar uma vez que nossos sotaques são muito diferentes mas a linguagem da música rompe qualquer barreira e não possui fronteiras.

Aliás, tenho conhecido novos trabalhos através das redes, pois o isolamento criou uma corrente de união e divulgação dos trabalhos musicais entre admiradores, público e artistas. Meu isolamento tem sido agitado profissionalmente e tenho aproveitado muito esse tempo.”

 

LEIA MAIS

Ao todo, 38,6% dos leitos de enfermaria no município estão ocupados (29 de 75), enquanto os leitos de UTI registram ocupação média de 54,8% (17 do total de 31)

Iniciativa cria centro de pesquisas voltado à indústria têxtil de Friburgo e prevê aprimoramento de respiradores

Comércio de rua pode abrir também neste sábado; bares e restaurantes podem lotar até 70% da capacidade e fechar às 22h

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 75 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra