Maior condenação da história de Friburgo: 35 de uma vez só, por tráfico e outros crimes

Operação Amálgama foi trabalho de inteligência coordenado pelo MP com apoio das polícias Civil e Militar contra quadrilha do Alto de Olaria
quinta-feira, 30 de abril de 2020
por Jornal A Voz da Serra
Apreensão da Operação Amálgama em fevereiro de 2018 (Arquivo AVS)
Apreensão da Operação Amálgama em fevereiro de 2018 (Arquivo AVS)

O juiz Marcelo Alberto Chaves Villas, da 2ª Vara Criminal de Nova Friburgo, condenou na última terça-feira, 28, pelo menos 35 acusados de liderarem o tráfico de drogas no bairro Alto de Olaria. O processo foi um desdobramento da Operação Amálgama, coordenada pelo Ministério Público com apoio das polícias Civil e Militar, que investigam o tráfico de drogas naquele bairro.

As condenações variam de oito a 22 anos de reclusão pelos crimes de tráfico de drogas, porte ilegal de armas restritas, corrupção de menores e associação criminosa. Um dos condenados é Livaldo José da Silva, o “Coroa”, que, segundo as acusações, ocupa posição de hierarquia na facção criminosa Comando Vermelho – que atua no Estado do Rio de Janeiro - e que, mesmo preso desde 2011, continuaria emitindo ordens para comparsas em Nova Friburgo.

Na sentença, o juiz destacou que a condenação foi consequência de um minucioso trabalho de investigação policial, que provou que os réus possuíam grande poder bélico, demonstrado em constantes confrontos com a polícia, e uma estrutura bem organizada hierarquicamente por áreas, espécie e qualidade das drogas na região de Nova Friburgo. Todos os réus já estavam presos preventivamente e cumprirão a pena em regime inicialmente fechado.

Operação Amálgama

A “Operação Amálgama” foi um trabalho de inteligência coordenado pelo Ministério Público, com apoio das polícias Civil e Militar, que encadeou o cumprimento de diversos mandados de prisão preventiva, de busca e apreensão de drogas, de armamento pesado como  fuzis, carregadores de pistolas e granadas e apetrechos para o tráfico, que fazem parte do acervo probatório presentes nos autos.

Ainda de acordo com a 2ª Vara Criminal de Nova Friburgo, em pouco tempo, mais precisamente em um período de dois anos (iniciados em 2017), “o Alto de Olaria se tornou um verdadeiro quartel general do Comando Vermelho no interior do Estado. O tráfico é fortemente armado e muito bem estruturado hierarquicamente: por áreas, espécie de droga e qualidade do entorpecente”.

Segundo as investigações demonstraram, existe um verdadeiro “poder paralelo” ao Estado, incrustrado no Alto de Olaria, com estruturação hierárquica e divisão de tarefas para o desenvolvimento do tráfico. As drogas vendidas no bairro são provenientes de outros pontos controlados pela facção criminosa Comando Vermelho, como nas cidades do Rio de Janeiro, Niterói e São Gonçalo.

Ainda de acordo com o magistrado, “dado o caráter público de uma sentença penal, não é demasiado explicitar que no Alto de Olaria o 11º BPM, já apreendeu, especificamente,  nesses últimos dois anos, quase uma centena de pistolas de uso restrito em poder de traficantes, sendo que a maioria destas pistolas é da marcas: Glock, de fabricação austríaca, e Kanike, de fabricação turca. O que, espantosamente, somente releva uma amostra do poder bélico da aludida facção em todo o Estado do Rio de Janeiro”, afirmou o juiz Marcelo Alberto Chaves Villas.

 

LEIA MAIS

Operações, do início de manhã até a noite, resultaram na prisão de três homens e na apreensão de farta quantidade de cocaína e maconha

Ações do 11º BPM ocorreram nos bairros Catarcione, Curral do Sol e Centro

Cocaína e maconha foram apreendidas nas ruas Francisco Nicolau e Piauí

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 75 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: tráfico