Lei Seca agora tem agentes sem pontos fixos, os chamados "pega-fujão"

Equipes em motocicletas percorrerão as rotas alternativas dos locais onde são montadas as operações
quinta-feira, 04 de agosto de 2022
por Jornal A Voz da Serra
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

A Operação Lei Seca está reforçando ainda mais as ações de fiscalização em todo o Estado do Rio. O número de equipes dobrou de 15 para 30 e, a partir de agora, grupos de agentes sem pontos fixos, os chamados "pega-fujão". São quatro duplas de policiais em motocicletas que, diariamente, vão trabalhar  nas principais rotas alternativas dos locais onde são montadas as operações e com mudança de local a cada hora. A ideia é surpreender os motoristas que tentam driblar a fiscalização usando informações de conhecidos ou de aplicativos.

A ampliação da fiscalização é uma estratégia da Secretaria de Estado de Governo para reduzir o número de motoristas dirigindo após beber. O recente estudo, realizado pela Operação Lei Seca, mostra que houve um considerável aumento na quantidade de motoristas parados nas ações e que testaram  positivo para alcoolemia ou se recusaram a se submeter ao exame. É um reflexo da mudança de comportamento da população, que durante a pandemia passou a consumir mais bebida alcoólica e manteve o hábito.

O levantamento da Operação Lei Seca mostra que a região do Médio Paraíba foi a que apresentou a maior taxa de crescimento nos flagrantes de alcoolemia. Se em 2019 a taxa era de 8,7% a cada cem motoristas parados nas blitzes, nos primeiros seis meses deste ano o percentual ficou em  25,8%. Proporcionalmente, a segunda região com os maiores índices é o Norte Fluminense, que em 2019 registrou a taxa de 8,4% a cada 100 motoristas parados e, agora, marca 23,5%.

A Região Metropolitana, a mais adensada em carros e população, teve nos seis meses deste ano uma taxa de 11,6%. Em 2019, era de apenas 4,4%. Em algumas ações, o percentual de motoristas que tiveram o resultado positivo de alcoolemia ou se recusaram a se submeter ao exame chegou a 62,5%, como aconteceu durante uma operação em Niterói.  Ou seja: a cada cem motoristas parados, mais de 62 estavam impedidos de dirigir.

"Estamos criando novas estratégias e investindo em educação para reduzir as atuais taxas. Já conseguimos uma ligeira queda em relação ao ano passado. Estamos com uma quantidade de fiscalização bem superior às ações praticadas em 2019 e, a partir de segunda-feira, voltaremos com com as nossas equipes a percorrer os colégios com reforço no Interior do Estado, com o projeto "Educação para o Trânsito-Escola Nota 10", destaca o tenente-coronel Fábio Pinho, superintendente da Lei Seca.

As fiscalizações realizadas este ano, de janeiro a junho, já somam 1.737 locais, com abordagem a mais de 172 mil motoristas em todo o estado. Um resultado 20% maior do que as ações realizadas em 2019, quando a Lei Seca inspecionou  286 mil condutores em 2.372 operações.

 

LEIA MAIS

Sub da Smomu fica responsável também pela Guarda Civil Municipal e pelo Departamento de Posturas

Presente ao encontro, presidente do DER-RJ se compromete a dar prosseguimento aos estudos dos traçados

Projeto foi ressuscitado em encontro na Acianf no último dia 15, entre o presidente da Comissão de Obras da Alerj e empresários friburguenses

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 77 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: Trânsito