Guarda-parques do Inea visitam reservas naturais de Madalena

Objetivo é conhecer os proprietários das terras onde as RPPNS estão estabelecidas e oferecer auxílio na gestão
quarta-feira, 02 de dezembro de 2020
por Jornal A Voz da Serra
A fiscalização do Inea (Fotos de divulgação)
A fiscalização do Inea (Fotos de divulgação)

Uma equipe de guarda-parques do Parque Estadual do Desengano iniciou uma série de visitas às reservas naturais de Santa Maria Madalena. O objetivo é conhecer os proprietários das terras onde elas estão estabelecidas e oferecer auxílio na gestão, caso seja necessário. As primeiras reservas a receber os técnicos  foram as RPPNs Refúgio do Bugio e Gato do Mato.

RPPNs são unidades de conservação de proteção integral criadas em propriedade privada, cujas atividades permitidas são educação ambiental, turismo e pesquisa científica. São criadas voluntariamente pelos proprietários e averbadas junto ao Registro Geral de Imóveis (RGI). O reconhecimento de reserva é perpétuo e acompanha a vida da propriedade.

Além de ter parte de seu território abrangido pelo Parque Estadual do Desengano, o município de Santa Maria Madalena conta com oito Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPNs) reconhecidas pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea), que totalizam 143,87 hectares de área de Mata Atlântica protegidas. Essas reservas são estratégicas para a conservação desse bioma, uma vez que boa parte dos remanescentes florestais do Estado do Rio está localizada em terras privadas.

“O nosso propósito é, além de estreitar as relações entre o Inea e as RPPNs, efetuar o reconhecimento do território para que possamos identificar possíveis fragilidades e, assim, oferecer apoio na gestão", destacou Carlos Dário, chefe da unidade de conservação.

Segundo o  secretário estadual do Ambiente e Sustentabilidade, Thiago Pampolha,  as RPPNs contribuem para o aumento da área protegida do estado, estimulam o envolvimento e a parceria entre a sociedade, o poder público municipal e a academia, além de fomentar o turismo e a geração de renda local. 

 

LEIA MAIS

Detritos recolhidos serão separados e os materiais recicláveis ganharão devida destinação

Estudo mostra que 76,1% dos consumidores fluminenses consideram a preservação do meio ambiente em seus hábitos

Escolas agrícolas como o Ibelga estimulam a produção de alimentos

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra