Friburgo continua em bandeira vermelha pela oitava semana seguida

Corrigida pela prefeitura, queda de ocupação de leitos em hospital particular, embora menor, evitou que município entrasse na roxa
sexta-feira, 22 de janeiro de 2021
por Jornal A Voz da Serra
Cliente pega quentinha em restaurante de Friburgo (Foto: Henrique Pinheiro)
Cliente pega quentinha em restaurante de Friburgo (Foto: Henrique Pinheiro)

Entre esta segunda-feira, 25, e o próximo domingo, 31, Nova Friburgo continuará em bandeira vermelha - o que significa “risco alto” de contágio pelo coronavírus. Já é a oitava semana consecutiva desse estágio. Na próxima sexta-feira, 29, será realizada uma nova aferição para definir a cor da bandeira que valerá na semana seguinte.

Na última quarta-feira, diante do aumento de novos casos e da taxa de ocupação de leitos para Covid nas unidades de saúde da cidade, entrou em vigor um novo decreto municipal restringindo ainda mais as atividades comerciais.

Com a ocupação de leitos de UTI próxima à casa dos 90% e de enfermaria acima da casa de 80%, chegou-se a especular que o município entraria em bandeira roxa nesta sexta, mas isso não aconteceu.

Nas últimas 24 horas, a taxa de ocupação de leitos de UTI no Hospital da Unimed caiu de 100% para 80%, aliviando a métrica aferidora da bandeira.

No boletim com os dados da Covid-19 divulgado às 17h04 desta sexta-feira, a prefeitura informou que a taxa de ocupação dos leitos de UTI-Covid chegara a baixar para 20% na Unimed. Cerca de cinco horas depois, porém, às 21h57, a informação foi retificada. Embora menor, no entanto, a queda garantiu que a bandeira não virasse para a roxa. "Destacamos que a taxa ainda é extremamente preocupante", afirmou a prefeitura.

De quinta para sexta, 115 novos casos

De acordo com o boletim da Covid-19 divulgado pela Prefeitura de Nova Friburgo no início da noite desta sexta-feira, 22, subiu para 8.759 - 115 a mais nas últimas 24 horas - o número total de casos confirmados da doença  no município. Do total, 633 são profissionais de saúde, com quatro óbitos confirmados na  classe.  Ao todo, o município registra 255 mortes.

Friburgo contabiliza ainda outros 45 pacientes com suspeita da doença. Desses, 17 estão em casa aguardando resultados dos exames, 22 estão internados e ainda há seis óbitos em investigação.

A prefeitura também informou o registro de 3.941 pacientes recuperados e 9.632 casos descartados. Ao todo, 18.436 testes de Covid-19 foram realizados no município até agora.

Ocupação de leitos 

Ainda de acordo com o boletim, depois de retificado, a taxa média de ocupação nos leitos de UTI destinados exclusivamente ao tratamento de pacientes com Covid-19 nesta sexta-feira, 22, nos hospitais locais, foi de 69%: (Raul Sertã: 95%); (Unimed: 80%); (São Lucas: 70%); e (Serrano: 50%). Do total de 42 leitos, 35 estavam ocupados.

Já nos leitos de enfermaria, a taxa de ocupação fechou em 59,5%: (Raul Sertã: 84,2%); (Unimed: 64%); (São Lucas: 45%); (Serrano: 30%). Do total de 74 leitos, 44 estavam ocupados. 

Estado do Rio melhora, Região Serrana piora

No Estado do Rio como um todo, por sua vez, a 14ª edição do Mapa de Risco da Covid-19 indicou nesta sexta-feira uma melhora na situação da pandemia. Na contramão do estado, a Região Serrana, que estava na bandeira amarela, passou para a laranja, no entanto.

As regiões Centro-Sul e Noroeste foram as que tiveram os melhores resultados, saindo da bandeira vermelha (alto risco) direto para a amarela (baixo risco). A Baía de Ilha Grande, que antes estava na bandeira vermelha, evoluiu para a bandeira laranja (risco moderado). As regiões Norte, Médio Paraíba e Baixada Litorânea saíram da bandeira laranja para a amarela. Já A Região Metropolitana II (de Niterói, São Gonçalo e municípios vizinhos) se manteve na bandeira amarela. A Região Metropolitana l foi a única que permaneceu em bandeira vermelha.

Desta forma, no  geral, o Estado do Rio evoluiu da bandeira vermelha para a bandeira amarela. A análise compara a semana epidemiológica 52 (de 20 de dezembro a 26 de dezembro) com a 50 (de 06 de dezembro a 12 de dezembro).

O estado também  apresentou uma redução do número de óbitos (-6,11%) e de casos de internações por síndrome respiratória aguda grave (-31,4%) na comparação.  As taxas de ocupação de leitos de UTI no estado também reduziram, refletindo ainda a abertura de leitos que ocorreram durante o mês de dezembro.    

O que vale na bandeira vermelha em Friburgo:

  • Indústrias: funcionam com capacidade de até 40%.

  • Comércio e prestadores de serviço: funcionam das 10h às 18h de segunda-feira à sexta-feira, com o acesso de um cliente por vez.

  • Restaurantes e lanchonetes: operam em delivery ou com retirada no local.

  • Bares:  somente  delivery, ficando proibida a retirada no local.

  • Salões de Beleza:  podem funcionar mediante agendamento.

  • Shoppings: podem abrir entre 10h e 21h, de segunda-feira a sexta-feira.

  • Ambulantes: de 7h às 22h, sendo vedado após o horário o consumo nas proximidades.

  • Transporte coletivo: das 6h às 10h e das 17h às 20h, circulação plena. Fora desses horários, frota  restrita a 30% por itinerário.

  • Hotéis e pousadas:  podem operar com até 50% da capacidade.

  • Cinema: proibido.

  • Cultos: capacidade de até 40%.

  • Academias: funcionam  com até 40%.

  • Eventos, festas, música ao vivo ou DJs: proibidos.

Confira o decreto na íntegra aqui.

 

LEIA MAIS

Noroeste Fluminense evolui para vermelha, assim como Friburgo; Centro-Sul segue em laranja

Por novo decreto, restaurantes fecham mais cedo, às 20h, e bares só poderão funcionar com delivery

Imunização com doses da Oxford/Astrazeneca será na segunda e terça próximas em vários pontos do município

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 75 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra