Com desafios diários, Raul Sertã enfrenta pandemia

Em toda a sua história, o Raul Sertã passou por várias administrações e sofreu inúmeras intervenções
sábado, 04 de julho de 2020
por Jornal A Voz da Serra
(Fotos: Henrique Pinheiro)
(Fotos: Henrique Pinheiro)
Chamado carinhosamente de “Raul” pelas centenas de profissionais de saúde que ali trabalham, o centenário Hospital Municipal Raul Sertã tem, nesta pandemia de coronavírus, apenas mais um entre seus enormes desafios diários, com mazelas comuns às unidades da rede pública.

Não é de hoje que nosso Hospital Raul Sertã precisa de atenção e de carinho. A sociedade friburguense sabe bem das dificuldades que a instituição enfrenta. Por isso, também reconhece a dedicação e o empenho dos profissionais de saúde que estão na linha
A maior emergência do Centro-Norte Fluminense atende a 13 municípios da região, sendo o destino preferencial de qualquer pessoa, mesmo com plano de saúde, que venha a sofrer um acidente grave, por exemplo.

Em toda a sua história, o Raul Sertã passou por várias administrações e sofreu inúmeras intervenções. No último ano, o hospital passou por obras de reforma e ampliação, orçadas em R$ 4 milhões, com o objetivo de ampliar sua capacidade de atendimento em cerca de 45%. Ganhou, por exemplo, nova recepção e uma nova UTI. Mas tem sido um caminho árduo. As intervenções,  retomadas em março de 2019, foram paralisadas em 2015 depois que a empresa que ganhou a licitação em 2012 abandonou os trabalhos e outra assumiu em seu lugar. 

Só na atual gestão do prefeito Renato Bravo, o Raul Sertã esteve subordinado a sete secretários de Saúde diferentes. 

Atualmente, o maior hospital da região enfrenta, talvez, o maior desafio de sua história: a pandemia da Covid-19 que obrigou a direção da unidade a promover um  estratégico remanejamento interno, permitindo a ampliação do número de leitos, embora seja necessário um número maior. 

Segundo a prefeitura, o total rapidamente chegou  a 27 leitos (nove de enfermaria, oito semi-intensivo e dez de CTI), além de outros 27 leitos reserva, para serem utilizados em caso de necessidade, totalizando a possibilidade máxima em 54 leitos. Atualmente, o hospital conta com 59 respiradores, incluindo 29 recém-adquiridos e dez novos que chegaram na última semana.

O Raul Sertã dispõe ainda de 30 leitos no setor de Clínica Cirúrgica, 33 na Ortopedia, quatro no Isolamento, 21 na Pediatria, 30 na Clínica Médica, 16 na Cardiologia, seis na Unidade Coronariana, seis no CTI-1, cinco no CTI-2, 12 no Repouso Masculino e 12 no  Repouso Feminino.

Foto da galeria

LEIA MAIS

Da Santa Casa de Misericórdia à unidade regional de hoje

Como funcionava o antigo Hospital Santo Antônio, em 1963, quando o pediatra Joâo Hélio Rocha mudou-se para a cidade

O Hospital da Marinha reforça a imagem de Nova Friburgo como uma estância de cura dessa doença, atraindo outros estabelecimentos

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra