Carlos Alberto Muzzi assume como novo presidente do Roqueano

Novo mandatário deve dar continuidade ao modelo de gestão implantado pela atual diretoria
sábado, 04 de julho de 2020
por Vinicius Gastin
Carlos Alberto e Heraldo, futuro e atual presidente do Roqueano: objetivo é dar sequência ao trabalho
Carlos Alberto e Heraldo, futuro e atual presidente do Roqueano: objetivo é dar sequência ao trabalho

O Roqueano Social Clube, tradicional agremiação associativa do bairro Olaria, tem novo presidente. Carlos Alberto Muzzi foi candidato único, e teve a eleição confirmada no dia 24 de maio. Representante da situação, o novo mandatário deve dar continuidade ao modelo de gestão implantado pela atual diretoria, e tentar terminar os projetos que estão em andamento. Desde a última quarta-feira, 1º, Bocão, como é conhecido, já está oficialmente à frente do clube.

O novo presidente fez parte de diversas outras diretorias, inclusive a que encerra o mandato, no cargo de vice-presidente administrativo. Antes, o Roqueano foi presidido nos últimos quatro anos pelo advogado e técnico em contabilidade Heraldo Klein.

“Com a ajuda do Conselho focamos a gestão em quatro pontos primordiais: aumentar o número de associados, equacionar a parte financeira, aumentar a arrecadação e melhorar a estrutura física do clube. O conjunto nos levou a pagar todas as nossas despesas em dia, equacionando tanto a parte financeira quanto a parte administrativa. Agradeço a minha esposa e filha que souberam conviver com a minha ausência por inúmeros compromissos que tive à frente do clube, a todos os membros da minha diretoria, membros do Conselho Deliberativo e a todos os funcionários, além do arrendatário do bar, o Geraldo. Todos estiveram sempre ao meu lado nos últimos quatro anos”, resume o agora ex-presidente Heraldo.

O Roqueano

Tradicional clube de Olaria, o Roqueano nasceu a partir da paixão de um grupo de amigos por futebol, que disputava a terceira divisão do futebol amador da cidade. Parte da atual sede foi comprada no início dos anos 80, e a construção do clube aconteceu de forma gradativa.

Fundado em 13 de maio de 1953, o nome foi inspirado na Igreja de São Roque. Ainda quando funcionava próximo ao antigo Cinema São Clemente, o clube ficou famoso pelos bailes. Pouco tempo depois, o Roqueano mudou-se para um terreno ao lado do Colégio Municipal Dermeval Barbosa Moreira, também em Olaria, onde durante anos funcionou uma fábrica de calçados.

Parte da atual sede foi comprada no início dos anos 80, e a construção do clube aconteceu de forma gradativa. O clube permanece na Avenida José Pires Barroso, a Via Expressa.

O clube mantém uma boa piscina, campo de futebol society, quadra de areia, salão de baile, bar e restaurante, espaço para churrascos, sauna masculina e feminina e salão de jogos.

Além disso, tem também salão de festas (alugado também para não sócios), com capacidade para 400 pessoas e entrada independente pela Via Expressa. Quando a retomada for autorizada por decreto municipal devido à pandemia, o Roqueano voltará a funcionar de terça-feira a domingo. De terça a sexta-feira, das 8h às 22h; sábados, das 8h às 20h; e domingos, das 8h às 17h.

Bate-bola com o ex-presidente Heraldo Klein

A VOZ DA SERRA: Depois desses anos todos à frente do Roqueano, qual o principal legado que você deixa?

“Desde que assumi a presidência do Roqueano Social Clube, em 2016, foquei no slogam: Roqueano ‘O clube da família’. Neste sentido, e, como é do conhecimento de todos, o Roqueano nasceu em meados do ano de 1953 da união de vários amigos que criaram um time de futebol para se divertirem nos fins de semana. Anos depois, passou também a explorar o lado social. Então, sempre entendi e firmei meu pensamento em manter o clube nesta linha. Entendo que a harmonia, respeito e a alegria, que devem estar presentes em todas as famílias, foram o grande legado da minha gestão.”

Em termos de obras, quais as principais promovidas no período?

“As obras mais significativas foram a troca de todos os toldos do varandão, as reformas de parte do bar e das saunas do clube, as pinturas da parte externa e interna do clube, incluindo o parque aquático, a reformulação da entrada do clube, a troca do telhado da portaria, dos móveis e computadores da secretaria do clube, a criação do espaço kids e a reforma do entorno da capela de São Roque.”

Há alguma obra ou melhoria que gostaria de ter feito e não conseguiu?

“Uma das obras que iniciamos e não conseguimos terminar em nossa gestão foi a criação da sala de troféus que abrigará não só o acervo de fotos e troféus do nosso clube, mas também todo o acervo do Torrington Esporte Clube. Outro sonho de todos os associados é a ampliação e reforma da varanda da churrasqueira que fica ao lado do bar.”

Nós sabemos que administrar um clube associativo é um desafio cada vez maior. Quais serão, na sua visão, as principais dificuldades do seu substituto?

“Em tempos normais acredito que os futuros presidentes dos clubes associativos terão à frente um trabalho muito difícil, árduo, principalmente para a manutenção de seu quadro associativo. Em tempos de pandemia acho que as dificuldades serão ainda maiores, necessitando de muito trabalho no “corpo a corpo” com os associados, mostrando a necessidade da permanência dos sócios para a sobrevivência do clube.”

Carlos Alberto, o Bocão, agora presidente, chega com o propósito de dar continuidade ao seu trabalho. Onde o Roqueano pode e planeja avançar nesses próximos dois anos?

“O presidente do clube já foi exerceu o cargo e participou ativamente da minha gestão. Entendemos que precisamos manter o foco no pagamento de todas as despesas ordinárias, mantendo o crescimento do quadro associativo, promovendo eventos que tragam retorno financeiro e alegrem o dia-a-dia do clube, evidenciando o Roqueano Social Clube como um dos clubes mais simpáticos e bem frequentados de nossa cidade e região. Além disso, entendo que temos que procurar realizar as manutenções e as obras necessárias.”

Com a sua visão e experiência, como acha que o pós pandemia poderá mudar a rotina dos clubes?

“Acredito que todos os clubes terão muita dificuldade em manter o quadro associativo, principalmente no período de paralisação que a pandemia nos obrigou a fazer. Entendo ainda, que no retorno das atividades, os clubes terão que se reinventar, promovendo eventos, atividades esportivas, enfim, criando meios atrativos de levar e manter o associado no clube, além de conscientizar o quadro associativo em permanecer no clube. No caso do Roqueano entendo que a parte social e esportiva terão fator primordial nesta “nova era” do nosso clube.”

  • Conservação do clube é um dos pontos destacados pela última gestão

    Conservação do clube é um dos pontos destacados pela última gestão

  • Estrutura conta com um campo de futebol society, onde associados jogam a tradicional “pelada” regularmente

    Estrutura conta com um campo de futebol society, onde associados jogam a tradicional “pelada” regularmente

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra