Amanda Nunes deixa equipe de Anderson França

Leoa deve fundar sua própria equipe, ainda na Flórida
terça-feira, 18 de janeiro de 2022
por Vinicius Gastin
 Amanda e Anderson França: parceria de sucesso e respeito no UFC
Amanda e Anderson França: parceria de sucesso e respeito no UFC

        A história entre Amanda Nunes e a American Top Team terminou. Um mês depois de perder o cinturão peso-galo (até 66 quilos) do UFC para Julianna Peña, naquela que foi a única derrota da lutadora baiana enquanto esteve na equipe da Flórida (EUA), a Leoa está de saída. Ela deve fundar sua própria equipe, ainda na Flórida. Amanda perdeu o cinturão dos galos, mas ainda continua campeã peso-pena (até 66 quilos) da organização.

        Aos 33 anos, Amanda Nunes começou sua passagem pela academia friburguense após a derrota para Cat Zingano em setembro de 2014. E por lá conviveu e trabalhou com o mestre friburguense Anderson França, mentor de Edson Barboza e Marlon Moraes, além de trabalhos realizados com alguns dos principais nomes do UFC.

        “A minha dedicação e dos meus professores foram dirigidos aos mínimos detalhes. Eles chegavam com as fotos, explicando, e eu perguntava o que era. Eu dizia que era “maluco”, mas um “maluco” que me ajudou a ser inteligente. O Anderson França é um cara bom e muito, inteligente. Meu professor de stricker é um fenômeno”, disse a lutadora em uma de suas entrevistas.

        Este comentário surgiu após a avassaladora vitória de Amanda sobre Cris Cyborg, em 2019. Na ocasião, pouco tempo após o combate, França comentou o fato em entrevista exclusiva para A VOZ DA SERRA.

        “Estudei muito as lutas da Cris e tentei não perder nenhum detalhe. Todos os dias eu levava fotos de algo diferente que poderia me ajudar a vencer essa luta. A Amanda já vinha logo falando: “O que é isso, professor? De novo?” E eu respondia, “não repara Amanda, eu sou meio maluco” (risos). Foi daí que surgiu o comentário do “Maluco gente boa”. Com certeza foi um dos momentos mais gratificantes da minha carreira”, observou Anderson França.

Na academia, Amanda Nunes emendou vitórias no primeiro round contra Shayna Baszler e Sara McMann, além do primeiro triunfo contra Valentina Shevchenko por decisão unânime. Na sequência veio a chance do cinturão. Em julho de 2016, com quatro lutas na equipe, a baiana finalizou Miesha Tate e se tornou campeã peso-galo. Na sequência, emendou defesas com sucesso contra Ronda Rousey, Valentina Shevchenko e Raquel Pennington.

 

LEIA MAIS

Atleta deixa legado dentro e fora do octógono, sendo referência para Nova Friburgo e para o país

Já Adam Tamas e David Zsolt buscam apoio para continuar brilhando nas artes marciais

Derrota para Mitchell custou a saída do friburguense do top 10

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 77 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: UFC