Entre passes e palavras

Tereza Malcher

Tereza Cristina Malcher Campitelli

Momentos Literários

Tereza Malcher é mestre em educação pela PUC-Rio, escritora de livros infantojuvenis, presidente da Academia Friburguense de Letras e ganhadora, em 2014, do Prêmio OFF Flip de Literatura.

segunda-feira, 10 de agosto de 2020

Lendo crônicas de vários autores, eu me deparei com duas publicadas no Jornal do Brasil há mais de cinquenta anos, que, para mim, são verdadeiros cursos literários neste estilo. A crônica, nas mãos de um hábil escritor, tem o poder de penetrar nos meandros da vida com tamanha competência que chega a tornar surpreendente o mais simples fato quotidiano.

Pois bem. A troca de crônicas entre Clarice Linspector e Armando Nogueira são verdadeiras obras-primas. Clarice guardava admiração pelo modo “tão bonito de escrever” do comentarista de futebol e desafia-o a escapar das palavras sobre as batalhas armadas nos campos e fugir para os arados da vida. Foi uma proposta inconveniente que sucedeu depois que soube que ele dizia: “De bom grado eu trocaria a vitória de meu time num grande jogo por uma crônica”. E, tornou-se mais efusiva ainda quando soube que Armando trocaria uma grande partida por uma crônica dela sobre futebol. Ora, Clarice, amante de futebol? Botafoguense! Considerou-se uma pobre desventurada e intitulou assim a crônica de 30/03/1968: “Armando Nogueira, futebol e eu, coitada”. Com maestria declarou seu drama: além de ter uma “ignorância apaixonada por futebol”, era mãe de botafoguense e de flamenguista. Sentia-se, portanto, a coitada que guardava a esperança de um dia entender de futebol.

Não posso considerá-la assim! Vejo alegria nos torcedores, mesmo que sofredores, ao perceber bolas de futebol correndo em suas veias, dando-lhes animação e esperança. Ah, o futebol é um esporte interminável. Popular, acima de tudo. De uma partida, vem outra, mais tantos embates depois e, assim, os dias do povo são preenchidos com lágrimas e risos, conversas e debates acirrados. Já estou eu, aqui metendo bedelhos nas palavras de Clarice Linspector, craque da literatura brasileira.

E, dias depois deste desafio avassalador, em 08/04/1968, vem as palavras de Armando Nogueira na crônica “Na grande área”, como uma “terna vingança”, ante às palavras de Clarice que o desafiam a “perder o pudor”. Afinal de contas, ler a crônica de um comentarista de futebol sobre a vida é um acinte a qualquer torcedor. É pior do que fugir da raia.

As palavras empregadas “Na grande área” é um colar de pérolas. De início ele se revela um péssimo jogador, querendo dizer que escreve com penas de ganso para superar essa dificuldade bestial para quem tem “bolas de ferro” nos pés. A seguir, vai descortinando o que pensa da própria vida, definindo-a como “um match-treino sem placar, sem juiz, nem multidão”.  Ele, ao sofrer com a imprecisão dos seus chutes, faz da sua vida um grande aprendizado.

Que belos e despudorados textos, cheios de sabedoria. Vale a pena guardá-los na cabeceira para compreender que “o grito que glorifica o goleador é o mesmo que mortifica o goleiro”. Ou seja, com placar empatado, todo jogo termina em paz. É, desta forma, que ele queria findar. E eu também.  

 

Publicidade
TAGS:
Tereza Malcher

Tereza Cristina Malcher Campitelli

Momentos Literários

Tereza Malcher é mestre em educação pela PUC-Rio, escritora de livros infantojuvenis, presidente da Academia Friburguense de Letras e ganhadora, em 2014, do Prêmio OFF Flip de Literatura.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.