Cargas atrasadas

Antônio Fernando

Blog do Antônio Fernando

Friburguense, jornalista, 65 anos, taurino e vascaíno. Antônio Fernando atuou em diversos veículos de Nova Friburgo e atualmente é redator das colunas Radar e Impressões onde ele deleita o leitor de A VOZ DA SERRA com suas visões peculiares sobre o mundo.

quarta-feira, 13 de junho de 2018

Cargas atrasadas

Sem definição sobre o preço do frete rodoviário, diante das discussões ainda não concluídas pelo governo para fixar a tabela de preço mínimo pelo serviço, as empresas estão atrasando seus embarques e gerando um represamento de carga.

"Essa indefinição leva todo mundo a esperar aclarar-se o quadro", disse o presidente executivo da Anut (Associação Nacional dos Usuários do Transporte de Carga), Luis Henrique Baldez.

*****

Ele explicou que os produtores do agronegócio não contratam diretamente os caminhoneiros, e sim empresas transportadoras. Que, por sua vez, recrutam caminhoneiros autônomos quando seus quadros são insuficientes para prestar o serviço.

"Se eu contrato essa empresa, tem de ser pelo frete mínimo? E se eu contrato pelo mínimo, como ela vai subcontratar o caminhoneiro pelo mesmo preço?", questionou o dirigente. Assim, na dúvida, as transportadoras não estão utilizando caminhoneiros autônomos.

Greve impacta o PIB

A greve de caminhoneiros deve impactar o PIB (Produto Interno Bruto) do segundo trimestre do ano, mas ainda não é possível precisar o tamanho da repercussão da paralisação sobre a atividade econômica, afirmou Roberto Olinto, presidente do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

*****

A preocupação atual do instituto é com possíveis reflexos sobre a coleta de dados para as pesquisas conjunturais. Segundo ele, é preciso observar se o impacto aparecerá nos preços, no comércio, na produção, se houve perda de mercadoria no momento da parada, se houve recuperação ou estabilização quando terminada a greve.

Fundos na Reforma

O presidente da Previ, Gueitiro Genso, disse esta semana no Seminário de Política de Investimentos, organizado pelos quatro maiores fundos de pensão do Brasil, que a política das instituições precisa mirar o longo prazo e não o cenário econômico do mês.

*****

Segundo ele, o modelo de previdência privada fechada, que paga R$ 50 bilhões em benefícios ao ano, deve ser considerado na discussão da Reforma da Previdência. "Momentos conjunturais adversos na gestão do patrimônio vão acontecer, mas não devemos mirar no cenário econômico deste mês. Nossa política é de longo prazo", ponderou.

Caixa facilita servidores

Os servidores públicos poderão financiar um valor maior ao comprarem imóveis usados por meio da Caixa Econômica Federal. O banco elevou, de 70% para 80%, o limite de financiamento, igualando o teto com o usado na compra de unidades novas.

Os demais clientes continuarão a financiar até 70% do valor de imóveis usados e 80% no caso de imóveis novos.

Uso do rotativo

O rotativo do cartão de crédito é mais utilizado por consumidores que recentemente perderam um emprego formal e por beneficiários de programas sociais. É o que conclui o Banco Central em uma pesquisa divulgada ontem, no Relatório de Economia Bancária.

*****

O rotativo é o crédito tomado pelo consumidor quando paga menos que o valor integral da fatura do cartão. O crédito rotativo dura 30 dias. Após esse prazo, as instituições financeiras transferem a dívida para o crédito parcelado.

Alimentos desperdiçados

Pesquisa sobre desperdício de alimentos aponta que 61% dos brasileiros descartam, semanalmente, um ou dois alimentos em perfeito estado. Quase metade (49%) dos entrevistados assumiram fazer isso diariamente. O levantamento foi feito a pedido da empresa Unilever em parceria com a ONU (Organização das Nações Unidas).

*****

A pesquisa, feita em escala global, ouviu quatro mil pessoas, sendo dois norte-americanos, mil brasileiros e mil argentinos, com idades entre 18 e 64 anos, no período de agosto a setembro de 2017. Os participantes são responsáveis ou estão envolvidos no processo de decisão de compra e preparo da comida.

*****

Chamado de “cegueira da geladeira”, o hábito de não ver ou ignorar alimentos, é visto como um dos vilões do desperdício. Quem compra e desperdiça assume que o grande problema é a falta de inspiração (81%). Muitos olham para a geladeira, mas não sabem o que cozinhar ou comer (78%).

Publicidade
TAGS:

Antônio Fernando

Blog do Antônio Fernando

Friburguense, jornalista, 65 anos, taurino e vascaíno. Antônio Fernando atuou em diversos veículos de Nova Friburgo e atualmente é redator das colunas Radar e Impressões onde ele deleita o leitor de A VOZ DA SERRA com suas visões peculiares sobre o mundo.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.