Os negócios que cresceram em meio à pandemia

Lucas Barros

Além das Montanhas

Jovem, aspirante à advocacia criminal, Chevalier na Ordem DeMolay e apaixonado por Nova Friburgo. Além das Montanhas vem para mostrar que nossa cidade não está numa redoma e que somos afetados por tudo a nossa volta.

quinta-feira, 23 de setembro de 2021

A pandemia causada pelo coronavírus vem trazendo repercussões não apenas de ordem biológica e médica, mas também carrega consigo a instabilidade política, inflação alta, insegurança financeira e pessimismo ao país.

O Produto Interno Bruto (PIB), ou seja, a soma de todas as riquezas produzidas no Brasil, caiu 4,1% somente no ano passado em relação a 2019, segundo levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). É de conhecimento público que já há alguns anos, uma forte crise econômica assola nosso país, contudo estamos falando de nada mais e nada menos do que o maior tombo na economia desde 1996.

E estes dados possuem impacto direto na sociedade e são refletidos, também, nos números de desempregados do país, que somam aproximadamente 15 milhões de pessoas, espalhadas de norte a sul e leste a oeste e que buscam a subsistência de suas famílias.

Em contrapartida, nota-se que o momento de dificuldade fez com que muitos brasileiros tivessem que se virar por conta própria e se desafogar em meio à crise, fazendo com que houvesse um “boom” de microempreendedores individuais brasileiros contabilizando 2,6 milhões de novos cadastros de CNPJ’s para autônomos, como: cabeleleiros, manicures, donos de pequenos negócios, pintores etc.

 E engana-se quem acredita que o cenário tão castigado por perdas econômicas e diante da necessidade de se reinventar, fosse possível o crescimento e a prosperidade de alguns setores da economia, por meio da reinvenção, novas estratégias e diagnósticos precisos. Dessa forma, listamos alguns desses setores:

  1. Delivery: Bares, restaurantes e lanchonetes permaneceram fechados durante os tempos de maior gravosidade do Covid-19 e foi necessário reiventar-se. Estima-se que houve um aumento de 975%, no ultimo ano, no fluxo nos aplicativos de entrega de alimentos, tanto no número de usuários, como no número do cadastro de novos negócios. Além disso, toda uma gama de empregos foi gerada por esse crescimento, através da contratação de designers para publicidade nas redes sociais, criação e gerenciamento sites, aumento da frota de motoboys, contratrações para funcionamento do serviço de entrega etc.
  2. Mercado Pet: O isolamento social estabeleceu uma relação mais íntima entre os humanos e os pets. A busca por companhia fez com que muitos brasileiros viessem a aumentar sua família com um animalzinho de estimação, fazendo com que o Brasil se tornasse o 3º maior mercado mundial de pets do mundo e representando um faturamento com vendas em torno de R$ 40 bilhões. Além de ser um setor que não teve que fechar por se tratar de um serviço essencial, ganhou também o impulsionamento por meio “gourmetização” do mercado, com a vinda de coleiras e guias coloridas, alimentação saudável, brinquedos diferenciados e itens personalizados.
  3. Educação Remota: A ociosidade das pessoas em casa trouxe a preocupação do aprimoramento pessoal e do aperfeiçoamento profissional nos tempos de isolamento por meio do ensino à distância. Com essa demanda, muitos sites e aplicativos surgiram dando uma alavancagem à um mercado que movimenta cifras milionárias na busca de cursos de gerenciamento de redes sociais, edição de vídeo, design gráfico, pós graduação e marketing digital.
  4. E-commerce: Segundo levantamento da Nielsen/Ebit cerca de 7,5 milhões de brasileiros fizeram compras online pela primeira vez durante os tempos pandêmicos. Os baixos preços, promoções e cashbacks têm sido atrativos, mas sem dúvida, a pandemia foi um fator importante para a consolidação desse mercado que veio para ficar.

Mesmo com o avanço das campanhas de vacinação é difícil saber quando a pandemia irá acabar. Fato é mercado mudou e os empreendedores devem se questionar e buscar aprender um pouco mais com esses setores mais favorecidos na pandemia.

Publicidade
TAGS:

Lucas Barros

Além das Montanhas

Jovem, aspirante à advocacia criminal, Chevalier na Ordem DeMolay e apaixonado por Nova Friburgo. Além das Montanhas vem para mostrar que nossa cidade não está numa redoma e que somos afetados por tudo a nossa volta.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.