Um sorriso de esperança

Em tempos tão difíceis é preciso dar espaço para doses diárias de diversão e entretenimento
sábado, 07 de novembro de 2020
por Ana Borges (ana.borges@avozdaserra.com.br)
(Foto: Reprodução Internet)
(Foto: Reprodução Internet)

Está difícil rir, sorrir, nesse ano de 2020 tão infelicitado. Mas, se existe um remédio eficiente para combater a tristeza, o abatimento, a desesperança, ele se chama diversão, em doses diárias de algum tipo de deleite, entretenimento. É preciso dar espaço, por menor que seja, no nosso dia a dia, para dar boas risadas, e sem culpas, por favor.

A questão é que, à medida que o novo coronavírus se alastrava pelo planeta, emojis felizes foram dando lugar a rostos com máscaras e choros. Aquelas bolinhas amarelas com olhos e boca que sugerem sentimentos e sensações na comunicação digital, ampliaram sua presença nas redes sociais a partir de abril — mas o uso daqueles de expressão positiva foi diminuindo na mesma proporção ao longo da pandemia.

Além da Ong Doutores da Alegria, que atuam junto a crianças hospitalizadas, seus pais e profissionais da área da saúde, o projeto Contagiando Sorrisos deu início em abril a seu trabalho de reverter a imagem negativa das máscaras de proteção contra a Covid-19, que ganharam sorrisos estampados para transmitir uma sensação de alegria. 

Contagiando Sorrisos é um movimento filantrópico que conscientiza para o uso de máscaras com desenhos de sorrisos criados por artistas plásticos, quadrinistas, cartunistas, ilustradores e grafiteiros. Mais de 50 artistas doaram suas artes para o projeto, como Ziraldo, Laerte e muitos outros.

Nossa entrevistada é a pedagoga e gerontóloga Beatriz Rimes, que se dedica a elevar a autoestima dos internos do Lar Abrigo Amor a Jesus, onde incentiva que busquem a felicidade a cada dia de suas vidas. Sempre de bom humor, ela mostra que mesmo com as dificuldades naturais da idade, todos podem e merecem ser felizes e independentes. 

No belo artigo de Alan Andrade — Rostos na luz do entardecer — ele cita frase antológica do fundamental Ariano Suassuna, tão necessário numa horas dessas: “Tenho duas armas para lutar contra o desespero, a tristeza e até a morte: o riso a cavalo e o galope do sonho. É com isso que enfrento essa dura e fascinante tarefa de viver”. 

Aproveite o tema desta edição e tente colocar um sorriso no rosto. Nem que seja através de uma máscara! Bom fim de semana, se cuidem e cuidem dos outros!

LEIA MAIS

Confira a entrevista com o técnico de informática Andelvan Passos, pai de Haniel e de João, sobre como a paternidade mudou a sua vida

Presença sempre ativa e constante do pai nessa relação pode ajudar as crianças a se sentirem seguras

Entre os que comemoram a data, o presente mais escolhido são as roupas, com 44% das respostas, seguido por perfumes, 41%

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra