Problemas decorrentes de obras residenciais preocupam moradores

No Cônego, afundamentos de pistas, buracos e fiação arrancada por caminhões têm sido comuns
quinta-feira, 15 de julho de 2021
por Guilherme Alt (guilherme@avozdaserra.com.br)
A Rua Vital Brazil (Fotos: Guilherme Alt)
A Rua Vital Brazil (Fotos: Guilherme Alt)

Desde que a pandemia começou, em março de 2020, um dos setores que não parou e continuou em pleno vapor foi o da construção civil. A convivência, por mais tempo, nos lares, em isolamento ou home office, expôs a fragilidade de muitos imóveis e acentuou as demandas de pequenas reformas em busca de conforto e até adaptação a essa nova realidade.

Além disso, muitos perceberam a necessidade de mudar-se para apartamentos ou casas maiores. As mudanças ajudaram a aquecer e impulsionar a venda de novos imóveis. Ainda em 2021, a demanda por mão de obra está em alta e dificilmente é encontrada disponível no mercado. Esta realidade pode ser mensurada em números. A construção civil deverá ter, ao final deste ano, o maior crescimento do setor em oito anos. Segundo projeções divulgadas pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic), o Produto Interno Bruto (PIB) do segmento deve avançar 4% no próximo ano, depois de recuar 2,8% em 2020.

Deterioração de ruas residenciais

O que as obras de reforma, ampliação ou construção de residências podem influenciar na infraestrutura de uma rua? Segundo moradores de bairros, como o Cônego, por exemplo, acreditam que este boom das obras pode ser um dos motivos da maior deterioração do pavimento das ruas onde moram ou que costumam passar diariamente, devido a maior circulação de veículos pesados. Para alguns moradores, o aumento das obras resulta em alguns problemas urbanos como afundamento de ruas, abertura de buracos, entre outros, aumentando a demanda de reparos solicitados à prefeitura.

“Há cerca de oito meses um caminhão derrubou toda a fiação de uma rua. Ele era muito alto para passar por aqui. Ao derrubar os fios, o motorista não parou e foi embora, deixando boa parte do local sem luz e internet por várias horas”, disse um morador do Cônego. Em outra rua, no mesmo bairro, a Vital Brasil, os moradores relataram a abertura de diversos buracos ao longo da via. Um problema que vinha crescendo nos últimos anos e piorou com a pandemia.

“Em toda a extensão da rua percebe-se que muitos trechos estão com afundamento ou com buracos recentes. Existem várias casas em obras e até mesmo a construção de condomínios. Veículos pesados passam diariamente por aqui, alguns deles danificam as ruas. Em alguns casos, os funcionários das próprias obras particulares até tentam consertar os estragos e a situação fica por isso mesmo”, disse um morador que preferiu não se identificar.

O morador acredita que, em casos de afundamento ou buracos na pista, uma solução paliativa seria tapar os trechos afetados com concreto. “No final das contas é até pior. A rua está toda remendada. Não há nada de errado em se fazer uma obra e todas elas estão dentro da lei, com a documentação correta. Sei que é necessário que os caminhões trafeguem pela rua e também não vejo mal nisso. O que eu fico chateado é que quando acontece um problema desse tipo, ele não é solucionado e, em alguns casos, fica pior”, lamentou.

“Eu sei que a cidade inteira tem os mesmos problemas que a rua onde moro. Na realidade, é até pior. São verdadeiras crateras. Aqui na Rua Vital Brasil a situação não está caótica, mas não é por isso que a reclamação é menos importante. Esses buracos e afundamentos evoluem para pior. Vão esperar piorar para tomar uma atitude? Melhor consertar enquanto está no começo. É mais fácil, menos trabalhoso e menos custoso”, finaliza o morador.

O que diz a prefeitura 

Segundo a prefeitura, a situação das vias de Nova Friburgo precisa ser monitorada e, na medida do possível, vem atendendo a essas demandas. Com relação à circulação de caminhões, não é possível restringir a circulação dos mesmos, sobretudo considerando que boa parte dessas mesmas vias também são utilizadas pelos caminhões de coleta de lixo, ônibus e outros veículos pesados. 

 

LEIA MAIS

Nova estrutura terá capacidade para 53 mil atendimentos ao ano a trabalhadores do transporte e comunidade

Desta vez é estrutura de madeira localizada na Parada Folly que precisa de reparos

Cerca de R$ 43,2 milhões serão investidos em intervenções no bairro Vila Nova, duramente castigado pela tempestade de 2011

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: obra