Placas iguais em sentidos opostos confundem

Sinalização da via compartilhada não deixa claro se é pedestre ou ciclista que deve circular próximo à grade de proteção
quarta-feira, 19 de agosto de 2020
por Jornal A Voz da Serra
A placa na Rui Barbosa é idêntica à da Costa Silva, no sentido contrário (Fotos: Thiago Lima)
A placa na Rui Barbosa é idêntica à da Costa Silva, no sentido contrário (Fotos: Thiago Lima)

Recentemente, a empresa responsável pela construção da via compartilhada, de uso misto por pedestres e ciclistas nas calçadas às margens do Rio Bengalas, entre o Paissandu e Duas Pedras, iniciou a instalação de placas que sugerem o espaço a ser utilizado por pedestres e ciclistas em toda a extensão.

No entanto, o que deveria orientar, em alguns casos pode confundir. Pelo menos dois exemplos disso podem ser encontrados na avenidas Costa e Silva e Rui Barbosa, próximo ao Sesc e à ponte da Rua Padre Yabar, respectivamente.

De um lado, a placa indica que os ciclistas devem trafegar próximo à grade de proteção. Do outro lado, a ilustração sugere que são os pedestres que deveriam circular por ali.

“Houve um erro. Instalaram as mesmas placas nos sentidos contrários, o que acaba confundindo a todos”, observou um ciclista. Ontem, 18, estavam sendo  instaladas , mais placas na Avenida Euterpe Friburguense, no trecho que está sendo adaptado para se tornar uma ciclovia.

 

LEIA MAIS

Além da apresentação do projeto, dúvidas dos vereadores foram esclarecidas por secretários municipais

Estão sendo feitos serviços de hidráulica para pôr fim aos vazamentos e a substituição das placas de granito

Governo do Estado prevê publicação de edital em janeiro e reinício das obras na unidade em fevereiro

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: obra