Origem e significado do símbolo que representa a enfermagem e seus profissionais

Conheça um pouco da história das enfermeiras Florence Nightingale e da baiana Ana Neri, consideradas precursoras da profissão na Europa e no Brasil
sábado, 08 de maio de 2021
por Jornal A Voz da Serra
Origem e significado do símbolo que representa a enfermagem e seus profissionais

O símbolo que representa o curso de enfermagem possui origens em uma personalidade importante da área e se tornou popular entre enfermeiras e enfermeiros. Em uma resolução do Conselho Federal de Enfermagem de 1999 (Cofen 218/1999), ficou definido que o símbolo da enfermagem seria composto de uma lâmpada a óleo, uma cruz vermelha e uma serpente. Também foi definido que o símbolo que representa o Técnico e Auxiliar de Enfermagem seria composto da lâmpada a óleo e uma seringa. Embora a lâmpada seja um símbolo bastante conhecido entre os profissionais de enfermagem, nem todo mundo conhece o motivo de sua relação com a Saúde. Essa história começa com Florence Nightingale (1820-1910).

A enfermagem moderna

Ela foi enfermeira e reformadora social, considerada a criadora da enfermagem moderna. Britânica e de família tradicional, Florence abdicou de sua posição privilegiada para se dedicar ao tratamento de doentes pobres, indigentes e feridos de guerra.

Sua contribuição mais notável foi durante a Guerra da Crimeia, quando, com uma equipe de 38 enfermeiras voluntárias treinadas por ela, partiu para os Campos de Scutari, no Império Otomano, onde ficou conhecida como a Dama da Lâmpada, pois era constantemente vista em suas rondas noturnas segurando uma lamparina a óleo.

Retornou para a Inglaterra em 1857, e devido o seu prestígio, convenceu a Rainha Vitória a criar uma Comissão Real para cuidar da saúde do exército. Com ajuda de um estatístico e de um membro da Comissão Sanitária, Nightingale constatou que 16 das 18 mil mortes não foram causadas por feridas de batalha, mas por doenças disseminadas pela falta de saneamento.

Em 1859, fundou a Escola de Enfermagem no Hospital Saint Thomas — que ajudou a estabelecer a enfermagem como uma carreira respeitável para as mulheres — e implementou melhorias em hospitais. 

Em 1883, a rainha Vitória concedeu-lhe a Real Cruz Vermelha, condecoração militar concedida por serviços prestados. Antes de morrer, aos 90 anos, foi a primeira mulher a receber a Ordem de Mérito, em 1907.

Ana Néri, do Brasil

A baiana Anna Nery, mais conhecida como Ana Néri (1814-1880) foi pioneira da enfermagem no Brasil. Viúva aos 29 anos e três filhos para criar, sua saga como enfermeira teve início na Guerra do Paraguai (1864-1870), quando seus filhos foram convocados pelo exército. 

A seu pedido, Ana foi incorporada ao 10º Batalhão de Voluntários e prestou serviços ininterruptos nos hospitais militares de Salto, Corrientes, Humaitá e Assunção, bem como nos hospitais da frente de operações, onde viu morrer um de seus filhos e um sobrinho.

Terminada a guerra, regressou ao seu estado natal, onde recebeu inúmeras homenagens, sendo uma delas prestada pelo governo imperial que concedeu-lhe a Medalha Geral de Campanha e a Medalha Humanitária de primeira classe. 

Ana Néri faleceu no Rio de Janeiro aos 65 anos. Em sua memória, a primeira escola oficial brasileira de enfermagem, inaugurada em 1923, no Flamengo, recebeu o seu nome.

Sobre o símbolo da enfermagem

A lâmpada é uma forte referência à Florence Nightingale. No entanto, ela também representa a iluminação do caminho a ser trilhado pelos profissionais. A serpente, assim como em outros cursos da área da saúde, representa a cura e o renascimento. Uma lenda relaciona as serpentes à sabedoria, à capacidade de se regenerar (a troca de pele) e à capacidade de curar (através de seu veneno). Além disso, em algumas culturas, este animal é relacionado à imortalidade e ao ciclo da vida. A Cruz Vermelha indica os primeiros socorros, enquanto a seringa representa o conhecimento técnico e a precisão.

 

LEIA MAIS

A trajetória de Victor Scavarda e Jaqueline Righetti na construção do Scavarda’s, um sonho que se tornou a casa dos amantes de burgers.

Do Bob´s às hamburguerias ditas artesanais e vegetarianas

Famosos da gastrominia – chefs carregados de estrelas Michelin e outros elogios – apontaram quais os seus favoritos

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra