Malhar ou não em tempos de quarentena? Eis a questão...

Atividades físicas podem ser praticadas, mas com prudência e sem aglomeração
terça-feira, 24 de março de 2020
por Vinicius Gastin
Sem academias, locais como a Via Expressa passam a ser mais frequentados: é preciso prudência
Sem academias, locais como a Via Expressa passam a ser mais frequentados: é preciso prudência

 

Seguindo as orientações de combate ao novo Coronavírus (Covid-19), feitas por todas as entidades responsáveis nas esferas federal, estadual ou municipal, os estabelecimentos esportivos e clubes sociais de Nova Friburgo suspenderam as atividades. Complexos, atividades de ginástica, natação e crossfit aderiram às recomendações para evitar o contato entre as pessoas, além do uso coletivo do mesmo aparelho. Aglomerações ajudam na disseminação do vírus e devem ser evitadas, uma vez que já há casos de contaminação comunitária no país.

“A prática de exercícios físicos contribui de forma benéfica para a saúde de uma forma geral. Porém, nesse momento de pandemia, pessoas compartilharem um ambiente fechado, como o de academias, não seria adequado. Então, a recomendação é para que realmente isso não ocorra”, explica Dr. Luiz Felipe Tarrago, médico infectologsita.

O sistema imunológico serve como uma proteção. Ele representa a defesa de nosso corpo contra doenças, vírus e bactérias. Por este motivo, é necessário mantê-lo forte, e a atividade física, uma boa alimentação e a hidratação são os principais responsáveis por este processo. É preciso, no entanto, tomar cuidado com a intensidade e o volume dos exercícios durante períodos como atuais, já que o excesso de esforço pode acabar tendo o efeito contrário e ocasionando um enfraquecimento da imunidade.

As pessoas que costumam seguir uma rotina de exercícios estão procurando alternativas para se manterem em atividade. Profissionais de Educação Física e algumas academias montaram séries específicas e programas para que os alunos se exercitem em casa, aproveitando estruturas simples, à exemplo de colchões, utensílios e objetos que tenham um peso considerável.

Outra alternativa buscada pelos friburguense tem sido as vias da cidade, especialmente a Via Expressa, entre Olaria e Cônego, e as avenidas Comte Bittencourt, Galdino do Valle Filho e Roberto Silveira. O movimento nesses locais é bastante razoável, e se não há contato direito, a circulação e a proximidade com outras pessoas é inevitável.

Ao treinar ao ar livre, por exemplo, o indivíduo traz risco de contaminação, já que pode se encontrar com amigos, encostar em objetos, colocar a mão suja no rosto. Luiz Felipe Tarrago explica que o risco de contágio é menor em ambientes abertos, mas recomenda uma avaliação mais criteriosa e atenção maior aos idosos.

“A prática em ambientes abertos diminui muito o risco de contágio do vírus, mas mesmo assim é preciso evitar a proximidade das pessoas. É o que causa a contaminação, a infecção interpessoal. É uma situação que se deve avaliar com muita cautela e critério para ter as atividades em ambientes abertos. Eu não vejo um risco tão iminente, mas deve se avaliar bem, principalmente no caso dos idosos, que correm risco maior de contaminação.”

Quanto às academias ao ar livre, a recomendação é evitar o uso dos aparelhos. Algumas delas, como a localizada em frente à Igreja Luterana, foram fechadas. O contato de várias pessoas com os equipamentos e a falta de higienização correta e constante podem significar o aumento do risco. Outro local utilizado para a prática de exercícios, as piscinas também requerem atenção especial.

No caso dos praticantes de natação, vale a recomendação de manter uma distância mínima de um metro entre eles e seguir os procedimentos de higiene antes e depois da atividade física. Na água clorada não há disseminação do vírus, mas o uso de piscinas segue as mesmas recomendações para demais atividades físicas.

Especialistas lembram que, no hemisfério Norte, a transmissão do coronavírus começou no inverno, quando as piscinas estão fechadas. Se o indivíduo estiver com febre, dor de garganta, mal-estar, tosse ou espirro, a recomendação é ficar em casa. O mesmo vale para idosos e para quem estiver no grupo de risco (hipertensos, fumantes, asmáticos e quem tem diabetes).

As principais recomendações para se proteger do novo coronavírus incluem bons hábitos de higiene, como sempre manter as mãos limpas (com água e sabão ou álcool em gel de concentração de pelo menos 60%), cobrir a boca ao tossir e espirrar (com a dobra do cotovelo ou lenços descartáveis) e manter distância de dois metros de quem estiver tossindo e espirrando.

Cuidados básicos para a prática esportiva durante a pandemia: 

  • Prefira exercícios ao ar livre, mas sem aglomerações
  • Lave bem as mãos com água e sabão sempre que possível;
  • Evite tocar o rosto, especialmente mucosas, boca, nariz e olhos – mesmo após o uso do álcool gel ou após lavar as mãos;
  • Não compartilhe objetos de uso pessoal como garrafas de água e toalhas de rosto, além de talheres.
  • Mantenha-se hidratado, com uma dieta equilibrada e atividade física regular para fortalecer o sistema de defesas do organismo.
  • Ao tossir ou espirar, cubra sempre com o braço ou com lenço de papel (descarte imediatamente após o uso). É importante não utilizar às mãos, pois terão contato com aparelhos e outras superfícies.

 

LEIA MAIS

Alvo são pessoas acima de 60 anos e profissionais de saúde; doses estão sendo distribuídas aos poucos

Repartições municipais funcionarão em horário limitado, das 9h às 13h, e em sistema de rodízio de servidores, com efetivo reduzido

Paciente está em quarentena domiciliar, sem necessidade de internação, informa Unimed, que tem outros 6 casos suspeitos em ala isolada

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 74 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra