Júlio Santos: um declarado amor pela Vilage no Samba desde a infância

“Antes de desfilar, eu fazia escolinhas de samba de papelão”
sexta-feira, 21 de fevereiro de 2020
por Jornal A Voz da Serra
(Foto: Acervo Pessoal)
(Foto: Acervo Pessoal)

Júlio Santos, de 55 anos,  participa dos desfiles das escolas de samba de Nova Friburgo há 42 anos. Começou na Vilage no Samba em 1976, passou pela Saudade, ficou um tempo na Imperatriz e retornou à sua amada casa, a verde e branco de Duas Pedras, em 2006. O folião começou criando sua própria identidade fazendo trabalhos nos concursos de fantasia, na categoria luxo, onde foi campeão algumas vezes. Desde então, exerceu várias funções na agremiação: tesouraria, diretoria de passistas, mestre-sala e porta-bandeira. 

“No carnaval desse ano tenho ótimas expectativas, como por exemplo nosso bicampeonato, devido ao grande esforço e trabalho da nossa equipe durante o ano. Atualmente sou diretor fiscal, responsável pelos processos de subvenção, Juizado de Menores, Corpo de Bombeiros e prestação de contas. Meu grande amor pela foliã surgiu desde minha infância. Mesmo antes de desfilar fazia escolinhas de samba de papelão. Passava o dia entretido assim. É um amor inexplicável, não tive a quem me espelhar na minha família assim como ainda não tenho sucessor. É algo que está na minha alma”, ressaltou Júlio, emocionado.  

LEIA MAIS

Cerca de 50 mil turistas estiveram na cidade durante os quatro dias de folia

O jovem Kaio Veiga de Souza, de 15 anos, é também um admirador do jornalismo

Roxo e branco alegou que adversária desfilou com um homem na ala das baianas, o que é proibido. Só que o “homem” em questão é uma mulher trans que, inclusive, fez a alteração de gênero no seu registro civil

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 74 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra