Hoje à noite tem bloco Otávio e Carolina na Avenida Alberto Braune

Bonecos gigantes prometem arrastar uma multidão neste primeiro dia de folia
sexta-feira, 21 de fevereiro de 2020
por Jornal A Voz da Serra
(Fotos: Henrique Pinheiro)
(Fotos: Henrique Pinheiro)

O bloco carnavalesco Otávio e Carolina, característico com seus bonecos gigantes promete mais uma vez chamar a atenção e arrastar a multidão no carnaval friburguense com suas tradicionais marchinhas. O bloco do distrito de Amparo vai desfilar logo mais, às 20h, na Avenida Alberto Braune. A agremiação tem mais de 100 anos. O casal de bonecos Otávio e Carolina é pioneiro do carnaval de Amparo que há mais de 20 anos vem sendo continuada pelos primos José Elias Rocha - o Zezim, como é conhecido - e André Luiz da Rocha.

Com o passar dos anos, os bonecos ganharam estruturas diferentes, passando da composição de bambu para a armação de metal, mas mantêm a alegria dos carnavais anteriores. Ao longo da gestão de Zezim e André, novos integrantes foram se juntando ao bloco. Otávio e Carolina ganharam dois filhos: Clarinda e Antenor. Um boi-bumbá e um burrinho também passaram a desfilar no carnaval, e o companheiro mais recente foi um boneco do ilustre Luiz Gonzaga, com óculos de sol, chapéu e sanfona.

Como tudo começou, é difícil dizer, garantem Zezim e André. Histórias dão conta de que na virada do século 19, quando o bloco foi criado, havia um casal muito festeiro que morava na região, cujos nomes serviram de inspiração para os três fundadores: Lico Costa, Sebastião Lamblet e Rufino Schuenck. O que realmente se sabe é que no carnaval de rua naquele período era comum os blocos terem carros ornamentados e bonecos que os representavam. Com Otávio e Carolina não foi diferente.

O casal de bonecos foi pioneiro do carnaval de Amparo. Passando por administrações diferentes após a morte dos seus fundadores, como a de Ibanez Winter e Nilton Teixeirão, no primeiro retorno ao carnaval, os bonecos ganharam novas configurações. Assim que assumiram o bloco eles mandaram refazer os fantoches, que ganharam uma armação feita de bambu.

“O bloco tem mais de 100 anos e foi criado para desfilar em Amparo. Na época, o carnaval aqui era muito animado, mas ainda havia segregação. Além do ‘Otávio e Carolina’, na região ainda havia os blocos ‘da Rosa’, ‘das Flores’ e o ‘Estrela do Oriente’, que eram formados por negros. Após a morte de Lico, Sebastião e Rufino, o bloco acabou. Quem resgatou a história foram o Nilton e o Ibanez, que mandaram fazer os bonecos de taquara. Eram grandes e bem feitos, mas a armação era muito pesada, brincar carnaval carregando os bonecos era um teste de resistência”, conta Zezim.

A brincadeira seguiu sob comando de Betinho Schuenck na década de 70, foi novamente interrompida por alguns anos, até que os primos Zezim e André assumiram o desafio. Na gestão atual, as armações dos bonecos foram feitas de metal, com uma estrutura mais leve, que pesa pouco mais de cinco quilos, contando com o corpo de espuma e as roupas.

E nesses 20 anos, novos integrantes foram se juntando ao bloco. Otávio e Carolina ganharam dois filhos: Clarinda e Antenor. Um boi-bumbá e um burrinho também passaram a desfilar no carnaval, e o companheiro mais recente foi um boneco do ilustre Luiz Gonzaga, com óculos de sol, chapéu e sanfona.

“Desfilamos todos os anos no carnaval friburguense. Já fomos convidados para apresentações do bloco no carnaval de Niterói, onde desfilamos três vezes, e também do Rio, em Jacarepaguá, dois anos seguidos. Os bonecos são um sucesso: eles sambam, pulam e dançam embalados pela banda contratada para tocar marchinhas”, conta André.

Zezim ainda destaca a necessidade de novos nomes do carnaval levar adiante a tradição do Otávio e Carolina: “Todos os anos nos organizamos para apresentar nosso melhor desfile aos foliões, mas a idade já vem chegando, então buscamos pessoas comprometidas com a história do bloco e também do bairro para nos suceder nesse projeto. Não podemos deixar o Otávio e Carolina parar!”, conclamou Zezim.

LEIA MAIS

Cerca de 50 mil turistas estiveram na cidade durante os quatro dias de folia

O jovem Kaio Veiga de Souza, de 15 anos, é também um admirador do jornalismo

Roxo e branco alegou que adversária desfilou com um homem na ala das baianas, o que é proibido. Só que o “homem” em questão é uma mulher trans que, inclusive, fez a alteração de gênero no seu registro civil

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 74 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra