Filme sem pipoca: cinemas da cidade reabrem nesta quinta

Venda de alimentos para consumo nas salas de exibição representa de 35% a 40% do faturamento das salas de exibição
quinta-feira, 10 de junho de 2021
por Thiago Lima (thiago@avozdaserra.com.br)
Cinema no Cadima Shopping (Foto: Carlos Maffort)
Cinema no Cadima Shopping (Foto: Carlos Maffort)

Na última sexta-feira, 4, a Prefeitura de Nova Friburgo publicou o decreto 1.009, que, mais uma vez, atualizou as regras para o funcionamento das atividades econômicas no município em meio à pandemia da Covid-19. A principal novidade foi a permissão para os cinemas funcionarem com 30% da capacidade máxima, porém, sem o consumo de alimentos e bebidas nas salas de exibição. O novo decreto do prefeito Johnny Maycon (Republicanos) entrou em vigor nesta segunda-feira, 7, mas os cinemas dos dois shoppings de Nova Friburgo só reabrem nesta quinta-feira, 10.

De acordo com o sócio-diretor da rede Cineshow, que possui seis salas no município, Ricardo Monnerat Celes, os cinemas estão fechados desde março. A rede possui 25 funcionários atuando em Nova Friburgo e “acumula um prejuízo com a proibição de funcionar de R$ 30 mil a R$ 50 mil por mês”, esclarece Celes. 

Habemus filme... sem pipoca 

“Estamos chegando no nosso limite. Se não reabrirmos agora não haverá cinemas no segundo semestre. Quando ele (o prefeito) libera o cinema, não libera a bomboniére. Assim a engrenagem não roda. Sem bomboniére o cinema não sobrevive”, enfatiza Ricardo Celes. “Bares e restaurantes estão abertos e vendendo comidas e bebidas. Por que o cinema não pode?”, questiona.

“O excelentíssimo prefeito Johnny Maycon nos diz que está seguindo as orientações do comitê da Covid, porém não nos informa o motivo da proibição das vendas na bomboniére tendo em vista que a praça de alimentação dos shoppings, bares e restaurantes o fazem”, relata Ricardo Celes. 

Com relação ao consumo de alimentos dentro das salas, o diretor dos cinemas disse que o funcionamento das bomboniéres é extremamente importante. A venda de pipoca, refrigerante, balas e afins representa de 35% a 40% do faturamento dos cinemas, sendo fundamental para a sustentação. 

Em nota, a prefeitura informou que “foi deliberado pelo Comitê Operativo de Emergência em Saúde (COE), que, neste primeiro momento, com análise de risco, a retomada do funcionamento dos cinemas seria com estes critérios já que a maior ameaça ao público ao permanecer por cerca de três horas dentro de uma sala fechada, é o fato de ter que retirar a máscara para ingestão de alimentos e bebidas. Após a melhora do cenário epidemiológico, ocorrerá o avanço dos serviços.”


O que diz o decreto sobre os cinemas

  • As salas de cinema terão reduzida em 30% sua capacidade de ocupação; com mínimo de intervalo de uma poltrona entre clientes;

  • Os usuários, apoiadores ou funcionários, deverão respeitar o distanciamento de no mínimo, 1,5 metro no ambiente;

  • Adoção de medidas de barreira higiênica com lavagem das mãos e uso de álcool gel 70%, utilização de máscaras de barreira por funcionários, apoiadores e usuários, protocolo de higienização de superfícies com saneantes preconizados pela Anvisa (Agência de Vigilância Sanitária), além de fixação de meios de comunicação visual entre outros para educação sanitária; sendo ainda obrigatória a higienização frequente dos ambientes, mobiliários e afins; realizar com frequência a desinfecção de bebedouros, lixeiras, bancos, cadeiras, mesas e outros equipamentos de uso comum que permaneçam liberados para uso;

  • Fica proibido o consumo de alimentos e bebidas no interior das salas de exibição;

  • Os bebedouros de uso direto e coletivo (acionamento por botão) jato d’água devem ser desativados, sendo recomendados os modelos com funcionamento por torneiras que servem exclusivamente para encherem garrafas ou copos. Estimular o uso individual de garrafas de água;

  • Deve ser proibida a entrada dos integrantes dos grupos de risco definidos pelas autoridades de saúde e sanitárias, os quais estejam na faixa etária a partir dos 60 anos ou com outras comorbidades independentemente da idade sendo recomendado o isolamento social seletivo deste público;

  • Adoção de critérios de rastreabilidade de sintomáticos sejam eles usuários, apoiadores ou funcionários no sentido de permanecerem afastados das atividades presenciais;

  • Garantir uma boa ventilação do ambiente de preferência natural, e se climatizado, garantir a renovação do ar com os sistemas de exaustão e executar a higienização dos equipamentos conforme legislação pertinente;

  • A programação com mais de uma apresentação em salas de exibição deve prever intervalo suficiente entre as sessões para higienização completa do local e ambiente;

  • Horário de funcionamento compreendido entre 10h e 23h, devendo a última sessão começar antes do término do horário de funcionamento do shopping.

 

LEIA MAIS

Segundo novo boletim da prefeitura, taxa média de ocupação nos leitos de UTI para infectados está em 70%

Primeira dose contra Covid será oferecida de segunda a quarta que vem em locais e horários diferenciados, confira

Na próxima segunda já serão imunizadas pessoas de 53 anos sem comorbidades; Friburgo parou na idade de 60

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra