Em decisão polêmica dos juízes, Edson Barboza perde para Ige no UFC

Atleta friburguense dominou a maioria da luta, mas árbitros entenderam de outra forma
terça-feira, 19 de maio de 2020
por Vinicius Gastin
Barboza mostra indignação com o resultado final, ainda no octógono
Barboza mostra indignação com o resultado final, ainda no octógono

Bastou Dan Ige ter o braço erguido para que todo o brilho de uma grande batalha no octógono desse lugar à escuridão dos protestos multiplicados pelas redes sociais. A estreia de Edson Barboza no peso-pena, após 22 lutas na categoria leve, será sempre lembrada por um resultado, no mínimo, contestável. 

Não há motivos para excluir a bravura do havaiano, que de fato não se intimidou e buscou manter a agressividade. Mas a vitória por decisão dividida dos juízes (29-28, 28-29 e 29-28) deixou um gosto amargo para o friburguense, e rendeu inúmeras críticas ao resultado. Até mesmo de Dana White, o chefão do Ultimate.

“Eu marquei a vitória para Barboza. Ele estava bem. Parecia forte para um cara que teve que cortar aquela quantidade de peso”, afirmou na coletiva após o espetáculo.

O combate entre Edson Barboza e Dan Ige aconteceu no último sábado, 15, em Jacksonville (EUA). Como sempre acontece, Nova Friburgo se mobilizou em peso para assistir à luta, e foram muitos os comentários feitos através da internet. Edson Mendes Barboza, pai do atleta friburguense, limitou-se a escrever: “Lamentável tudo isso.” Já Bruna Barboza, esposa do lutador, foi mais contundente em suas críticas: “Ele (Dana White) apenas assistiu o mesmo que todo mundo, exceto os juízes. É tão comovente ver isso acontecer novamente. Duas vezes seguidas. Não se trata apenas de ganhar ou perder, é sonhar, ter dedicação, registro, luta pela família, equipe, amigos e verdadeiros fãs que sempre estão nos apoiando. Quando todos duvidaram que bateria esse peso, ele foi lá, bateu no peito, e falou ‘marca a luta, eu vou bater esse peso’. Eu o vi treinando todos os dias desde dezembro, dentro de casa, no meio da pandemia. Fomos roubados. De novo! Estamos calejados, cansados. Eles dizem ‘não deixe nas mãos dos juízes!’ Como assim? Isso não existe! Capacitem os juízes! Se o cara bateu, deu knockdown, o cara ganhou. Até leigo sabe, quem bate ganha! O que fazer agora? Recorrer? Brigar? Não sei, mas vamos fazer o que sabemos de melhor, cair, levantar, e voltarmos mais fortes! Obrigada a todos pelas mensagens de carinho, força e apoio”, desabafou.

Bruna relembrou a luta anterior Edson, contra Paul Felder, no co-main event do UFC 242, em setembro do ano passado. Na ocasião, a equipe de Barboza cogitou apelar contra a decisão dos juízes, que deram a vitória a Felder por decisão dividida. Apenas um foi favorável ao friburguense, (30-27), enquanto os outros deram o mesmo placar para o ‘Irish Dragon’.

A luta

Diante de um adversário que classificou como “lenda do UFC”, Ige surpreendeu ao tentar tomar a iniciativa, golpeando a cabeça e o tronco de Barboza. Mesmo mais magro para atuar na nova categoria, o friburguense demonstrou força, absorveu os golpes e acertou um cruzado de esquerda que derrubou o havaiano. Barboza foi para cima no chão e ficou na guarda de Ige, mas mesmo assim conseguiu desferir bons golpes. 

Em seguida, os dois se levantaram e o brasileiro acertou seu primeiro chute na perna esquerda do oponente. O havaiano manteve a postura, mas recebeu novo chute, seguido de um cruzado de esquerda. Abalado, conseguiu devolver uma joelhada voadora que acertou a cabeça de Barboza. Ige terminou o round com um corte abaixo do olho direito.

Na segunda parte da luta, o havaiano manteve o ritmo e não abriu mão da trocação franca. Barboza evitou a estratégia do havaiano e buscou atacar à distância, principalmente com a sua especialidade, os chutes e, depois, joelhadas no clinche. Ige buscava as pernas de Edson no contra-golpe, e após uma sequência de diretos, tentou derrubar o friburguense, que defendeu a queda. Dan tentou puxar Barboza para cima de si no chão, mas Edson conseguiu ser agressivo e com bons golpes no chão antes do intervalo.

As estratégias e o ritmo não mudaram no terceiro round, e a luta continuou aberta. Após troca de jabs e muita movimentação, além das tentativas de chutes de ambas as partes, Ige tentou levar Barboza para o chão, sem sucesso. O havaiano encurralou o brasileiro na grade e conseguiu uma bela derrubada. Barboza se defendia no chão, mas não conseguia se livrar da pressão do havaiano. Talvez o momento mais crítico para o friburguense, que havia sido melhor em praticamente todo o restante da luta. No fim, os dois se cumprimentaram ajoelhados no octógono e protagonizaram uma bela cena. A última, antes da polêmica vitória de Ige ser confirmada.

Aos 34 anos, Edson Barboza soma agora 20 vitórias e nove derrotas em sua carreira no MMA profissional. Pelo UFC, onde compete desde novembro de 2010, o lutador acumula 14 triunfos e nove reveses, sendo cinco deles em suas últimas seis lutas. O friburguense amarga, contando com esta última, três derrotas consecutivas.

Antes do combate, em março, Edson Barboza chegou a utilizar as redes sociais para manifestar o desejo de sair da organização. Na época, alegava que não estava sendo utilizado com a frequência que gostaria pela empresa e sugeriu o desligamento. 

A mudança de categoria foi, inclusive, uma maneira de motivá-lo a seguir no Ultimate. “Na categoria até 70 quilos eu tinha lutado com a maioria e, se você parar para ver minhas últimas lutas, sempre com um cara que estava atrás de mim no ranking. Eu estava precisando de uma motivação diferente, uma motivação extra. Conversei com meus amigos, treinadores e eles apoiaram”, disse Edson.

 

LEIA MAIS

Sem novo compromisso marcado, o friburguense, número 1 do ranking da categoria, elege Dominick Cruz como alvo na organização

Atleta de Nova Friburgo não poupou críticas aos elaboradores de rankings do UFC

Apesar de ter dominado duelo, atleta friburguense não teve o braço erguido ao final do combate

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 75 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: UFC