Dia de Combate ao Câncer alerta para prevenção a mais de 200 tipos da doença

Em Friburgo, obras do Hospital de Oncologia paradas há quatro anos continuam sem previsão para retomada
quinta-feira, 26 de novembro de 2020
por Guilherme Alt (guilherme@avozdaserra.com.br)
As obras paradas do Hospital do Câncer (Arquivo AVS/ Henrique Pinheiro)
As obras paradas do Hospital do Câncer (Arquivo AVS/ Henrique Pinheiro)

 

Criado pelo Ministério da Saúde em 1988, o Dia Nacional de Combate ao Câncer, nesta sexta-feira, 27, tem o objetivo de ampliar o conhecimento da população sobre o câncer, principalmente sobre a sua prevenção. Ao todo existem mais de 200 tipos de cânceres; segundo estimativa anual criada pela International Agency for Research on Cancer. Os tipos mais comuns (e mortais) são os cânceres de pulmão, mama, próstata e colorretal, fígado, estômago e de pele, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS).

As causas do câncer são diversas e vão desde fatores genéticos, passando por distúrbios no organismo, até fatores externos, tanto os relacionados ao modo de vida do indivíduo quanto o ambiente onde a pessoa habita ou trabalha. O Instituto Nacional do Câncer identificou os principais fatores que podem aumentar o risco de desenvolvimento da neoplasia, como tabagismo, obesidade, sedentarismo, idade avançada, exposição ao sol e a agentes tóxicos por período prolongado de tempo. 

A entidade publicou também uma série de medidas que podem auxiliar na prevenção de diversos tipos de câncer, como manter uma alimentação saudável, equilibrada, rica em verduras, legumes, frutas, grãos e cereais; evitar o fumo, pois o cigarro é o responsável por diversos tipos de câncer, como de pulmão, boca, laringe, faringe e esôfago. Além do mais, quando o indivíduo fuma, são disseminadas no ar mais de 4.700 substâncias cancerígenas que podem entrar no organismo tanto de fumantes quanto de não-fumantes por meio da respiração. O álcool, principalmente se usado em conjunto com o tabaco, aumenta o risco para o desenvolvimento da doença.

Também é recomendada a prática de exercícios físicos que auxiliam na manutenção do peso corporal, além de fortalecer o corpo e evitar os males do sedentarismo. A atividade física pode ser tanto aeróbica quanto musculação, dança etc. Vale destacar que a obesidade é um fator de risco. Aproximadamente um terço dos casos de câncer pode ser evitado somente com a manutenção do peso corporal, seja por dieta ou exercícios. 

Outra recomendação importante é para as mulheres entre 25 e 54 anos que devem consultar um ginecologista periodicamente e realizar exame preventivo a cada três anos. Meninas na faixa etária entre 9 e 14 anos, e meninos de 11 a 14 anos, devem ser vacinados contra o vírus HPV, conforme a agenda de vacinação do Ministério da Saúde. Para evitar o câncer de pele, deve-se evitar a exposição ao sol entre 10h e 16h.

O tão esperado Hospital do Câncer 

Um sonho que nos últimos anos vem se tornando um pesadelo em Nova Friburgo e região: a retomada das obras do tão desejado e necessário Hospital do Câncer de Nova Friburgo que estão paradas desde o ano passado. O presidente da Associação dos Moradores e Amigos da Ponte da Saudade, José Roberto Pacheco Folly, idealizador de um movimento pró-retomada das obras do hospital, destacou a importância das autoridades estaduais e federais darem andamento ao projeto. Foram centenas de milhares de assinaturas requerendo a retomada das obras de adaptação da unidade oncológica nas instalações do antigo Centro Adventista de Vida Saudável (Cavs), no bairro Ponte da Saudade.

Desde que o Governo do Estado do Rio de Janeiro perdeu a verba federal de cerca de R$ 50 milhões, o então governador Luiz Fernando Pezão assumiu o compromisso de financiar a construção da unidade. O projeto passou por uma série de adaptações para, custando R$ 10 milhões a menos, caber nos cofres estaduais. Os três prédios originais foram reduzidos a dois. Também foi diminuída a quantidade de equipamentos como raios X, tomógrafos e leitos. O projeto prevê, porém, a possibilidade de expansão.

“O Pezão prometeu entregar o hospital, mas não cumpriu. Ele ainda quis mudar o projeto original, diminuindo o número de leitos. Queremos que o atual governo se comprometa com a obra e a coloque como prioridade. Sabemos que o estado está cheio de prioridades, mas esse hospital vai, inclusive, resolver muitos problemas da capital. Quem não é visto não é lembrado. Nós precisamos mostrar ao governador em exercício Cláudio Castro as nossas dificuldades e a nossa luta”, contou José Roberto Folly.

LEIA MAIS

Agora, por decisão do Ministério da Saúde, alvos preferenciais no combate à Covid são 77 milhões de pessoas no Brasil inteiro

Apesar do decreto mais restritivo, Faol alega problemas financeiros para operar com frota total no horário de rush

Reivindicações incluem ampliação de leitos, fiscalização de aglomerações e máscaras, barreiras sanitárias e ampliação do horário do comércio

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 75 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: saúde | obra