Volta a aumentar ocupação de leitos por pacientes com Covid

Friburgo já tem 7 internados, patamar semelhante ao de um mês atrás, e registra uma nova morte pela doença
terça-feira, 26 de abril de 2022
por Adriana Oliveira (aoliveira@avozdaserra.com.br)
O Raul Sertã: dois internados com Covid nesta segunda-feira (Foto: Henrique Pinheiro)
O Raul Sertã: dois internados com Covid nesta segunda-feira (Foto: Henrique Pinheiro)

Voltou a aumentar, para um patamar semelhante ao de um mês atrás, a ocupação dos leitos para Covid-19 nos hospitais de Nova Friburgo. Segundo o boletim divulgado pela prefeitura nesta segunda-feira, 25, as enfermarias têm cinco pacientes e as UTIs, dois, totalizando sete internados. 

Desde 25 de março, quando os internados haviam baixado a oito, a ocupação dos hospitais vinha se mantendo zerada ou bem próximo de zero.

Além disso, pela primeira vez desde 21 de março, foi registradaouma nova morte por Covid na cidade. O total agora, desde o início da pandemia, chega a 929 óbitos. 

O novo óbito, segundo a Secretaria Municipal de Saúde, foi de uma mulher sexagenária com comorbidades. Ela havia tomado duas  doses da vacina contra a Covid-19.

Já o  número total de infectados subiu para 30.758, um aumento de 55 em cinco dias.

Dos internados em enfermarias, dois estão no Hospital Municipal Raul Sertã, outros dois no São Lucas e um na Unimed. Já nas UTIs, há um paciente no São Lucas e outro no Serrano, conforme o boletim desta segunda.

Coincidência ou não, há pouco mais de um mês, entre 11 e 18 de março, a Prefeitura de Nova Friburgo flexibilizou o uso obrigatório de máscaras, primeiramente em lugares abertos e, uma semana depois, também em lugares fechados. A cidade foi a primeira da região a flexibilizar a medida de proteção, pouco mais de uma semana após o feriadão de carnaval sem folia, quando desfiles foram proibidos, mas bares e eventos ficaram cheios. Pelo último decreto, o uso continua valendo, mas apenas como recomendação, em  espaços de saúde, escolas e ônibus.

Histórico

Há um mês, os friburguenses celebravam o esvaziamento total de todos os leitos para Covid, tanto de enfermarias quanto de UTI, em todos os hospitais da cidade.  Era a  segunda vez que isso acontecia desde o início da pandemia e a  primeira vez desde o início do ano. 

Na terça-feira 22 de março, não havia nenhum paciente com sintomas internado. Da primeira vez que isso tinha acontecido, foi no período entre o Natal de 2021 e os primeiros dias de janeiro de 2022, uma época normalmente esvaziada pelas festas de fim e virada de ano.

O total de infectados desde o início da pandemia somava 29.901 pessoas. Ou seja, ao longo do último mês, 857 pessoas contraíram o vírus na cidade - uma média, a grosso modo, de 28 contágios por dia.

No fim de outubro de 2021,  a ocupação dos leitos na rede hospitalar de Friburgo havia baixado  a zero, mas só nas enfermarias. No início de novembro, foram zeradas as internações pela primeira vez na pandemia, mas só na rede pública (Hospital Municipal Raul Sertã). Em 15 de março, Friburgo havia zerado pacientes em todas as UTIs. Uma semana depois, zerou tudo. 

No início de janeiro, o primeiro boletim deste ano mostrou todos os leitos dos hospitais da cidade desocupados, tanto de enfermaria quanto de UTI. Na última semana de 2021 não houve óbitos pela doença, então estacionados em 868,  e o número total de infectados era de 25.884. 

Em meados de janeiro, no entanto, com a chegada da variante Ômicron, a  ocupação de leitos de enfermaria Covid nos hospitais da cidade chegou a dobrar em 24 horas.

 

LEIA MAIS

Secretaria Municipal de Saúde esclarece sobre o diagnóstico e tratamento; dia é neste domingo

Ação que salva vidas vai ajudar a reforçar o estoque do hemocentro regional

Vacinação de 3ª dose para adolescentes também continuará na próxima semana

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 77 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra