Respeitável público, com vocês, os Doutores da Alegria!

A mudança do clima pesado pode vir através do riso, que tem o poder de transformar o ambiente
sábado, 07 de novembro de 2020
por Jornal A Voz da Serra
(Foto: Reprodução Internet)
(Foto: Reprodução Internet)

Para a maioria das pessoas, hospital é lugar de dor e de grandes expectativas, aonde se vai contra a vontade e motivado por problemas diversos. É um local onde o riso e as alegrias ficam do lado de fora, porque normalmente vai ao hospital quem busca alívio para o sofrimento. Mas nem sempre é assim. A mudança do clima pesado pode vir através do riso, que tem o poder de transformar o ambiente.

A iniciativa da ONG Doutores da Alegria em levar o trabalho de artistas profissionais e especializados na arte do palhaço aos hospitais, é pioneira no Brasil. Foi implantado em 1991, pelo ator Wellington Nogueira, inspirado pelo programa que integrou o Clown Care Unit, de Nova York, idealizado por Michael Christensen, cinco anos antes.

Os Doutores da Alegria atuam junto a crianças hospitalizadas, seus pais e profissionais da área da saúde. A essência do trabalho é a utilização da paródia do palhaço que brinca de ser médico no hospital, tendo como referência a alegria e o lado saudável das crianças e colaborando para a transformação do ambiente em que se inserem.

Como seria um hospital se o médico errasse a porta do quarto e entrasse no armário? A “visita” é sempre um grande jogo: o palhaço faz de conta que é médico e a criança dá forma ao espetáculo. 

A intenção não é distrair a criança da realidade na qual ela está inserida, e sim fazer daquele encontro um momento de diversão e cumplicidade. O trabalho em parceria é fundamental tanto entre a dupla de palhaços quanto entre a dupla e a criança. Os familiares e os profissionais de saúde também entram no jogo.

O programa é gratuito para os hospitais e todos os hospitais atendidos são públicos. Ao longo de sua trajetória foram realizadas mais de 1 milhão de visitas, já tendo contemplado mais de 30 mil pessoas: no país inteiro a ONG articula uma rede de iniciativas semelhantes.

A Ong desempenha, por meio de sua escola, um papel referencial na pesquisa da linguagem do palhaço e na formação de jovens, artistas profissionais e interessados – cerca de 180 jovens artistas já se formaram em um programa com duração de três anos. 

Outras atividades artísticas, como peças teatrais e as rodas besteirológicas, são apresentadas ao público em geral. Mantida por doações de pessoas e empresas, a organização é reconhecida em todo o país por seu profissionalismo e atuação inovadora.

Uma missão a ser cumprida

A Ong Doutores da Alegria possui a certificação de utilidade pública nas esferas federal, estadual e municipal. Recebeu o Prêmio Criança da Fundação Abrinq pelos Direitos da Criança, foi incluída três vezes na lista das cem melhores práticas globais da divisão Habitat da Organização das Nações Unidas. 

Foi agraciada também com o Prêmio Cultura e Saúde, concedido em 2010 e em 2009 pelo Programa Cultura Viva, iniciativa conjunta dos Ministérios da Cultura e Saúde. Recentemente, recebeu a certificação do Conselho Nacional de Assistência Social (Cnas).

Falar em Doutores da Alegria também é falar de uma intensa produção artística, que compartilha com a sociedade o resultado dos encontros com as crianças, pais, médicos e funcionários dos hospitais.

Uma produção que vai desde os Blocos Miolo e Miolinho Mole, que agitam as ruas e hospitais do Recife, no carnaval, até espetáculos teatrais referendados pela crítica e que caíram nas graças do público, como Senhor Dodói, Rodas Besteirológicas e Midnight Clowns.

Com mais de 20 anos de existência, a ONG assume o desafio de ampliar sua missão, fomentando novas manifestações artísticas em hospitais para públicos como o de adultos, idosos e funcionários. E também formando novos profissionais e aperfeiçoando a arte do palhaço em hospitais e junto a outros públicos. 

(Fonte: Doutores da Alegria e Revista Pais Atentos, do Colégio Ranieri) 

 

LEIA MAIS

Confira a entrevista com o técnico de informática Andelvan Passos, pai de Haniel e de João, sobre como a paternidade mudou a sua vida

Presença sempre ativa e constante do pai nessa relação pode ajudar as crianças a se sentirem seguras

Entre os que comemoram a data, o presente mais escolhido são as roupas, com 44% das respostas, seguido por perfumes, 41%

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra