Pesquisadores do Rio desenvolvem soro para combater a Covid-19

Técnica utilizada em cavalos criados em Cachoeiras de Macacu tem o mesmo princípio do soro contra picadas de cobra e abelha
terça-feira, 07 de julho de 2020
por Jornal A Voz da Serra
(Fotos: Banco de Imagens/IVB)
(Fotos: Banco de Imagens/IVB)

Um estudo que vem sendo realizado pelo Instituto Vital Brazil, no Rio de Janeiro, pode trazer bons resultados no tratamento da Covid-19. Pesquisadores estão desenvolvendo um soro a partir de amostras de sangue de cavalos, criados na Fazenda Vital Brazil, no município vizinho de Cachoeiras de Macacu. O objetivo é utilizar o soro no tratamento de quem está com o coronavírus, não uma vacina. A estimativa, no entanto, é que o soro esteja disponível nos primeiros meses de 2021.

A ideia é que os animais forneçam os anticorpos para o tratamento da doença. A técnica tem o mesmo princípio do soro usado contra as picadas de cobra e de abelha. Os pesquisadores irão usar o plasma do cavalo, que é a parte líquida do sangue do animal, para estimular a produção de anticorpos capazes de combater o coronavírus em humanos. Isso aconteceria de duas formas:

Uma delas utiliza a proteína que o coronavírus se prende à célula humana e a injeta no cavalo. A ideia é que o animal produza anticorpos capazes de impedir que o vírus consiga infectar essa célula. A outra utiliza o vírus inteiro, mas inativado. Assim, o cavalo produz anticorpos que permitem que o organismo humano destrua esse vírus. 

A expectativa é de que em até seis semanas os animais possam estar produzindo os anticorpos para a fabricação do soro. De acordo com o professor do Instituto de Bioquímica Médica da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Jeferson Lima da Silva, o animal não sofre com o procedimento, pois ao entrar em contato com essa partícula estranha, ele não adoece, mas o sistema imunológico dele desenvolve anticorpos capazes de neutralizar o vírus.

A estratégia não é nova, pois já é utilizada pelo Instituto Vital Brazil há pelo menos um século. Com a ajuda dos cavalos, os pesquisadores já desenvolveram vacinas e soros contra picada de cobra, aranha, escorpião e até de abelha.

O instituto e a fazenda Vital Brazil

O Instituto Vital Brazil é um dos laboratórios oficiais existentes no Brasil. Atende a todo o setor público, com a produção de soros e medicamentos de uso humano. Realiza estudos e pesquisas no campo farmacêutico, biológico, econômico e social. Serviços que vão dos diagnósticos laboratoriais e epidemiológicos a programas de controle de doenças que ameacem a saúde pública do Estado do Rio de Janeiro. 

Desde 2001, o Instituto Vital Brazil é o único a produzir soro contra picadas da aranha viúva negra (antilatrodéctico), cujo veneno é muito tóxico e que pode levar à morte. A demanda é nacional. Legalmente, se trata de uma sociedade por ações, de economia mista, dotada de personalidade jurídica de direito privado, constituída com base na lei estadual 2.284 de 10 de julho de 1956. É um órgão da administração indireta do Estado do Rio de Janeiro vinculado à Secretaria de Estado de Saúde com objetivos, definidos na lei estadual 942, de 1985.

Já a Fazenda Vital Brazil, fica em Cachoeiras de Macacu e foi inaugurada no dia 28 de abril de 2010. Com 17 alqueires, o espaço foi comprado com o objetivo de ser um lugar para a criação dos equinos utilizados no processo da produção de imunoglobulinas e soros hiperimunes. A fazenda fica a aproximadamente 76 quilômetros da sede do instituto, na rodovia RJ-122 (Cachoeiras de Macacu-Guapimirim).

As particularidades das atividades da Fazenda Vital Brazil estabelecem necessidades específicas de funções e fluxos para elaboração do planejamento de seus ambientes e edificações. Além de oferecer as condições ambientais da preservação de reservas naturais da Mata Atlântica existente, conforme estabelecido pela legislação ambiental rural do Brasil, foi necessário adequar as suas áreas produtivas ao atendimento principal de criação dos equinos que servem à etapa de produção de plasmas hiperimunes, como insumo farmacêutico ativo (IFA) para a produção de soros.

Produção de Plasma Hiperimune

 O Instituto Vital Brazil construiu na Fazenda Vital Brazil a Central de Produção de Plasmas Hiperimunes, que é uma das mais modernas do país. O local tem área classificada para manter a qualidade do ar interno. A pressão interna é controlada de maneira que o ar sujo não entra no ambiente, o que é importantíssimo para a questão de limpeza e assepsia do local, já que neste laboratório é feita a separação do plasma das hemácias do sangue do cavalo, além do armazenamento do plasma até envio ao Instituto Vital Brazil.

 

 

  • Central de Plasma da Fazenda Vital Brasil

    Central de Plasma da Fazenda Vital Brasil

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 75 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra