A história do Carnaval através dos tempos

Tradicional festa popular tem origem na Antiguidade
sábado, 22 de fevereiro de 2020
por Jornal A Voz da Serra
A história do Carnaval através dos tempos

A tradicional festa popular é realizada em diversas partes do mundo, mas em nenhum lugar é tão bela e grandiosa como no Brasil. A palavra carnaval vem do latim carnis levale, que significa “retirar a carne”. Alguns estudiosos entendem o carnaval como uma festa cristã, pois sua origem, na forma como a entendemos, tem relação direta com o jejum da Quaresma. Isso não impede que sejam traçadas as origens históricas que nos mostram a influência que sofreu de outras festas que existiam na Antiguidade.

Na Babilônia, é possíverl que duas festas tenham dado origem ao que hoje conhecemos como carnaval: as Sacéias eram uma celebração em que um prisioneiro assumia, por alguns dias, a figura do rei, vestindo-se e alimentando-se como ele e dormindo com suas esposas. Ao final, o prisioneiro era chicoteado e depois enforcado ou empalado.

Subversão dos papéis

Outro rito era realizado pelo rei no período próximo ao equinócio da primavera, um momento de comemoração do ano novo na Mesopotâmia. O ritual ocorria no templo de Marduk (um dos primeiros deuses mesopotâmicos), onde o rei perdia seus emblemas de poder e era surrado. Essa humilhação servia para demonstrar a submissão do rei à divindade. Em seguida, ele reassumia o trono.

A associação entre o carnaval e as orgias pode estar ainda relacionada às festas de origem greco-romana, como os bacanais. Seriam dedicados ao deus do vinho, Baco (ou Dionísio, para os gregos), marcados pela embriaguez e pela entrega aos prazeres da carne.

Havia ainda, em Roma, a Saturnália e a Lupercália: a primeira ocorria no solstício de inverno, em dezembro, e a segunda, em fevereiro, que seria o mês das divindades infernais, mas também das purificações. Tais festas duravam dias, com comidas, bebidas e danças, e os papéis sociais também eram invertidos temporariamente, com os escravos no lugar de seus senhores, e estes no papel de escravos.

Cristianismo e Carnaval

Com o fortalecimento de seu poder, a Igreja não via estas celebrações com bons olhos. Na concepção do cristianismo, havia a crítica da inversão das posições sociais, pois, para a Igreja, ao inverter os papéis de cada um na sociedade, invertia-se também a relação entre Deus e o demônio.

A Igreja, então, procurou ressignificá-las. Durante a Alta Idade Média, foi criada a Quaresma — período de 40 dias antes da Páscoa caracterizado pelo jejum. Tempos depois, as festividades foram concentradas nesse período e nomeadas carnis levale. Dessa forma, a Igreja mantia uma data para as pessoas cometerem seus excessos.

Durante os carnavais medievais, por volta do século 11, no período fértil para a agricultura, homens jovens que se fantasiavam de mulheres saíam às ruas e aos campos durante algumas noites. Diziam-se habitantes da fronteira do mundo dos vivos e dos mortos e invadiam os domicílios, com a aceitação de seus habitantes, fartando-se com comidas e bebidas, e com os beijos das jovens das casas.

Durante o Renascimento, surgiu a commedia dell'arte, teatros improvisados cuja popularidade ocorreu até o século 18. Em Florença, canções foram criadas para acompanhar os desfiles, com carros decorados. Em Roma e Veneza, os participantes usavam uma capa com capuz negro que encobria ombros e cabeça, além de chapéus de três pontas e máscaras brancas.

No Brasil

A história do carnaval no Brasil iniciou-se no período colonial. Uma das primeiras manifestações foi o entrudo, uma brincadeira de origem portuguesa praticada pelos escravos. Nela, as pessoas saíam às ruas jogando lama, urina etc, umas nas outras. O entrudo foi proibido em 1841, mas continuou até meados do século 20.

Depois surgiram os cordões e ranchos, as festas de salão, os corsos, e as escolas de samba. Afoxés, frevos e maracatus também passaram a fazer parte da tradição cultural carnavalesca brasileira. E assim, marchinhas, sambas e outros gêneros musicais foram incorporados à maior manifestação cultural do Brasil. 

(Fonte: SILVA, Daniel Neves. "História do Carnaval"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/carnaval/historia-do-carnaval.htm) 

 

LEIA MAIS

Capital aguarda evolução da nova variante; Bom Jardim já cancelou a festa

Mesmo Alunos do Samba, que sofreu com incêndio, deverá participar

"Perdemos mais de 14 alas ensacadas, carro alegórico, material de acabamento e decoração", contabiliza a direção da escola

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra