Friburgo entra em bandeira verde após quase 2 meses em amarela

Estágio é o mais brando de restrições nas medidas de enfrentamento ao coronavírus, indicando “risco muito baixo” de contágio
sexta-feira, 16 de outubro de 2020
por Fernando Moreira (fernando@avozdaserra.com.br)
Friburgo entra em bandeira verde após quase 2 meses em amarela

Após quase oito semanas – ou exatamente 53 dias –, a Prefeitura de Nova Friburgo anunciou no fim da tarde desta sexta-feira, 16, que a cidade entrará, pela primeira vez em sete meses de pandemia, em bandeira verde a partir da próxima segunda-feira, 19, até pelo menos 1º de novembro. Esse é o estágio mais brando de restrições nas medidas de enfrentamento ao novo coronavírus impostas pelo Governo Municipal. Segundo a prefeitura, a bandeira verde indica “risco muito baixo” de contágio pelo coronavírus.

Vale lembrar que a métrica reguladora que serve como base para aferir a bandeira que será adotada é composta por quatro indicadores: taxa de ocupação média dos leitos de CTI/UTI e dos leitos de enfermaria especificamente para o tratamento de casos suspeitos ou confirmados de Covid-19 no período de 14 dias; a taxa de letalidade do município de Nova Friburgo; e variação do número dos novos casos positivos a cada 14 dias.

Cabe ressaltar também que o anúncio da bandeira é feito às sextas-feiras, mas a vigência da mesma se dá apenas na segunda-feira seguinte. Portanto, até este domingo, 18, segue valendo na cidade a bandeira amarela. Somente na segunda-feira passará a valer a bandeira verde.

O ato oficial que divulgou a entrada em bandeira verde a partir da próxima segunda-feira, também informa que a métrica utilizada tomou como base o decreto 714, de 30 de setembro de 2020. Portanto, caso a prefeitura não altere novamente as medidas de flexibilização da retomada gradual e segura das atividades, os diversos segmentos da economia friburguense poderão funcionar de acordo com o que rege o decreto 714.

Conforme determina o decreto 714, do último dia 30 de setembro, casas de festas com música foram liberadas, sem pista de dança e para um número limitado de pessoas. Porém, quanto aos artistas que trabalham com apresentações de voz e violão, a prefeitura ainda aguarda o posicionamento oficial da Vigilância Sanitária e do Comitê Operacional de Emergência (COE), formado por integrantes da Saúde. Ambos os órgãos estão analisando o protocolo a ser seguido, justamente pelos riscos implicados nas atividades. Afinal, a bandeira é verde, mas não se pode descuidar, sob nenhuma hipótese, da prevenção à Covid-19. Portanto, seguem valendo as regras de flexibilização deste decreto em questão, caso nenhuma nova publicação neste fim de semana altere esse regramento.

ATUALIZAÇÃO: O retorno das atividades artísticas de músicos foi autorizado na noite de segunda, 19. LEIA AQUI.

O que pode funcionar em bandeira VERDE:

Indústrias e confecções

Poderão funcionar com a capacidade plena de mão de obra.

No entanto, o funcionamento obedecerá, obrigatoriamente, os critérios de distanciamento entre usuários e funcionários, medidas de barreira higiênica como lavagem das mãos e álcool gel 70°, utilização de máscaras de barreira por funcionários e usuários, protocolo de higienização de superfícies com saneantes preconizados pela Anvisa, além de fixação de meios de comunicação visual entre outros para educação sanitária.

Comércio e prestadores de serviço

Poderão funcionar em sua plenitude, observando o regramento sanitário.

Comércio varejista e de gêneros alimentícios

Poderão funcionar em sua plenitude, observando o regramento sanitário.

Shopping centers

Poderão funcionar em sua plenitude, observando o regramento sanitário.

Bares, restaurantes e lanchonetes

Poderão funcionar em sua plenitude, observando o regramento sanitário.

Hotéis e pousadas

Poderão funcionar em sua plenitude, observando o regramento sanitário.

Visitações turísticas e/ou culturais

Poderão funcionar em sua plenitude, observando o regramento sanitário.

Auto-escolas

Poderão funcionar com capacidade reduzida a 50% e os alunos só poderão assistir a uma aula teórica por dia. Também é necessária a higienização dos veículos de instrução no início e ao final de cada aula prática.

Cursos livres

Poderão funcionar, exceto na bandeira roxa, com capacidade reduzida em 50%. A faixa etária dos alunos deverá ser a partir dos 18 anos, primando pelo isolamento social do público infanto-juvenil, por ser esta faixa etária possível vetor assintomático aos grupos de risco.

Instituições religiosas

Poderão funcionar respeitando uma série de normas sanitárias, como uso de máscara facial para ingresso e permanência.

Os membros das instituições religiosas pertencentes ao grupo de risco definido pelas autoridades de saúde e sanitárias, deverão permanecer afastados das atividades presenciais, religiosas e litúrgicas. 

Academias

Poderão funcionar em sua plenitude, observando o regramento sanitário.

Clubes sociais e recreativos

Poderão funcionar das 6h à meia-noite, respeitando uma série de regramentos: parques aquáticos, piscinas, saunas e salões de jogos poderão funcionar com 100% de sua capacidade.

As atividades esportivas coletivas e de contato permanecem suspensas em caráter excepcional. Também seguem suspensas as atividades de desporto coletivo e individual de contato, exceto aos clubes esportivos participantes de campeonatos e/ou competições oficiais já retomadas ou iniciadas por suas respetivas federações, porém, respeitando os protocolos sanitários vigentes.

Casas de festas e salões sociais

Podem funcionar entre 7h e 0h. Os estabelecimentos terão sua capacidade reduzida em 50%, limitando-se a lotação máxima de 120 pessoas. Além disso, todos devem respeitar o distanciamento social com espaçamento entre mesas de pelo menos dois metros, além do uso de máscara. Por outro lado, segue suspensa a sonorização das festas com música ao vivo, bem como a prática de dança se houver. Festas infantis poderão ser feitas exclusivamente ao ar livre, em espaços abertos e ventilados.

Lives

Podem ser realizadas as chamadas “lives” (transmissões ao vivo). O estabelecimento terá sua capacidade de ocupação reduzida em 50%, limitando-se a, no máximo, 50 pessoas, sem presença de público nas apresentações. Nesses casos, a utilização de instrumentos musicais de sopro poderá ser feita exclusivamente ao ar livre, em espaços abertos e ventilados. A programação com mais de uma apresentação deve prever intervalo suficiente entre as sessões para higienização completa do local e ambiente.

Salas de cinema

Podem funcionar entre 10h e 22h, desde que seja reduzida em até 50% sua capacidade de ocupação, com mínimo de intervalo de uma poltrona entre cada cliente, respeitando o distanciamento social. Porém, segue suspensa a venda e o consumo de alimentos nas salas de exibição.

Pertencentes aos grupos de risco, ou pessoas a partir dos 60 anos ou com outras comorbidades (independentemente da idade), bem como os menores de 18 anos, deverão permanecer afastados dessas atividades. A programação com mais de uma apresentação em salas de exibição deve prever intervalo suficiente entre as sessões para higienização completa do local e ambiente.

Seguem suspensas

Mantém-se suspensas as atividades relacionadas a eventos com aglomeração de público, inclusive os desportivos, boates, teatros, casas de shows e afins, parquinhos infantis, inclusive no interior de condomínios e clubes sociais e recreativos, estádios, campos, arenas, ginásios e afins.

Também fica mantida a obrigatoriedade do uso de máscaras faciais, sejam elas artesanais ou não, em todo o território do município, exceto crianças menores de dois anos e pessoas incapacitadas ou incapazes de remover a máscara sem assistência.

 

LEIA MAIS

Campanha pretende sensibilizar a população para buscar o diagnóstico precoce e a importância de acompanhar os portadores do HIV

Hospitais da cidade registram 70% de ocupação dos leitos de enfermaria exclusivos para a doença e os de UTI, 50%

Novo decreto da prefeitura modifica métrica reguladora: taxa média de ocupação dos leitos agora será aferida semanalmente

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 75 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra