Estado anuncia medidas de enfrentamento ao feminicídio

Criação de aplicativo para apoiar mulheres vítimas de violência e de núcleos nas delegacias estão entre as ações
sexta-feira, 29 de julho de 2022
por Jornal A Voz da Serra
A tenente-coronel Cláudia Moraes, coordenadora da Patrulha Maria da Penha, destacou a necessidade de acolhimento das mulheres vítimas de violência durante a coletiva de apresentação das medidas
A tenente-coronel Cláudia Moraes, coordenadora da Patrulha Maria da Penha, destacou a necessidade de acolhimento das mulheres vítimas de violência durante a coletiva de apresentação das medidas

O Governo do Estado do Rio de Janeiro anunciou na última quinta-feira, 28, a criação de dez medidas de enfrentamento ao feminicídio. As ações foram definidas em reunião do governador Cláudio Castro com os secretários estaduais das polícias Civil e Militar, Defesa Civil, Administração Penitenciária, Assistência à Vítima e com as titulares das delegacias especiais de Atendimento à Mulher.

Uma das medidas é a criação de um aplicativo, que está sendo desenvolvido pela PM, de apoio à mulher vítima de violência, com rede de apoio, botão de pânico e registro de ocorrência online. Numa ação integrada com a Secretaria de Administração Penitenciária, a PM será acionada, por intermédio do telefone de emergência 190, por mulheres com medida protetiva e cujos autores da violência estejam usando tornozeleira eletrônica.

A Polícia Civil está criando núcleos de feminicídio nas delegacias de homicídio, em parceria com o Tribunal de Justiça, com equipes dedicadas a esse tipo de crime. Também estão sendo criados na Delegacia de Descoberta de Paradeiro núcleos de meninas e mulheres desaparecidas em decorrência de violência doméstica. Além disso, as delegacias do interior do estado passarão a contar com núcleos integrados de atendimento à mulher.

“É fundamental que todos estejam atentos e que essas mulheres não sejam julgadas, e sim, acolhidas”, destacou a tenente-coronel Cláudia Moraes, coordenadora estadual da Patrulha Maria da Penha, que já atendeu 43 mil mulheres com medida protetiva. Os agentes do programa iniciaram a capacitação dos policiais militares de todos os batalhões para que saibam a melhor forma de prestar o primeiro atendimento a uma mulher vítima de violência.

“É importante que seja feito o registro de ocorrência quando a violência doméstica ocorre. Dos 55 casos de feminicídio que foram registrados neste semestre, apenas 18% das mulheres tinham registros contra seu agressor. Na maioria das vezes, o registro impede que o feminicídio aconteça, já que uma das características desse crime é a escalada da violência”, explicou a delegada Gabriela Von Beauvais, diretora-geral do Departamento de Proteção e Atendimento à Mulher. A Polícia Civil também vai iniciar a capacitação de agentes de todas as delegacias para atendimento das mulheres vítimas da violência.

Outra medida anunciada foi a criação de um Centro de Atendimento à Mulher no Corpo de Bombeiros. Nesse local será realizado um trabalho de prevenção interno e recebimento de denúncias de violência doméstica e assédio sexual. As polícias Civil e Militar participarão da Operação Nacional de Combate à Violência contra a Mulher, que será realizada de 29 de agosto a 30 de setembro. Na reunião com o governador Cláudio Castro também ficou definida a criação de um Grupo de Trabalho com todas as secretarias envolvidas.

 

 

LEIA MAIS

De janeiro a junho deste ano, delito foi o que mais cresceu na cidade em relação ao mesmo período de 2021, segundo o ISP

Entrevistados moram nas capitais do país e têm entre 13 e 15 anos

Homem que se identifica como fiscal sanitário pede valores indevidos a comerciantes

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 77 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: crime