Esporte Clube Saudade, o Leão Suburbano, celebra 90 anos

Agremiação contempla não só o esporte friburguense, nascendo da comunidade e se incorporando à vida da cidade, como também sustenta uma veia no samba
sexta-feira, 13 de agosto de 2021
por Vinicius Gastin*
Foto do primeiro time de futebol do Esporte Clube Saudade: na ocasião, vitória por 5 a 1 contra o Vargem Grande
Foto do primeiro time de futebol do Esporte Clube Saudade: na ocasião, vitória por 5 a 1 contra o Vargem Grande

A história do esporte de Nova Friburgo não pode ser contada sem relembrar personagens, momentos e instituições que, no decorrer de décadas, produziram – e ainda produzem – capítulos importantes a serem exaltados. A importância dos clubes sociais e de futebol, neste contexto, é indiscutível, e se uns preservam a sua tradição após fusões e transformações, outros mantém praticamente a plenitude de outrora. É o caso do Esporte Clube Saudade, que no último dia 9 completou 90 anos de fundação.

Conhecido como “Leão Suburbano”, o clube contempla não só o esporte friburguense, nascendo da comunidade e se incorporando à vida da cidade, como também sustenta uma veia no samba. A história teve início em 1931, ocasião em que o Esporte Clube Saudade surgiu com o projeto do campo, a partir do terreno cedido graciosamente por Esther dos Santos Dias, que também presidiu a agremiação, quando ainda era localizada na Ponte da Saudade.

O nome original do E.C. Saudade era “Sport Club”, e as cores inicialmente eram o verde e o branco. Posteriormente, por sugestão e liderança de Euclides Nunes, o Titinho, passou a adotar o atual roxo e branco, reconhecido como Leão Suburbano.

A primeira sede própria foi localizada à Rua Zamernhof, no Bairro Ypu, em um terreno adquirido na gestão do presidente Luiz Marins, com apoio de diversos saudatinos e comerciantes locais. O campo foi batizado como estádio Napoleão Barbosa, construído na gestão do presidente Geraldo Pinheiro, auxiliado por torcedores e abnegados que se reuniram para obter recursos financeiros. A obra foi iniciada nas gestões presidenciais de Sebastião Pacheco e Célio Medeiros Lopes, e ampliadas  pelo presidente Geraldo Vieira Ferro.

A administração de Geraldo deu início a construção da sede social com a ajuda de seus associados, atletas e até mesmo de seus sucessores. O atual espaço conta com área de lazer composta por sauna, salão de jogos, churrasqueira, bar e salão de festas, localizada na Vila Guarani. Assim como o seu campo de futebol, a sede foi construída e é mantida com a ajuda de associados e seguidores.

O clube foi um dos grandes destaques dos campeonatos da segunda divisão da Liga Friburguense de Desportos. Dentre tantas conquistas, ostenta o tricampeonato dos anos de 1943, 1944 e 1945. O primeiro jogo da história do Saudade foi realizado no dia 6 de setembro de 1931, já na gestão de Astrogedes Pereira Ferro, o Moreninho, após fundação oficial. Na ocasião, o Leão Suburbano enfrentou o Estrela Futebol Clube, e venceu pelo placar de 5 a 1.

A equipe foi formada por José Pires, Jaime Corrêa, Odir Abraão, Comélio Franco, Manuelino Espanhol, Colentino Klein, Neca, Salvador Stefânio, Francisco Motta, Juvenal Soares e Eugênio Thurler. “A vitória foi comemorada com grande festa e alegria e serviu de estímulo para seus diretores prosseguirem em busca de novas conquistas”, apontam os relatos históricos.

A primeira diretoria foi formada pelo presidente Mário da Silva Bastos; secretário Augusto Pena Leite; tesoureiro José Moreira Filho e o diretor de esporte, Feliciano Moreira. Na história do Esporte Clube Saudade, além dos fundadores, presidentes beneméritos e atletas, outros personagens marcaram e engrandeceram a rica história da agremiação.

Dentre as figuras representativas estão Ademar Rodrigues da Silva, Athayde Rodrigues da Silva, Paulo Rodrigues da Silva, Pedro José Veloso, Moacir de Jesus, Cândido Pimentel Figueiró, Tude Pimentel Figueiró, Genaro Nicoliello, Luiz Gonzaga Nicoliello, José Nicoliello, Eucir Lima da Silva, José Cinizio da Silva, Silvio Moreira, Filadelfo Zebendo, Antônio Mariano do Carmo, Joaquim Pinheiro, José Ítalo Pedretti, Manoel Teixeira Calvão, Pedro Faustino, Walter Charles, Grimaldi Moraes, Hermes Simão, Domingos Siqueira Neto (Mingo), Álvaro da Silva (Chimbica) e Salvador.

Cabem ainda as homenagens especiais aos presidentes Enézio Coelho da Silva e Flávio Coelho Gomes. Em agosto de 2002, um novo acontecimento marcante: foi inaugurada a Galeria de Presidentes, na sede social do clube, em consequência dos esforços de Edson Roberto Tavares, Flávio Coelho Gomes, Enézio Coelho da Silva e Lindenberg Soares de Melo.

*Pesquisa de texto / Colaboração: Edson Roberto Tavares.

 

LEIA MAIS

Trabalho com jovens vem rendendo bons frutos ao Friburguense nos últimos anos

Já Serrano, de Petrópolis, decide título do primeiro turno da Série B1

São Luiz e Unidos do Alto se enfrentam às 11h e São Pedro e Nilo Martins, às 13h

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: futebol