Em busca de um futuro, casarão está à venda: FGV quer R$ 15 milhões

sexta-feira, 18 de dezembro de 2020
por Jornal A Voz da Serra
Fotos: Henrique Pinheiro
Fotos: Henrique Pinheiro

Em abril de 2017, em seu primeiro ano como prefeito, Renato Bravo, acompanhado de parte de seu secretariado e uma comissão da Associação dos Ex-Alunos, Professores e Funcionários visitaram as instalações do extinto Colégio Nova Friburgo, no bairro Vila Nova, numa das mais recentes tentativas de pensar novos usos para aquele espaço - o que encheu os ex-alunos de esperança na sua revitalização.

Além de conhecer toda a estrutura, em desuso desde 2011, a inspeção se deu também para que fossem avaliadas as condições para execução de futura os projetos no local. Na ocasião, Bravo informou que “a prefeitura tem todo o interesse de participar e desenvolver ações nesse espaço. Acredito que aqui deve ser um lugar voltado à população”. 

Durante a visitação, algumas ideias foram compartilhadas pelos presentes. Dentre elas estavam a formação de um centro de treinamento esportivo e uma escola para treinamento, qualificação e gestão de servidores. De acordo com o prefeito, o próximo passo seria estudar as alternativas viáveis de utilização do local e buscar a parceria da Fundação Getúlio Vargas para que os projetos possam acontecer. 

“Vamos nos reunir com um grupo de trabalho, que envolve as secretarias presentes e membros da associação juntamente com um representante da Fundação, para que possamos entender se há possibilidade de executar projetos aqui. Temos muitas ideias, mas precisamos definir quais delas são viáveis. A FGV tem o facilitador das parcerias e precisamos dela junto a nós para que as propostas aconteçam”.

Além do suntuoso prédio principal — que conta com dezenas de cômodos nos quais funcionam refeitório, biblioteca, laboratório, dormitórios, salas de aula e um grande teatro com capacidade para quase mil pessoas — o complexo ainda possui um amplo prédio anexo e um ginásio com quadra poliesportiva e piscina olímpica. 

Construído para ser um grande cassino, o espaço se transformou nas instalações do prestigiado Colégio Nova Friburgo, um internato e semi-internato responsável por abrigar jovens oriundos de várias partes do Brasil, ao longo de quase três décadas.

Sob a responsabilidade da Fundação Getúlio Vargas, anos depois do fim do CNF, o complexo foi alocado pelo Instituto Politécnico do Rio de Janeiro da Uerj. Com a tragédia climática de 2011, a universidade se viu obrigada a encerrar as atividades no local e ocupar parte das dependências desocupadas da Fábrica de Filó, no bairro Lagoinha.

Casarão à venda

Em 6 de dezembro de 2018, a VOZ DA SERRA publicou matéria sobre o anúncio da venda do casarão do antigo Colégio Nova Friburgo, pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), deixando ex-alunos e ex-funcionários preocupados com o destino do imponente conjunto em estilo neoclássico. A Fundação colocou o imóvel à venda pela primeira vez e contava receber propostas até o início de julho do ano seguinte.

“Ficamos preocupados, porque nosso propósito é fazer renascer o colégio”, disse o então engenheiro e presidente da Associação de Ex-Alunos, Professores e Servidores do Colégio Nova Friburgo, Fernão Gondin da Fonseca. “Temos vários projetos e gostaríamos que o local fosse usado por alguma instituição de ensino que fizesse o bom aproveitamento daquela área. Será vendido para quem?”, preocupou-se ele.

No anúncio publicado no mesmo dia em A VOZ DA SERRA, e também disponível na página fgv.br/novafriburgo, a FGV tornou público o interesse na venda do terreno, que tem 1.619.208,52 metros quadrados, sendo 17.093 metros de área construída, por um valor de venda estimada por especialistas em R$ 15 milhões.

O CNF foi referência de ensino no país em seus 27 anos de existência. Anos depois do fim da instituição, o complexo foi cedido ao Instituto Politécnico do Rio de Janeiro (IPRJ), da Uerj, até 2011, quando a tempestade de janeiro destruiu o acesso ao local e afetou a estrutura dos prédios.

Deterioração, e mato em volta

Com a via principal bloqueada por um deslizamento de encosta, a Rua Gabriel Rastrelli que, segundo Fernão Fonseca, começou a ser aberta em 1958/59, teve que ser concluída para dar novo acesso ao casarão. A Uerj mudou-se para as instalações da Fábrica Filó, em 2012, deixando o imóvel da antiga Fundação, como ainda é conhecido. 

“O deslizamento foi causado por um desleixo da Uerj, que não fez canaletas para escoamento das águas das chuvas e asfaltou a rua, prejudicando a permeabilidade da via”, criticou o engenheiro e ex-aluno.

A Uerj e a Fundação travaram durante anos uma batalha judicial em torno das responsabilidades pela manutenção do espaço. Nesta data, a equipe de A VOZ DA SERRA esteve no local e viu que a nova rua ainda não havia recebido calçamento. É de terra batida e cheia de buracos. A via anterior, a Rua Alberto Rangel, continuava bloqueada para veículos. Era possível passar a pé por lá, mas a encosta apresentava sinais de deslizamentos recentes.

Fechado há cerca de oito anos, o gigantesco imóvel cercado pela Mata Atlântica era vigiado por dois seguranças. A equipe de reportagem não foi autorizada a entrar, mas pode observar, mesmo de longe, que os prédios estavam se deteriorando, e o mato crescia em volta. 

Ano passado, autoridades municipais realizaram inspeção nas instalações para execução de futuros projetos, mas nenhuma das ideias saiu do papel. Por sua vez, a FGV informou que decidiu pela venda do imóvel para fazer novos investimentos na área de ensino e pesquisa em suas unidades do Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília. 

“As propostas para compra do imóvel têm que ser encaminhadas até o dia 6 de julho (2019) à Diretoria de Operações da FGV”, informou. Outros detalhes podiam ser obtidos em fgv.br/novafriburgo.

A Fecomércio/RJ — Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Rio de Janeiro, que administra o Sesc, fez uma proposta de compra do imóvel por R$ 13 milhões, mas o negócio não prosperou. 

 

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: