Destaques do Frizão começam a integrar novos clubes

Raniel, Dedé e Vitinho são alguns dos craques que partiram para novos desafios
quarta-feira, 19 de agosto de 2020
por Vinicius Gastin
 Volante Vitinho, destaque no ano passado, defende um dos times que se destacam no Paulistão
Volante Vitinho, destaque no ano passado, defende um dos times que se destacam no Paulistão

Após cumprir a missão de se manter na Seletiva do Campeonato Carioca – apesar de não ter conseguido o objetivo principal de chegar à fase principal -, o Friburguense já planejava a montagem do elenco para a disputa da Copa Rio. Boa parte do plantel chegou a ser emprestada, e muitos retornariam para a disputa da competição, já mirando também a próxima temporada. Contudo, a pandemia mudou todo o planejamento, recolocou alguns atletas na folha de pagamento tricolor antes do previsto e agravou o cenário de incertezas.

Enquanto aguarda por definições de datas e o detalhamento da próxima edição do Estadual (provavelmente com 18 clubes), o Frizão, sem a Copa Rio, passa pelo processo natural de perda de algumas peças importantes dos últimos elencos montados. Autor do gol do acesso em 2019 e um dos destaques este ano, o zagueiro Raniel é um desses jogadores que vão encarar novos desafios na carreira.

Revelado pelo Nova Iguaçu, o atleta de 23 anos teve rápida passagem pelo Pinheiro (MA) e agora vai para a sua primeira experiência fora do país, na segunda divisão de Portugal. Juntamente com o meia atacante Michel, que fez sua base no Flamengo e Fluminense, e vem de um bom estadual disputado pelo Boavista, Raniel assinou contrato com o Oliveirense para a temporada 2020/2021, que deve começar em setembro. O objetivo da equipe de Oliveira de Azeméis é voltar à elite portuguesa.

Quem também está de casa nova é o volante Vitinho, que já havia deixado Nova Friburgo após a Série B1 de 2019. Natural de Miracema, o jogador começou a carreira no São João da Barra, se destacou no Friburguense e passou ainda por Bangu, Portuguesa e Resende, clube pelo qual jogou o Campeonato Carioca da Série A deste ano. Alvo de vários elogios, Vitinho está defendendo o Santo André, um dos destaques da primeira divisão do Campeonato Paulista 2020.

Outro atleta que apareceu com destaque no Frizão e está de casa nova é o atacante Dedé (foto). O jogador já não fazia mais parte dos planos de Cadão durante a Seletiva, enquanto negociava com o cearense Ferroviário. Após a conclusão dos trâmites burocráticos de transferência, o clube nordestino adquiriu 60% dos direitos federativos do jogador, e o restante ficou com o Americano. O detalhe é que, no dia 3 de fevereiro, o Ferrão anunciou Dedé pela primeira vez, mas faltava concluir a liberação junto ao Friburguense.

Dedé tem 25 anos e 1,83 metro de altura. Natural de Cachoeiras de Macacu foi descoberto junto com o zagueiro Magrão durante uma peneira no estádio Eduardo Guinle. Se destacou nas edições de 2018 e 2019 da Série B1 do Campeonato Carioca, mas não conseguiu manter o bom desempenho na Seletiva deste ano.

Clube aguarda definições

Sem ter um calendário completo, assim como a maioria esmagadora dos clubes espalhados pelo Brasil, o Friburguense tenta projetar os próximos passos de acordo com as possibilidades. Competição que seria disputada no segundo semestre, a Copa Rio foi cancelada, e agora o clube aguarda pelas definições relativas ao Campeonato Carioca de 2021 para iniciar algum tipo de planejamento.

 “Esse é o problema mais sério que os pequenos sofrem. Quem não consegue ganhar uma Copa Rio, ser vice ou o melhor numa Série A Estadual, fica sem calendário. Foi uma coisa que passou em branco, e até hoje eu não entendo a mudança de calendário pela CBF. Temos dois meses de campeonato numa primeira divisão ou seletiva. Se você faz contrato de um ano, paga dez meses sem jogar. E surgem oportunidades no meio do caminho.”, explica o gerente de futebol do Friburguense, José Siqueira, o Siqueirinha.

O Friburguense contava com uma base montada para a Copa Rio, composta por jogadores que possuíam contrato e seriam emprestados no restante do primeiro semestre.       Ainda dentro deste contexto, o clube tem convivido com a perda de atletas nos últimos anos. O respaldo da Lei Pelé é apenas um agravante no cenário onde a falta de um calendário completo impossibilita a manutenção do elenco. O caso mais recente foi o do atacante Lohan, que passou por diversas categorias na base do clube, e sem acordo para a renovação de contrato, acabou se desligando do Tricolor.

“Você faz um contrato maior, a oportunidade surge e perdemos o jogador. O Lohan é um caso desses. Está com a gente desde o juvenil e foi para o Botafogo-PB. Não retornou nem para a seletiva, baseado pela Lei Pelé. Com menos de seis meses para o final do contrato, a gente queria renovar para emprestar, mas ele usou o direito do pré-contrato e conseguiu a liberação. Está muito difícil para trabalhar com o calendário assim”, observa Siqueirinha.

Se a situação financeira do Friburguense ainda preocupa, a permanência na seletiva para o Campeonato Carioca de 2021 é um alento e permite fazer algumas projeções. “Vamos voltar a disputar uma seletiva no ano que vem, sem passar por uma Série B1. Lógico que o projeto era já chegar à fase principal, e era também a vontade dos jogadores. Mas enfrentamos uma dificuldade muito grande na questão financeira. Entre novembro e dezembro, esse não acerto entre o Flamengo e a TV, fez com que o Friburguense, que tinha direito a R$ 700 mil, não recebesse. Esse valor seria distribuído de novembro a janeiro. Não tivemos verba nenhuma, apenas R$ 180 mil”, conta o gerente do Frizão. 

LEIA MAIS

Tradicional equipe da Zona Norte do Rio pode voltar a ser adversária do Friburguense em 2022

Paduano é uma das equipes que seguem na briga pelo título e acesso

Siqueira pontua mudanças no futebol e traça planos para “mudar” a imagem passada pelo time

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: futebol