Casa no Cascatinha é alvo de buscas da Polícia Civil do Rio contra milicianos

Friburgo foi a única cidade fora da capital onde agentes vieram procurar provas de envolvimento em esquema de lavagem de dinheiro
quinta-feira, 28 de abril de 2022
por Jornal A Voz da Serra
As buscas nesta quinta no Rio (Reprodução TV Globo)
As buscas nesta quinta no Rio (Reprodução TV Globo)

Uma casa de veraneio no bairro de Cascatinha, com piscina e vista para a mata, pertencente a um empresário e advogado, foi vasculhada na manhã desta quinta-feira, 28, por agentes do Departamento Geral de Combate à Corrupção, ao Crime Organizado e à Lavagem de Dinheiro (DGCOR-LD) da Polícia Civil do Rio. Eles vieram da capital cumprir um dos 16 mandados de busca e apreensão expedidos pela  1ª Vara Criminal Especializada da capital dentro das investigações da Operação Caixa de Areia 2. A operação, deflagrada há um ano com atuação da 1ª Promotoria Especializada de Investigação Penal, tem por objetivo chegar aos responsáveis por lavar dinheiro da exploração de imóveis pela milícia que atua na Muzema, na Zona Oeste da capital.

Entre os alvos estão pessoas já denunciadas em investigações iniciadas após os desabamentos de dois prédios na comunidade, em 2019, matando 24 pessoas. A polícia afirma que o grupo movimentou quase R$ 100 milhões somente entre 2019 e 2020.

Friburgo foi a única cidade fora do Rio onde foram cumpridos mandados nesta quinta. Os outros endereços vascullhados ficam todos na capital: Barra da Tijuca, Jacarepaguá, Itanhangá, Copacabana, Tijuca,  Penha e  Freguesia. 

Não foram divulgadas maiores informações. A ação teve o apoio do Departamento Geral de Polícia Especializada (DGPE).

De acordo com as investigações, os suspeitos atuam como investidores, injetando dinheiro para que a milícia tenha capital de giro suficiente para construir prédios; ou fazendo movimentação bancária para ocultar os  lucros obtidos com a atividade criminosa.

Segundo a Secretaria de Estado de Polícia Civil (Sepol), o foco da ação é obter novas provas, a partir de apreensão de documentos, escrituras de imóveis, celulares e outros aparelhos eletrônicos. A intenção é investigar o uso de "laranjas" e empresas de fachada como imobiliárias, construtoras, lojas de material de construção e açougues.

Na primeira fase da operação, em maio do ano passado, foram cumpridos mandados de busca e apreensão e feito o bloqueio judicial de mais de R$ 10 milhões de contas bancárias dos envolvidos no esquema.

LEIA MAIS

Criação de aplicativo para apoiar mulheres vítimas de violência e de núcleos nas delegacias estão entre as ações

De janeiro a junho deste ano, delito foi o que mais cresceu na cidade em relação ao mesmo período de 2021, segundo o ISP

Entrevistados moram nas capitais do país e têm entre 13 e 15 anos

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 77 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: crime