Campanha de vacinação contra a poliomielite e demais doenças é prorrogada

Doses são oferecidas agora nos postos de saúde até o próximo dia 27
quinta-feira, 05 de novembro de 2020
por Jornal A Voz da Serra
Campanha de vacinação contra a poliomielite e demais doenças é prorrogada

Inicialmente, a campanha de vacinação contra a poliomielite (paralisia infantil) e demais doenças que integram o calendário de rotina estava prevista para ser encerrada no dia 30 de outubro e foi prorrogada em todo o Estado do Rio de Janeiro. Em Nova Friburgo, a campanha prossegue até o próximo dia 27 nas salas de vacinas com o seguinte cronograma: Na Unidade Básica de Saúde José Copertino Nogueira, em São Geraldo, a vacinação é oferecida às terças e quintas, das 8h às 16h. Já nas outras unidades de saúde: Waldir Costa, em Conselheiro Paulino; Silvio Henrique Braune, no Suspiro; e Tunney Kassuga, em Olaria; estão abertas para vacinação das 8h às 17h, de terça à sexta-feira.

Balanço da vacinação contra a polio no Brasil 

Segundo dados preliminares das secretarias estaduais de Saúde de todo o país, 4,9 milhões de crianças foram vacinadas contra a paralisia infantil desde o início da mobilização, no dia 5 de outubro. Até o momento, cerca de 6,3 (55,9%) milhões de crianças ainda não foram vacinadas contra a doença. O público-alvo estimado é de 11,2 milhões de crianças de 1 ano a menores de 5 anos de idade. Os estados podem continuar com as mobilizações de acordo com o planejamento e estoque locais de vacinas.

A maior cobertura, até o momento, foi registrada entre as crianças de 2 anos de idade (45%), enquanto a menor foi registrada entre as crianças 3 anos de idade (43%). O estado do Amapá registrou o maior índice de vacinação contra a poliomielite no país (76,4%), seguido de Pernambuco (64%) e da Paraíba (61%). A menor cobertura registrada foi do estado de Rondônia (17,3%).

Até o momento, 646 municípios (11,5%) atingiram a meta de 95% de crianças vacinadas. Os dados são preliminares e os municípios têm até o fim de novembro para registrar as doses aplicadas no sistema de informações do Ministério da Saúde. A recomendação aos estados que não atingirem a meta é continuar com a vacinação de rotina oferecida durante todo o ano nos mais de 40 mil postos de saúde distribuídos pelo país.

Poliomielite 

A poliomielite, conhecida como paralisia infantil, é uma doença infectocontagiosa grave que afeta o sistema nervoso, podendo provocar paralisia permanente ou transitória dos membros inferiores. Não existe tratamento e a única forma de prevenção é a vacinação.

O Brasil vem desenvolvendo um importante papel no combate à poliomielite. Ao longo de 47 anos o Programa Nacional de Imunizações (PNI), por meio das ações de vacinação, tem contribuído de forma ativa para manter o país livre da doença. Em 1994, o Brasil recebeu da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) a certificação de área livre de circulação do poliovírus selvagem do seu território, juntamente com os demais países das Américas. 

Desde então, o país tem se empenhado para alcançar altas e homogêneas coberturas vacinais para manter a eliminação da doença. Coberturas vacinais municipais heterogêneas podem levar a formação de bolsões de pessoas não vacinadas, possibilitando a reintrodução do poliovírus. Por isso, é imprescindível que pais ou responsáveis levem as crianças menores de 5 anos aos postos de vacinação.

Estado do Rio já vacinou 47,1 mil contra o sarampo

No Estado do Rio de Janeiro já forma vacinadas cerca de 47 mil pessoas contra o sarampo na faixa etária de 20 a 49 anos, o que corresponde a 0,6% do público-alvo, que é de 7,5 milhões de pessoas em todo o estado. Dados preliminares das secretarias estaduais de Saúde no Brasil apontam que, desde o início da ação (16 de março) até o dia 29 de outubro, foram vacinadas 11,7 milhões de pessoas nessa faixa etária em todo o país, o que corresponde a 13% do público-alvo.

A estratégia de vacinação, em parceria com estados e municípios, faz parte dos esforços do Ministério da Saúde contra a doença, para alcançar a meta do Brasil livre do sarampo, no contexto do Movimento Vacina Brasil.

A vacinação é a principal medida de prevenção e controle do sarampo. Para viabilizar a estratégia de vacinação, foram enviadas 4,3 milhões de doses da vacina, além do quantitativo para atendimento de rotina. O Ministério da Saúde tem alertado a população quanto à importância da vacinação, respeitando as diretrizes e orientações de segurança para evitar o risco de transmissão da Covid-19. O sarampo é uma doença grave e de alta transmissibilidade. Uma pessoa pode transmitir para até 18 outras pessoas. A disseminação do vírus ocorre por via aérea ao tossir, espirrar, falar ou respirar.

A vacinação contra o sarampo é uma estratégia do Ministério da Saúde para interromper a transmissão e eliminar a circulação do vírus no Brasil. As duas primeiras etapas ocorreram em 2019, com a realização de ações nacionais, em outubro, para crianças de seis meses a menores de 5 anos de idade. E, a segunda etapa, foi realizada em novembro para a população de 20 a 29 anos. A terceira etapa, que ocorreu entre 10 de fevereiro a 13 de março deste ano, teve como público-alvo a população de 5 a 19 anos.

Boletim Epidemiológico

De acordo com o último Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde, neste ano, até 3 de outubro, foram notificados 16.104 casos de sarampo em 21 estados. Metade desses casos foram confirmados (8.187). Neste período foram registrados sete óbitos pela doença, sendo um no estado de São Paulo, um no Rio de Janeiro e cinco no Pará. 

 

LEIA MAIS

Cidade agora tem 13 pacientes em enfermarias e dois em tratamento intensivo, leitos que estavam vazios desde novembro

Hospital está com ortopedistas, cirurgiões e pediatras e UPA dá suporte, diz prefeitura

Se portaria ministerial entrar em vigor, município pode deixar de receber mais de R$ 1 milhão de recursos para procedimentos de alta complexidade

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: saúde | vacina