Alerj aprova projeto da lei de diretrizes orçamentárias para 2023

Com receita líquida de R$ 93,36 bi, orçamento deve ficar sem déficit para o próximo ano
sexta-feira, 01 de julho de 2022
por Jornal A Voz da Serra
Arquivo AVS
Arquivo AVS

A Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou em discussão única, nesta semana, o Projeto de Diretrizes Orçamentárias de 2023 (projeto de lei 5.807/22). A medida, enviada para a casa pelo Governo do Estado, prevê uma receita líquida de R$ 93,36 bilhões e despesas no mesmo valor para 2023, ou seja, um orçamento sem déficit para o próximo ano. O projeto seguiu para análise do governador Cláudio Castro, que tem até 15 dias úteis para vetá-lo ou sancioná-lo.

De acordo com o projeto, o Governo do Estado espera contar com R$ 4,1 bilhões para investimentos, como a construção de unidades habitacionais e escolas e o financiamento das centrais de regulação de urgência na Saúde. Na justificativa enviada à Alerj, o governador explicou que 2021 foi marcado por uma série de fatores favoráveis ao aumento da arrecadação tributária estadual.

Para as projeções orçamentárias foram utilizados como base, entre outros fatores, a arrecadação realizada no exercício financeiro de 2021, a estimativa de receitas constantes da Lei Orçamentária Anual de 2022 (LOA) e a reestimativa das receitas consignadas. Sobre a base de cálculo dessas receitas, foram aplicadas variações de produto e de preços, representadas pelas estimativas de variação do Produto Interno Bruto (PIB), do Índice de 92 Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), do Índice Geral de Preços (IGP-DI), da Taxa de Câmbio e da Taxa Selic. Como todas essas taxas variam durante o ano, é provável que a estimativa final do orçamento de 2023 sofra alterações.

O texto recebeu parecer favorável da Comissão de Orçamento da Alerj. O parecer, elaborado pelo presidente do grupo, deputado estadual Márcio Canella (União), também foi favorável a 1.106 emendas elaboradas pelos parlamentares (85,62%), favorável com subemendas a 49 emendas (3,71%), pela rejeição de 126 emendas (9,74%) e pela prejudicabilidade de 12 emendas (0,93%). Durante a votação em plenário, os deputados puderam destacar emendas que não foram acolhidas pela Comissão de Orçamento.

 

LEIA MAIS

Sub da Smomu fica responsável também pela Guarda Civil Municipal e pelo Departamento de Posturas

Objetivo é garantir destinação de verbas vinculadas, sem possibilidade de transferência para outras contas do tesouro municipal

Depois de perícia judicial, agora estudo da Coppe/UFRJ arbitra reajuste a ser aplicado a partir de outubro, enquanto serviço não é licitado

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 77 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: Governo